Indice  - compilado por Beraldo Lopes Figueiredo

Página Principal

 115 - Escolas Iniciáticas:

ESCOLAS TRADICIONAIS:

115.1 - Escolas Tradicionais ou Lineares

115.2 - Tradição iniciática Ocidental

115.3 - Ordens Iniciáticas

115.4 - Ordem DeMolay

115.5 - Golden Dawn (Escola Hermética Aurora Dourada)

115.6 - ROSACRUZ

115.7 - MAÇONARIA

115.8 - TEOSOFIA

115.9 - ESCOLAS IÓGUICAS

115.10 - CABALAH

115.11 - OUTRAS SOCIEDADES SECRETAS

115.11.1 - Ordem dos Assassinos

115.11.2 - Clube de Bildebberg

115.11.3 - Thule

115.11.4 - ONA - Ordem dos Nove Angulos

115.11.5 - Ordem de Skull and Bones 
115.11.6 - Priorado de Sião

115.1- ESCOLAS TRADICIONAIS OU LINEARES:

Lineares e analíticas porque se preocupam com a evolução do SER.

Escola nº 01 : O caminho do Faquir: Maçonaria, Karma Yoga - Ocupa-se do desenvolvimento do eu pela via da ação e do esforço FÍSICO (OCULTISMO).

Escola nº 02: O caminho do Monge: Teosofia, bakti Yoga - Ocupa-se do desenvolvimento do EU através do domínio das EMOÇÕES (MISTICISMO).

Escola nº 03: O caminho do Iogue: Cabala, Rosacricianismo, Raja Yoga - Ocupa-se do desenvolvimento do EU através do domínio da MENTE (ESOTERISMO).

Escolas Integrativas:

Estas trabalham de forma sintética ou seja trabalham simultaneamente com os três aspectos do ser: FÍSICO, EMOCIONAL e MENTAL.
Dentre dessas temos escola nº 4: Arte Objetiva; escola nº 5: Ciência objetiva; Escola nº 6: Devocional Superior e escola nº 7: ritualística de Alta Magia.

FONTE: Lívio Vinardi



115.2 - TRADIÇÃO INICIÁTICA OCIDENTAL:

No ocidente, desde os primórdios da Civilização Cristã, existem atuando independentes de quaisquer ligações com a religião exotérica, três correntes de ensinamento esotérico.

Tais correntes abordam aspectos específicos da Tradição Primordial, sendo que sua ação se focaliza nos planos físico, psíquico(ou astral) e mental.

Sem entrarmos em controvérsias improdutívas, existem tres escolas de sabedoria no ocidente que representam sem interrupção cada uma destas correntes, e que são:

A ROSA+CRUZ, A FRANCO-MAÇONARIA e O MARTINISMO.

As correntes que nos referimos são:

I - A CORRENTE HERMÉTICA ou ALQUÍMICA ou EGÍPCIA, representada pela ROSA+CRUZ, busca o Conhecimento pelo desenvolvimento da Mente;

II - A CORRENTE PITAGÓRICA ou TEÚRGICA ou GREGA, representada pela FRANCO-MAÇONARIA, busca o Conhecimento pelo desenvolvimento da Ação Teúrgica no Plano Físico;

III - A CORRENTE CABALÍSTICA ou JUDAICO-CRISTÃ que busca o Conhecimento através do Domínio sobre as Emoções ou sobre o Astral.

Tais escolas exercem influências recíprocas umas sobre as outras, mas como dissemos a tônica de cada uma delas se concentra em planos de ação distintos.

Uma pergunta que se faz comumente é se cada uma destas escolas de sabedoria sózinha pode outorgar a Iniciação? Podemos afirmar que sim porque a abordagem de cada uma delas, embora se focalize em apenas um plano de ação, acaba por equilibrar os demais.

Não podemos deixar de mencionar neste ponto, as chamadas Escolas Integrativas de Sabedoria que focalizam sua ação nos tres planos físico, psíquico e mental, SIMULTÂNEAMENTE.

A escola integrativa mais conhecida no Ocidente é a Escola do Quarto Caminho introduzida pôr G.I. GURDJIEFF.

As escolas integrativas também outorgam a Iniciação mas exigem qualidades específicas de seus aderentes uma vez que a ação simultânea sobre os tres planos exige equilíbrio relativo sobre cada um dos planos.

Não se trata neste caso de que estes indivíduos sejam necessariamente superiores aos demais e sim que o seu percurso evolutivo interior os trouxe a uma situação de relativo equilíbrio dos centros físico, psíquico e espiritual. (Como existem uma gama imensa de indivíduos cada um traz uma peculiar situação evolutiva interna que exige por isso uma ação especifica. Assim poderemos ver indivíduos com um forte desenvolvimento mental e físico mas com uma deficiência no plano emocional. Outro pode ter um excelente desenvolvimento do centro emocional e físico e uma carência grande no centro mental. Daí a existência das diferentes escolas de sabedoria.)

por: Nashar

Fonte:

http://www.professores.uff.br/pitagoras/mexas/cristo-cosmico/tradesooci.html

 

115.3 - ORDENS INICIÁTICAS:

Entende-se por sociedade secreta um grupo numeroso de pessoas, que se caracteriza por manter reuniões estritamente limitadas a seus adeptos, e também por manter o mais absoluto sigilo a respeito das cerimónias e dos rituais que praticam, onde se manifestam os símbolos que a caracteriza e distingue das demais. As finalidades destas sociedades ditas "secretas" são as mais variadas: políticas, religiosas, filosóficas e espirituais.

Saiba mais sobre estas ordens e sociedades neste artigo.

As Ordens Iniciáticas caracterizam-se por três manifestações: A Tradição, a Iniciação e o Sigilo.

Tradição

A Tradição, única, transcendente, é transmitida de mestre a discípulo. Trata-se dum conhecimento não-racional, intuitivo, presente em todo o ser humano, mas que deve ser despertado pela filiação espiritual e pela Iniciação.

Iniciação

A Iniciação assegura a transmissão da Tradição. Ela é a um só tempo um início para aquele que entra na Senda e um retorno à origem, ao princípio, graças ao influxo espiritual que passa do Iniciador para o Iniciado e o transmuta num discípulo da Luz. Este processo tem várias exigências: a presença do candidato, a transmissão dos símbolos e de uma força espiritual durante a Iniciação e, na continuidade, o trabalho interior do Iniciado, que tem a missão de fazer germinar a semente que recebeu.

Sigilo

O Sigilo mostra-se necessário para garantir a proteção dos ensinamentos e rituais. Visa preservar a integridade e a eficácia dos ensinamentos, a fim de reservar o seu acesso aos que buscam e o merecem. Assim o Sigilo é o interior oculto que o ser humano, em busca da sua unidade, deve procurar e descobrir por si mesmo. Devido à esse sigilo é que as ordens iniciáticas são também chamadas de "Sociedades Secretas".

As Ordens ao longo dos tempos

As "Sociedades Secretas" mais populares são a Maçonaria e a Ordem dos Rosa Cruz, porém, em cada época, em cada civilização, em distintos momentos e circunstâncias da evolução da raça humana, existiram diversas outras Ordens Iniciáticas, Ordens Secretas, Lojas, Confrarias, Monastérios, Escolas filosóficas, Escolas de Mistérios, que contribuiram para o aperfeiçoamento do género humano. Dentre as quais destacamos as seguintes:

 •  Loja do Diamante Flamígero - ( 15.997.992 a.C. - Era Primeva )
 •  Escola da Maçonaria - ( 12.622.992 a.C. - Era Lemur )
 •  Escola Rosacruz - ( 4.322.992 a.C - Era Atlante )
 •  Escola dos Lemures Redimidos - ( 2.634.992 a.C. - Era dos Últimos Lemures )
 •  Fraternidade dos Magos do Segredo Atlante - ( 9.117 a.C. )
 •  Santa Fraternidade dos Guerreiros do Norte - ( 4.992 a.C. )
 •  Loja do Empíreo - ( 4.692 a.C.)
 •  Irmãos Atlantes da Luz Akkadiana - ( 1.192 a.C. )
 •  Loja dos Mirianos do Oculto Segredo - ( Ano 77 - Início da Era vulgar )
 •  Escola do Grande Boddhisattwa - ( Ano 80 )
 •  Escola dos Gnósticos - ( Sec. I )
 •  Escola de Oriente - ( Sec. VIII )
 •  Cavaleiros da Roda de Fogo - ( Ano 825 - Inglaterra )
 •  Cadeia Rosarista das Cruzadas - ( Ano 880 )
 •  Cavaleiros da Távola Redonda - Ano 900 - Inglaterra )
 •  Escola da Ordem Secreta - ( Sec. IX )
 •  Confraria dos Irmãos ao Redor do Graal - ( Ano 1.050 )
 •  Priorado de Sião - ( Ano 1099 )
 •  Monastério Superior Tibetano dos Segredos do Hermafrodita (yab yum) - ( Ano 1100 )
 •  Budismo Secreto do Grande Oceano - ( Ano 1.110 )
 •  Loja de Tifão Bafometo - ( Ano 1.325 )
 •  Loja Botão do Oriente e Ocidente - ( Ano 1.545 )
 •  Die Indissolubilisten - ( Ano 1577 )
 •  Militia Crucifera Evangelica - ( Ano 1586)
 •  Rose-Croix Royale - ( Ano 1593 )
 •  Fruchtbringende Gesellschaft - ( Ano 1617 )
 •  Rite des Philadelphes - ( Ano 1640 )
 •  Fraternidade Polinésia dos Herdeiros da Luz - ( Ano 1700 )

Fonte:

http://portugalmistico.com/artigos-por-temas-mainmenu-56/simbologia-e-sociedade-mainmenu-53/sociedade-mainmenu-69/82-ordens-inicicas.html

 

 

115.4 - Ordem DeMolay    < Página Principal >

A Ordem DeMolay é uma sociedade discreta de princípios filosóficos, fraternais, iniciáticos e filantrópicos, patrocinada pela Maçonaria[1], para jovens do sexo masculino com idade compreendida entre os 12 e os 21 anos. Fundada nos Estados Unidos dia 18 de março de 1919, em Kansas City, Missouri, pelo maçom Frank Sherman Land, é patrocinada e apoiada pela Maçonaria, oficialmente desde 1921, que na maioria dos casos cede espaço para as reuniões dos Capítulos DeMolay e Priorados da Ordem da Cavalaria - denominações das células da organização.

A Ordem é inspirada na vida e morte do nobre francês Jacques De Molay, 23º e último Grão-Mestre da Ordem dos Templários, morto em 18 de março de 1314 junto a outros membros da Ordem por não ter confessado as falsas acusações de pratica de diversos crimes, entre eles heresias e infidelidade à Igreja Católica, partidas do rei Filipe IV de França, e aceitas pelo papa Clemente V. Sendo motivo dessas acusações a ambição de Filipe pelas posses da Ordem dos Templários, pois em caso de prisão, os bens do acusado passariam a pertencer ao Estado francês.

Há cerca de 205 milhões de membros em todo o mundo e mais de 200 mil no Brasil. O DeMolay que completa 21 anos de idade, é denominado Sênior DeMolay e passa a acompanhar os trabalhos da Ordem através da "Associação DeMolay Alumni". No Brasil, distribuídos em mais de setecentos Capítulos, os milhares de DeMolays regulares de todos os estados da federação se reúnem freqüentemente.

No mundo, a Ordem DeMolay pode ser encontrada em: Aruba (Países Baixos), Alemanha, Austrália, Bolívia, Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos, Filipinas, Guam (Estados Unidos), Itália, Japão, México, Panamá, Paraguai, Perú e Uruguai[2].

No dia 08 de abril de 2008, o Deputado Estadual de São Paulo Bruno Covas criou o Dia do DeMolay no Estado de São Paulo, através da Lei Estadual nº 12.905, a ser comemorado anualmente no dia 18 de março de cada ano. No dia 19 de janeiro de 2010, o ex-presidente da República Federativa do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, através da Lei Federal nº 12.208, insituiu o dia 18 de março como o Dia Nacional do DeMolay, seguindo o exemplo de Bruno Covas, que escolheu esta data por marcar a data de falecimento de Jacques de Molay, herói mártir da Ordem.

Principios

Os princípios da Ordem são baseados em virtudes como a fraternidade e o companheirismo, incentivando cada membro a trilhar seu caminho seguindo preceitos que são considerados pela Ordem diferenciais na vida de um líder e determinantes para seu destino.

Os baluartes da Ordem são a defesa das Liberdades:

·         "Religiosa" representada pelo Livro Sagrado.

·         "Civil", representada pela Bandeira Nacional.

·         "Intelectual", representada pelos Livros Escolares.

Assim prescreve a ética de um DeMolay:

·         Um DeMolay serve a Deus;

·         Um DeMolay honra todas as mulheres;

·         Um DeMolay ama e honra seus pais;

·         Um DeMolay é honesto;

·         Um DeMolay é leal a ideais e amigos;

·         Um DeMolay executa trabalhos honestos;

·         Um DeMolay é cortês;

·         Um DeMolay é sempre um cavalheiro;

·         Um DeMolay é um patriota tanto em tempo de paz quanto em tempo de guerra;

·         Um DeMolay sempre permanece inabalável a favor das escolas públicas;

·         Um DeMolay é o orgulho de sua Pátria, seus pais, sua família e seus amigos;

·         A palavra de um DeMolay é tão válida quanto sua confiança;

·         Um DeMolay, por preceito e exemplo, deve manter os elevados níveis aos quais ele se comprometeu.

Sete Virtudes Cardeais de um DeMolay

A Ordem DeMolay invoca sete luzes, simbolizando as sete virtudes cardeais de um DeMolay, que iluminam seus caminhos conforme passam pela estrada da vida, simbolizando tudo que é bom e correto, a base de suas vidas.

Amor Filial: é o amor e carinho que devemos ter por nossos pais, que nos semearam, geraram, nos ensinaram as primeiras lições de nossas vidas e se sacrificaram por nós. Através deles nós tivemos as primeiras lições de educação, respeito e na crença em Deus.

Reverência pelas Coisas Sagradas: significa a crença em Deus, não importando a sua religião. Para ser um DeMolay o jovem tem que ter fé Nele e provar o quanto ama e deseja servir a Deus.

Cortesia: cortesia, educação e solidariedade são princípios que um DeMolay procura por em prática usando a filantropia, mas somente válida quando é feita com sentimento, colocando o coração naquilo que faz. Os DeMolays têm uma regra que diz:

"Para ser útil à sociedade não é necessário ser um DeMolay, mas para ser um DeMolay é necessário ser útil à sociedade".

Companheirismo: é ser um amigo leal, tanto nas horas boas quanto nas ruins. O verdadeiro companheiro e amigo é aquele que estende a mão para um Irmão, que está despencando de um abismo, segurá-la. Companheirismo é levar uma chama de amizade no coração, para que, quando um amigo estiver no meio do túnel, ela possa iluminar e mostrar onde está a saída.

Fidelidade: é sempre acreditar em seus ideais e virtudes, mantendo em segredo tudo aquilo que lhe for ensinado. É ser fiel a Deus, à sua Pátria e a seus amigos, seguindo o exemplo de fidelidade de Jacques DeMolay, que preferiu morrer a trair seus Irmãos.

Pureza: é ser um cidadão idôneo, puro de alma e de coração; é sempre estar de bem com a própria consciência. É manter a mente longe de tudo que vá contra os princípios de um bom cidadão.

Patriotismo: é respeitar e defender a nossa Pátria, nosso Estado e nossa Cidade e, além disso, conservar tudo que diz respeito ao patrimônio público, como escolas, asilos, orfanatos e hospitais, que prestam ajuda às pessoas mais carentes de nossa sociedade.

Graus

Assim como a Maçonaria possui o Corpo das Lojas de Perfeição após as Lojas Simbólicas, a Ordem DeMolay também se divide em dois Corpos. O primeiro, envolve os dois primeiros Graus: o Grau Iniciático e o Grau DeMolay, podendo ser comparado às Lojas Simbólicas. O segundo envolve os graus históricos, filosóficos e honoríficos, que compõe da Ordem da Cavalaria.

Os Graus básicos da Ordem DeMolay são o Grau Iniciático e o Grau DeMolay. Os DeMolays desses graus trabalham em Capítulos. Os Graus da Cavalaria são trabalhados em Priorados (ou Conventos).

Grau Iniciático

Primeiro grau da Ordem DeMolay, onde os DeMolays recém iniciados ingressam quando são admitidos em um Capítulo e refletem sobre a Cerimônia de Iniciação.

O Primeiro Grau DeMolay[3], chamado Grau Iniciático, é baseado nas Sete Virtudes Cardeais de um DeMolay: amor filial, reverência pelas coisas sagradas, cortesia, companheirismo, fidelidade, pureza e patriotismo. O ingresso à Ordem exige do candidato ao menos um esboço dessas Sete Virtudes, sendo esse Grau, responsável por esculpi-las e valoriza-las, fazendo com que o jovem as honre e dignifique ainda mais em sua vida diária. É ainda nesse Grau que o jovem possui o primeiro contato com o esoterismo oferecido pela Ordem, através de toda a simbologia embutida na disposição dos objetos dentro da Sala Capitular, nos Oficiais das sessões e em seus paramentos, e principalmente na ritualística que rege as sessões. É durante esse Grau que ocorre o contato de maior valor com a Ordem, pois se define a qualidade que terá o jovem como DeMolay ativo. Portanto, despertar o interesse sobre a Ordem da forma correta é um trabalho delicado e muito importante, para que se tenha resultados dos ensinamentos oferecidos por ela no dia a dia de seus membros, tornando o mundo melhor a sua volta.

Grau DeMolay

Segundo grau da Ordem, alcançado pelos DeMolays esforçados, que após demonstrarem merecimento e conhecimentos adquiridos na convivência capitular e estudos pertinentes a grau iniciático. A aquisição dos graus varia de acordo com requisitos pré-estabelecidos, tais como idade mínima, tempo decorrido após a iniciação e mérito no cumprimento das tarefas oferecidas pelo grau em que se encontra, antes de receber o grau DeMolay deve-se fazer de cor um exame de proficiência.

Ordem dos Escudeiros da Távola Redonda

A Ordem dos Escudeiros Távola Redonda é uma organização internacional, fundada em 1995, patrocinada pela Ordem DeMolay, feita para crianças, do sexo masculino, entre sete e doze anos, buscando auxiliar a criança na construção de seu desenvolvimento intelectual, visando à formação de um melhor cidadão para o futuro.

O nome “Távola Redonda”, relacionado à lenda do Rei Artur, foi escolhido porque aquela antiga ordem possuía os mais elevados ideais de serviço, perfeição, camaradagem e igualdade entre os Cavaleiros. Dessa forma, a lenda é usada como ferramenta lúdica para o desenvolvimento pedagógico de suas cerimônias e objetivos.

A Távola de Escudeiros é o nome dado à unidade de cada agrupamento de escudeiros. (Ex: Capitulo, Loja, Bethel, Assembléia). Por ser cada Távola um apêndice do Capitulo que a patrocina, a mesma deve levar, obrigatoriamente, o nome do Capitulo patrocinador. Cada Távola possui uma administração própria, composta de cargos que são ocupados pelos Escudeiros.

O propósito da Ordem dos Escudeiros da Távola Redonda é contribuir para que as crianças, ao chegar a sua adolescência, assumam seu próprio desenvolvimento, especialmente do CARÁTER, ajudando-as a realizar suas plenas potencialidades físicas, intelectuais, sociais, afetivas e espirituais, como cidadãos responsáveis, participantes e úteis à comunidade, de forma autônoma e consciente.

Os princípios que alicerçam a Ordem dos Escudeiros são:

·         Sabedoria;

·         Verdade;

·         Justiça.

Os métodos utilizados pela Ordem dos Escudeiros caracterizam-se pelo conjunto dos seguintes pontos que orientam o trabalho educativo desenvolvido com as crianças:

·         Promessa de ser um melhor filho;

·         Cerimônias Ritualísticas;

·         Vida em equipe;

·         Atividades Progressivas, atraentes e variadas.

·         Desenvolvimento pessoal com orientação.

·         Aprender fazendo.

Ordem da Cavalaria

Os Nobres Cavaleiros da Ordem Sagrada dos Soldados Companheiros de Jacques DeMolay, mais conhecidos como Ordem da Cavalaria, são uma organização complementar da Ordem DeMolay cujo objetivo principal é o aprimoramento moral e filosófico de seus membros, que se reunem em Conventos (SCODB) ou Priorados (SCODRFB). A admissão é concedida a DeMolays que tenham 17 anos ou mais e receberam o Grau DeMolay ao menos 6 meses antes da Investidura, o nome dado à Iniciação a esta Ordem.

O primeiro Convento foi fundado em 27 de outubro de 1947 e a primeira Investidura ocorreu em 10 de janeiro de 1948 em Kansas City, Missouri, EUA. Enquanto no Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil existem 11 graus, no Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil existem 2 graus, que são os mesmos que foram trazidos ao Brasil em 1993, quando o primeiro Convento brasileiro foi fundado, no Rio de Janeiro.

Como participar da Ordem DeMolay

Para que um jovem seja iniciado na Ordem DeMolay, é preciso que o mesmo seja indicado por um membro ativo da Ordem, um Sênior DeMolay ou um Mestre Maçom, todos devidamente regulares em suas potências. O jovem escolhido deve ser grande destaque no meio onde vive e preencher, obrigatoriamente, dentre outras, todas as seguintes características:

·         Ter entre 12 anos completos e 21 incompletos;

·         Possuir um esboço da grande maioria das virtudes defendidas pela Ordem;

·         Crer firmemente em um Ser Superior, independentemente de qualquer religião;

·         Ser uma pessoa de forte caráter e ética;

·         Ter sua indicação aprovada sem ressalvas por todos os membros do Capítulo e do Conselho Consultivo;

·         Ter grande vontade de aprender, estar disposto a valorizar a amizade verdadeira e guardar segredo sobre tudo o que se passa durante as reuniões.


Os candidatos ao ingresso na Ordem DeMolay não são escolhidos aleatoriamente. Todos passam por um rigoroso processo de seleção no qual o candidato é avaliado e investigado em vários aspectos. Em caso de aprovação unânime do Capítulo, ele será iniciado. Caso contrário o candidato não será iniciado, mas existe a possibilidade de posteriormente realizar uma nova tentativa. Ele será informado se iniciará ou não. O motivo de uma não aprovação não é informado.

 

DeMolays famosos:

Internacionais:

·         Bill Clinton - Político 42º Presidente dos Estados Unidos

·      Burl Ives - Cantor Folk

·      Carl D. Albert - Político Porta Voz Casa Branca (1971-77)

·      Cecil D. Andrus - Político Governador do Idaho (1971-77, 1987-95), Secretario do Interior dos E.U.A(1977-81)

·      Dean Spanos - Dono do The San Diego Chargers(Time de Futebol Americano)

·      Frank Borman - Foi o comandante da Apollo 8, primeira missão orbital a Lua em 1968, tendo recebido a primeira medalha de honra espacial do congresso

·      Harold Schafer - Filantropo e Homem de Negocios Fundador da Gold Seal Company

·      Henry M. Jackson - Político Senador Americano (1953-83)

·      John Wayne - Premiado ator Norte-Americano

·      Jon Bon Jovi - Famoso cantor pop americano

·      Mel Blanc - Dublador "O homem de 1.000.000 de vozes" (Pernalonga,Patolino,Hortelino, etc ...)

·      Neil Armstrong - Astrounauta, comandante da missão Apollo 11. Famoso por ser o primeiro homem a pisar na Lua

·      Reubin O'Donovan Askew - Político 37º Governador da Flórida (1971-1979))

·      Walt Disney - Cartunista , Cineasta, Diretor


Brasileiros:

·      Jorge Wagner - Jogador de futebol que atua como meia

·      José Carlos - Jogador de futebol que atuou como goleiro

·      Giba - Jogador de voleibol que atua como ponteiro.

·      Dante Amaral - Jogador de voleibol que atua como ponteiro

·      Mateus Pedro Liduário de Oliveira - Cantor sertanejo com faz dupla com Jorge Alves.

·      Gean Loureiro - Foi Vereador de Florianópolis e Deputado Federal. Membro do Capítulo Florianópolis n°076.

Referências

1.    http://www.cavaleirosdaluz.org/index.php?option=com_content&view=article&id=2&Itemid=2

2.    http://www.cavaleirosdaluz.org/index.php?option=com_content&view=article&id=9&Itemid=10

3.       http://www.cavaleirosdaluz.org/index.php?option=com_content&view=article&id=18:ogdo&catid=10:saiba&Itemid=19

 

115.5 - GOLDEN DAWN (Ordem Hermética da Aurora Dourada) < Página Principal >

A Ordem Hermética da Aurora Dourada (Golden Dawn), foi uma sociedade mágica surgida na Inglaterra, na década de 1880, que reunia várias vertentes do Ocultismo, e cujas ramificações encontram-se ativas até os dias de hoje.

No dizer de Gerald Yorke, a Aurora Dourada foi "a glória culminante do renascimento ocultista do século XIX, sintetizando um vasto corpo de material desconexo e disperso, em um todo coerente, prático e eficiente, o que não pode ser dito de qualquer outra ordem ocultista de que tenhamos conhecimento naquele tempo ou a partir de então".[1]

Origens

Até o surgimento da Golden Dawn, o Ocultismo Ocidental se compunha de diversas tradições separadas, por vezes divergentes. A Alquimia, a Astrologia, a Magia Cerimonial eram secundados por diversos métodos divinatórios, e influenciados por diversas crenças, como o Pitagorismo, o Neoplatonismo, o Catarismo, o Maniqueísmo, a Gnose, o Judaísmo e o Hermetismo, que transitavam por diversas culturas, como a greco-romana e a árabe.[2]

Porém, à época da Aurora Dourada (Século XIX), pode-se dizer que a tradição mágica ocidental havia se perdido, abrindo espaço para movimentos ocultistas de inspiração oriental (como a Teosofia). Nesse sentido, é possível interpretar o advento da nova Ordem como uma reação a essa tendência orientalizante.

No resgate da tradição mágica ocidental, a Golden Dawn aprofundou ao máximo as ligações com a Cabala e com a antiga Magia cerimonial, às quais ela agregou o esquema de correspondência universal proposto por Eliphas Lévi, devidamente ampliado, desenvolvido e codificado para que cada fator no Universo passasse a ter correspondência no Ser Individual.[notas 1] Assim, todos os sistemas ocultistas antes existentes foram integrados num único corpo de pensamento, interrelacionado, interdisciplinar e interdependente.

Nesse novo corpo de pensamento,[3] a Magia tornou-se uma disciplina prática e dinâmica, aonde, ao incentivo às experimentações (por exemplo, a Viagem Astral), se mesclaram três sistemas operatórios principais: a Magia Cerimonial, dotada de um novo código de signos, a Magia Enoquiana,[notas 2] e a Magia de Abramelin, (ou Magia Angélica).

Seu sucesso deveu-se à ênfase no erudito, à qualidade de seu núcleo fundador, à sua organização esmerada, ao seu incentivo à pesquisa, e à admissão de membros sem restrições de sexo, religião ou raça; mas sua importância fundamental para o renascimento do Ocultismo resultou, principalmente, de sua original capacidade de recriar e reinterpretar os vários e antigos sistemas de sabedoria oculta, cultivados no mundo Ocidental.

Cenário

Desde o século XVII, na Inglaterra, tanto a Magia quanto a Astrologia, que eram pedras angulares do Ocultismo e haviam desempenhado, nos séculos anteriores, um importante papel no campo da compreensão do Universo, deixaram de ser intelectualmente aceitáveis, por força de processos históricos que culminaram no advento da Reforma e no posterior triunfo da Filosofia Mecânica. Ciência e Magia se dissociaram, enquanto a Astrologia tornou-se um conhecimento estagnado e tratado como superstição.[4]

Mas no século XIX, esse cenário se alterou. A Inglaterra encontrava-se no auge de sua expansão imperialista, projetando-se e interagindo com os mais distantes recantos do planeta, o que tornava Londres uma metrópole culturalmente cosmopolita, receptiva a novas idéias e doutrinas. Será nesse cenário de efervescência cultural que o Ocultismo se reerguerá, até como um contra-ponto ao cientificismo (que o Positivismo consagraria como filosofia), com sua certeza no progresso da Humanidade guiada pelo racionalismo materialista da Ciência.

O ponto de partida para o ressurgimento do Ocultismo na Inglaterra foi a publicação de "Magus" (1801), livro de Francis Barrett, que é basicamente uma coletânea de escritos ocultistas medievais e renascentistas. A esse livro seguiram-se os escritos do francês, Eliphas Lévi, e de Kenneth Mackenzie, cuja grande aceitação em círculos intelectuais pode ser entendido como uma reação (notadamente no final do século) ao Positivismo e ao cientificismo, que haviam transformado o Agnosticismo em palavra de ordem, exigível a quem pretendesse ser tido como pessoa culta e sintonizada com os valores "superiores" de seu tempo.

É nesse cenário que a Europa verá despontar o Kardecismo (e outras formas de Espiritismo) e que a russa Helena Blavatsky difundirá sua Teosofia, impregnada de Budismo tibetano e outros matizes da religiosidade oriental. É ainda nesse cenário que a Maçonaria multiplicará a quantidade de suas Lojas, atraindo artistas e intelectuais, e que a lenda rosacrucianista renascerá das cinzas, atestando que, mesmo quando confiante de resolver os problemas de sua vida na Terra, através da Ciência, o ser humano busca respostas para questões transcendentes, que se situam na esfera de sua vida espiritual, além do alcance científico.

O rosacrucianismo maçônico

É desconhecida a época em que graus rosacrucianistas começaram a ser usados na Maçonaria, mas é certo que pelo menos um grau rosacruz foi introduzido no Antigo e Aceito Rito (escocês) da Maçonaria britânica.[5]

Na segunda metade do século XIX, o crescente interesse por temas rosacrucianistas levou um grupo de mestres maçons a criarem uma sociedade, especificamente dedicada ao seu estudo. Foi a Societas Rosicruciana in Anglia (chamada, abreviadamente, de Soc.Ros ou S.R.I.A), fundada em 1866 por Robert Wentworth Little, com a ajuda de Kenneth Mackenzie.

Dois membros destacados dessa Ordem (que só admitia mestres maçons em suas fileiras) viriam a ser os principais arquitetos da Aurora Dourada:

·         Dr. William Wynn Westcott, médico legista e Juiz de Instrução do distrito noroeste de Londres, que ingressou na SRIA em 1880 e viria a se tornar "Magus Supremus" (a função mais elevada), em 1891. Seus biógrafos relatam que ele passou dois anos em um retiro, em Hendon, estudando Cabala, Hermetismo e Rosacrucianismo.[6]

·         Samuel Liddell MacGregor Mathers, um ocultista apaixonado pela cultura celta, autor de "Kabbala Unveiled" - na verdade uma tradução do livro de Christian Knorr von Rosenroth.[7]

O terceiro nome ligado à criação da Golden Dawn é o do médico e maçom, Dr. William Robert Woodman.

O manuscrito cifrado

A Ordem Hermética da Aurora Dourada nasceu em 1888, reivindicando ser a verdadeira herdeira dos princípios de Christian Rosenkreuz (pai do rosacrucianismo), e supostamente amparada na autoridade que lhe teria sido concedida por uma antiga sociedade rosacruciana alemã, a Die Goldene Dammerung, através de uma misteriosa adepta, chamada "fräulein Anna Sprengel", cujo nome secreto (iniciático) seria Sapiens Dominabitur Astris (O sábio será governado pelas estrelas).

Segundo a história contada por Westcott (e sustentada por Mathers), o Reverendo A. F. A. Woodford, um velho pároco muito conhecido nos círculos maçônicos, ter-lhe-ia entregue, em agosto de 1887, sessenta páginas de um manuscrito cifrado, cuja tinta marron desbotada lhes conferia uma aparência de antiguidade, escritas num código secreto inventado no Século XVI.[notas 3] Algumas folhas do manuscrito traziam uma marca d’água datada de 1809.

Westcott, que conhecia bem a literatura hermética, teria descoberto a chave para o alfabeto artificial e, ao traduzí-lo, descobriu tratar-se de esboços fragmentários de uma série de cinco rituais e a estrutura hierárquica básica de uma organização iniciática. Em meio ao manuscrito, havia também uma carta de fräulein Anna Sprengel, conferindo-lhe um posto elevado na Die Goldene Dammerung e autorizando-o a instalar uma sucursal da Ordem alemã, na Inglaterra.

Pouco tempo depois, Westcott passaria a receber várias cartas de um secretário de Anna Sprengel, que se assinava Frater In Utroque Fidelis, fornecendo orientações adicionais para a abertura da primeira Loja (ou Templo) da Aurora Dourada inglesa, o Templo de Ísis-Urânia, cuja Carta de Autorização, assinada pela própria Anna, chegou por volta de março de 1888

Finalmente, uma carta, datada de 23 de agosto de 1890 e assinada por Frater Ex Uno Disce Omnes, anunciava a morte de fräulein Sprengel, e informava que Westcott não mais receberia qualquer outra comunicação da Alemanha.

A verdade é que toda essa história não passava de um embuste, conforme ficaria convenientemente demonstrado na obra de Ellic Howe,.[8] Descobriu-se, por exemplo, que a carta de autorização do primeiro templo fora forjada pela Srta. Mina Bergson (irmã do filósofo Henri Bergson), que viria a se casar com Mathers, em junho de 1890.

A descoberta da fraude foi um dos fatores que contribuíram para a ruína da Golden Dawn.

Sistema de graus

Para se ter idéia do caminho místico que um membro da Aurora Dourada devia percorrer, é importante saber que toda sociedade oculta possui um conjunto de metas (ou ideais) representado por uma simbologia, e que o processo de domínio dessa simbologia é demarcado por uma série de graus, tendo cada um seu próprio Ritual.

O aspirante a membro da Aurora Dourada era admitido na condição de Neófito, na qual permanecia por algum tempo, recebendo ensinamentos básicos e sendo avaliado pelas autoridades da Ordem. Uma vez aceito, ele ingressava no Primeiro Grau, iniciando sua jornada de aprendizagem.

Os quatro primeiros graus constituíam o Círculo Externo da Ordem ou Primeira Ordem:

·         Zelator 1°=10

·         Theoricus 2°=9

·         Practicus 3°=8

·         Philosophus 4°=7

Ao completar o grau de Philosophus, o membro habilitava-se a ingressar no Círculo Interno ou Segunda Ordem que, a partir de 1892, tornou-se a Ordem da Rosa de Rubi e da Cruz de Ouro (Ordo Rosae Rubeae et Aureaue Crucis). Após passar pelo grau intermediário de Senhor dos Caminhos, no Portal da Cripta dos Adeptos (onde esperaria durante nove meses), o aspirante estava preparado para sua caminhada pelos graus do Círculo Interno:

·         Adeptus Minor 5°=6

·         Adeptus Major 6°=5

·         Adeptus Exemptus 7°=4

Embora, teoricamente, o caminhante pudesse atingir o 7°, o grau de Adeptus Minor era o máximo que qualquer membro conseguiria chegar. O 6° era, na prática, reservado aos fundadores da Ordem, enquanto no 7° estariam três Chefes Secretos, só conhecidos pelos seus lemas em Latim.

Havia ainda um Terceiro Círculo, ocupado por Chefes ainda mais Secretos, que, supunha-se, existiam apenas no Plano astral. Nesse Círculo cabiam três graus:

·         Magister Templi 8°=3

·         Magus 9°=2

·         Ipsissimus 10°=1

O conjunto de graus da Ordem, numerados do 10° ao 1° em ordem decrescente, referia-se aos dez sephiroth (emanações do Divino) na Árvore da Vida cabalística, com a adição do grau Neófito 0°=0

Rituais

Os rituais usados na Aurora Dourada foram elaborados, principalmente, por Mathers, que recorreu a várias fontes e conseguiu fundí-las de um modo tão harmonioso e eficaz que o sistema por ele criado sobreviveu à própria Ordem, tornando-se a matriz onde outras sociedades iniciáticas viriam a se inspirar. Seus ingredientes misturavam Cabala, Tarot, Alquimia, Astrologia e outras tradições.

Além dos rituais que eram executados no Templo, Mathers compôs sete rituais curtos que o iniciado podia realizar na privacidade de seu lar, para fins mágicos pessoais. Eles eram bem construídos graças ao profundo conhecimento que Mathers tinha do ocultismo, sendo impregnados de Poesia e Filosofia, produzindo efeitos profundos sobre o espírito humano.

O mais impressionante ritual concebido por Mathers foi o de acesso ao Círculo Interno (5°, Adeptus Minor), baseado na célebre lenda de Christian Rosenkreuz, conforme descrita em Fama Fraternitatis.

No interior do Templo, onde se realizava a Iniciação, as paredes eram decoradas com símbolos alquímicos, cabalísticos e astrológicos. No forro branco, via-se uma rosa com vinte e duas pétalas. No piso, havia uma cruz dourada unida a uma rosa vermelha de quarenta e duas pétalas. No altar, uma cruz preta com uma rosa de vinte e cinco pétalas. No centro do Templo, destacava-se uma Cripta representando o túmulo de Christian Rosenkreuz. A cerimônia era executada por três autoridades: um Adepto-Chefe e dois auxiliares.

No início da cerimônia, o aspirante ouvia um breve discurso sobre as virtudes da humildade. Em seguida, ele era amarrado a uma grande cruz de madeira e, nessa situação, devia fazer o juramento de levar uma vida pura e altruística, guardar segredo sobre a Ordem, sustentar a autoridade de seus mestres e dedicar-se ao Grande Trabalho [notas 4]

Já solto da cruz, era-lhe feito um relato sobre a vida e a obra de Christian Rosenkreuz. Em seguida, ouvia de um dos adeptos auxiliares: "Você agora deixará o Portal por pouco tempo e, após seu regresso, será realizada a cerimônia de Abertura da Tumba".[9] Então, eram-lhe entregues um bastão e uma Cruz Ansata (Ankh),[notas 5] que lhe permitiriam reingressar no Templo.

Ao retornar, o aspirante percebia que o Adepto-Chefe desaparecera. Então, colocado diante da cripta, ele ouvia explicações sobre o significado dos símbolos gravados na tampa da cripta. E após ter feito vários outros votos, a tampa da cripta era aberta, revelando, em seu interior, o Adepto-Chefe que, deitado e de olhos fechados, falava sobre morte e ressurreição místicas, concluindo com uma exortação: "No alambique de teu coração, através da fornalha de aflição, procura a verdadeira pedra do Mago".[10]

A cerimônia se encerrava com o Aspirante recebendo explicações adicionais sobre o simbolismo usado no ritual.

Templos

Além do Templo de Isis-Urânia, que foi o primeiro, fundado em 1893, em Londres, a Golden Dawn instalou os templos (Lojas) de:

o    Templo Ahathoor, em Paris (França), em 1894.

o    Templo de Amem-Ra, na Escócia, em 1895.

o    Templo de Osiris, na Inglaterra, em 1895.

o    Templo de Thme, em Boston (Estados Unidos).

o    Templo de Themis, em Filadélfia (Estados Unidos).

o    Templo de Thoth-Hermes, em Chicago (Estados Unidos).

o    Templo de Horus, na Inglaterra, em 1900.

Sistema de ensino

·         O recrutamento de novos membros era feito na maioria das vezes por cooptação, através de um padrinho, que iria cuidar de sua evolução dentro da organização e de sua diligência nos estudos (uma prática herdada da Maçonaria).

·         A Grade de Estudos era bastante exigente em relação ao estudante, que, para passar de um Grau a outro necessitava provar seu domínio do Grau ao qual estava preste a abandonar.

·         Os membros da Golden Dawn eram todos respeitáveis pessoas da Classe Média. Alguns até podiam alegar origens aristocráticas. Um surpreendente número de médicos — não inferior a oito — entrou na Ordem antes de 1890.

·         O sistema da Golden Dawn era eminentemente simbólico e sintético, o que levou à necessidade de alicerçar este discurso numa linguagem que fosse eqüidistante dos sistemas ocultistas preexistentes. A linguagem do Tarot serviu para esse propósito.[notas 6]

Apogeu

Em fins de 1891, mais de oitenta pessoas haviam ingressado no templo Ísis-Urânia de Londres, entre elas quarenta e duas mulheres. A Aurora Dourada, que era, essencialmente, uma criação de Westcott, desabrochava mornamente, seguindo uma existência quase monótona. Tendo Mathers, Westcott e Woodman (que morreria em dezembro daquele ano) como professores, eles seguiam um currículo elementar que incluía o estudo de assuntos como a Árvore da Vida cabalística, com seus Sephiroth e vinte e dois caminhos, Simbolismo Alquímico, Astrologia, Geomancia, e o Simbolismo dos vinte e dois trunfos do Tarot. Mas isso tudo não passava de um jardim de infância para candidatos ao Ocultismo.[11]

A situação se modificou radicalmente no início de 1892, quando Mathers efetuou uma reorganização de longo alcance e conseguiu, em grande parte, suplantar Westcott, na condução da Ordem. Nessa época, ele apresentou um impressionante ritual 5°, para o primeiro dos graus da Segunda Ordem, e concedera à Segunda Ordem um status inteiramente novo. Agora, ela passava a ser a Ordo Rosæ Rubeæ et Aureæ Crucis (abreviada para R. R. et A. C.), tendo Mathers como seu único Chefe, e dirigida de Paris, onde ele se instalou, definitivamente, na primavera de 1892, enquanto Westcott se contentava em agir como Chefe Adepto, em Londres.

Daí em diante, a admissão à nova Segunda Ordem seria feita por meio de provas e de convites. A R.R. et A.C. era altamente secreta, não se permitindo aos membros da Ordem Exterior saber da sua existência, quem a ela pertencia, nem os endereços de suas sedes. E enquanto o currículo da Ordem Exterior era simplesmente teórico, os membros da Segunda Ordem recebiam instrução sobre a teoria e prática do cerimonial ou ritual mágico.

Além de elaborar o ritual, Mathers produziu um fantástico currículo para uma série de oito provas destinadas ao 5°. Quem passasse nesse teste podia afirmar que recebera uma instrução básica completa em quase todos os aspectos da tradição ocultista ocidental. A esse respeito, a Segunda Ordem representava o equivalente de uma universidade hermética. E era única.

Entre a primavera de 1892 e o final de 1896, a Ordem Hermética da Aurora Dourada viveu seus dias de glória.

Decadência

Não deixa de ser paradoxal que o principal responsável pela brilho da Aurora Dourada, tenha sido, também, o principal agente de sua ruína. Mathers era um homem extremamente talentoso, mas era também muito autoritário, e esse aspecto de sua personalidade viria a motivar conflitos com outros membros. No tempo em que Westcott ainda era o principal dirigente da Ordem, o clima interno foi mais ameno. Mas quando Mathers assumiu, de fato, o comando, os choque de personalidade não tardaram a se evidenciar. Instalado em Paris, ele exigia absoluta submissão das lojas inglesas à sua autoridade, conduta que logo gerou reações.

O primeiro conflito sério foi com a empresária de teatro, Annie Horniman, filha de um rico importador de chá, amiga íntima da esposa de Mathers, Moina Bergson, e benfeitora financeira do casal . A relação entre os dois deteriorou-se progressivamente e, quando Annie suspendeu a ajuda financeira, Mathers a expulsou da Ordem.

O golpe seguinte na estabilidade da Golden Dawn ocorreu em março de 1897, quando as autoridades legais souberam da ligação de Westcott com uma Ordem ocultista..[notas 7] Com seu cargo de Juiz de Instrução ameaçado, Westcott, que era um administrador capaz e entusiástico, afastou-se da Ordem que fundara.

A essa altura, o lugar deixado por Annie Borniman fora ocupado pela atriz Florence Farr, que também viria a se rebelar contra a atitude ditatorial de Mathers. Este, por seu turno, suspeitando que ela conspirava para trazer Westcott de volta ao comando da Ordem, revelou a fraude das cartas de Fräulein Sprengel, dando a entender que fora obrigado, por Westcott, a guardar segredo. A revelação caiu como uma bomba no seio da Aurora Dourada, abalando sua credibilidade e provocando o afastamento de vários membros.

Para completar o quadro de ruína, Aleister Crowley - um homem de grande saber ocultista, mas de reputação duvidosa - ingressara na Ordem e, com menos de um ano de filiação, pleiteara sua admissão ao Círculo Interno. Tendo seu pleito rejeitado, Crowley aproximou-se de Mathers e, conquistando sua confiança, conseguiu que ele o iniciasse à Segunda Ordem, em Paris. Essa iniciação não foi reconhecida em Londres, e pela primeira vez Mathers se viu diante de uma revolta total. A disputa atingiu o auge no inicio de abril de 1900 quando Crowley, depois de uma longa conferência com Mathers, retornou a Londres com plenos poderes para agir como seu Enviado Extraordinário. Vestido com um traje completo de montanhês escocês e uma máscara preta, ele tentou tomar posse do templo onde se encontrava a cripta (local em que processava o ritual de iniciação à Ordo Rosæ Rubeæ et Aureæ Crucis).

O plano Mathers-Crowley foi frustrado, em grande parte pela vigilância de W. B. Yeats e de um punhado de membros, que assumiram o controle da situação. A comédia terminou com os membros londrinos expulsando Mathers e Crowley, e também alguns outros de lealdade duvidosa. Yeats logo assumiu o comando e fez o melhor que pôde para manter a paz durante um ano, mas acabou desistindo e renunciando a qualquer ligação muito ativa com a Golden Dawn, em fevereiro de 1901.


A Ordem original começou a fragmentar-se, com alguns membros se desligando e fundando suas próprias sociedades ocultistas. No início de 1903, um grupo liderado por A. E. Waite assumiu o comando e imprimiu à Aurora Dourada uma nova direção, tornando-a menos mágica e mais mística. Essa mudança foi o golpe de misericórdia na Ordem criada por Westcott e Mathers.

Atualmente, algumas organizações ocultistas alegam ser a continuidade da Golden Dawn. Mas nenhuma delas conseguiu restaurar o brilho desse que foi o mais impressionante fruto da árvore rosacrucianista na Europa.[notas 8]

 

Grandes Mestres

·         de 1888 à 1891 - William W. Westcott, Samuel L. McGregor Mathers, William R. Woodman

·         de 1891 à 1900 - William W. Westcott, Samuel L. McGregor Mathers

·         de 1900 à 1901 - William W. Westcott

·         de 1901 à 1903 - William B. Yeats

·         de 1903 à 1905 - Arthur E. Waite

Membros conhecidos

·         Aleister Crowley, mago, fundador da Astrum Argentum

·         Algernon Blackwood, escritor e apresentador de um programa radiofônico de histórias sobrenaturais

·         Allan Bennett, grande divulgador do Budismo no Ocidente;

·         Arnold Bennett, novelista britânico

·         Arthur Edward Waite, co-criador do famoso Tarô Rider

·         Arthur Machen, jornalista.

·         Bram Stoker (1847–1912), escritor, autor de "Drácula".

·         Charles Rosher, cineasta britânico.

·         Charles Williams, poeta, novelista, teólogo e crítico literário.

·         Dion Fortune (pseudônimo de Violet Wirth), escritora e psicanalista cujos livros muitas vezes abordavam temas sobrenaturais. Fortune acabou fundando sua própria sociedade ocultista, a "Fraternidade da Luz Interior", que existe até hoje.

·         Edita Montés, condessa de Landsfeld, filha bastarda de Luís I da Baviera e de Lola Montés.

·         Edmund Berridge, médico homeopata britânico.

·         Evelyn Underhill, escritora, autor de "Mysticism: A Study in Nature and Development of Spiritual Consciousness".

·         Florence Farr, cantora e atriz em Londres.

·         Frederick Leigh Gardner, ocultista britânico.

·         Gerald Kelly, pintor inglês, presidente da Real Academia.

·         Gustav Meyrink, escritor e tradutor austríaco, convertido ao Budismo.

·         Maud Gonne, feminista irlandesa.

·         Pamela Colman Smith, co-criadora do famoso Tarô Rider.

·         Robert Felkin, médico, antropólogo e missionário.

·         Sara Allgood, atriz irlandesa

·         William Butler Yeats, poeta, Prêmio Nobel de Literatura em 1924.

·         William Peck, astrônomo-chefe do Observatório de Edimburgo.

·         William Sharp (apelido, Fiona MacLeod), escritor e poeta escocês.

Ramificações

Estas são algumas organizações ocultistas que proclamam ser herdeiras da célebre Golden Dawn:

·         The Hermetic Order of the Golden Dawn

·         Hermetic Order of the Golden Dawn

·         The Esoteric Order of the Golden Dawn

·         Open Source Order of the Golden Dawn

·         Order of the Golden Dawn

·         Orden Hermetica de la Aurora Dorada

·         Stella Matutina

Notas

1.    O Dogma da Correspondência de Lévi, de inspiração hermética, sustenta que a alma do ser humano é um microcosmo, que reflete, em miniatura, o macrocosmo, ou o grande universo do qual fazemos parte. Cada fenômeno do universo tem seu reflexo correspondente na alma e, com práticas ocultistas, o mago pode transformar o mundo exterior por meio de intervenções no pequeno mundo interior.

2.    Elaborada no século XVI por John Dee, astrólogo real da corte de Elizabeth I, rainha da Inglaterra.

3.    O criador do código seria o Abade Johann Trithemius (1462-1516)"

4.    Grande Trabalho: "Purificar e exaltar minha Natureza Espiritual, para que possa, com a Ajuda Divina, conseguir ser mais do que humano e assim, unir-me ao meu Divino Gênio, e não abusar do grande poder que me é confiado"

5.    A cruz egípcia da vida, tornada um dos símbolos do culto a Aton, implantado pelo faraó Akhenaton

6.    Pode-se dizer que a invenção do Tarot, tal como o conhecemos hoje, foi uma obra da Golden Dawn.

7.    Há pelo menos a possibilidade de que Mathers tenha vazado essa informação às autoridades, para afastar Westcott de seu caminho

8.    "O mais impressionante fruto que cresceu da árvore rosacrucianista foi, sem dúvida, a Ordem Hermética da Aurora Dourada" - Christopher McIntosh, Obra citada, p. 115 (Ver em Bibliografia).

Referências

1.    Gerald Yorke, prefácio a The Magicians of the Golden Dawn, de Ellie Howe, 1972.

2.    Mircea Eliade, Ferreiros e Alquimistas (Ver Bibliografia).

3.    Norman Cohn, Noah's flood: the Genesis story in western thought. (Ver em Bibliografia)

4.    Thomas, Keith, Religion and the decline of Magic (Ver em Bibliografia).

5.    Christopher McIntosh, Os mistérios da Rosa-Cruz, p. 115 (Ver em Bibliografia).

6.    Christopher McIntosh, obra citada, p. 117 (Ver em Bibliografia).

7.    Kabbala Denudata, sive Doctrina Hebræorum Transcendentalis et Metaphysica Atque Theologia (Sulzbach, 1677-78)

8.    Ellie Howe, The Magicians of the Golden Dawn (Ver em Bibliografia).

9.    Christopher McIntosh, Obra citada, p. 119 (Ver em Bibliografia).

10. Christopher McIntosh, Obra citada, p. 121 (Ver em Bibliografia).

11. Marcos Santarrita e Alda Porto, Enciclopédia do Sobrenatural (Ver em Bibliografia).

Bibliografia

·         McIntosh, Christopher. Os mistérios da Rosa-Cruz. S. Paulo: Ed Ibrasa, 1997

·         Eliade, Mircea. Ferreiros e Alquimistas. Lisboa: Relógio d'Água, 1987.

·         Webb, James. The occult liberation. London: Alcove Press,1973.

·         Howe, Ellic. Los magos de la Golden Dawn. Buenos Aires: Editorial Kier S.A, 1990.

·         Howe, Ellic. The alchemist of the Golden Dawn. Northamptonshire: The Aquarian Press, 1985.

·         Regardie, Israel. Golden Dawn - A Aurora Dourada. Ed. Madras, 2008 - (ISBN 978-85-370-02)

·         Santarrita, Marcos e Porto, Alda. Enciclopédia do Sobrenatural. Rio Grande do Sul: L&PM Editores, 1993

·         Cohn, Norman. Noah's flood: the Genesis story in western thought. London: Yale University Press, 1996.

·         Keith, Thomas. Religion and the decline of Magic. London: Oxford University Press, 1997

·         Gilbert, R. A. Revelações da Aurora Dourada: o Esplendor de uma Ordem Mágica. Ed. Madras, 1999 - (ISBN 85-7374-172-4)

·         Wikipédia

 

115.11 - OUTRAS SOCIEDADES SECRETAS    < Página Principal >

115.11.1 - A ordem dos Assassinos
Seita criada no século XI, por Hassan Ibn Sabbah, o Velho da Montanha. Foi criada para difundir uma nova corrente do Ismaelismo, doutrina religiosa oriunda do xiismo, criada por ele. A sede ficava na região do Alamut, no Irã.
O grupo obtinha cerca de 60.000 membros.O nome da seita teria vindo de "Assass" – ou seja, "os fundamentos" da fé islâmica. Mas muitas são as versões sobre essa nomenclatura, como nome da seita teria dado origem às palavras "assassino" e outras semelhantes em várias línguas européias. Acredita que o termo provém de "haxixe", aí a origem do termo. Algumas fontes cristãs medievais relatam que os Assassinos teriam por hábito consumir esta substância antes de perpetrarem os seus ataques, induzindo-lhes a visão do Paraíso.
Apesar de andarem uniformizados na fortaleza de Alamut com trajes brancos e um cordão vermelho envolta da cintura, quando recebiam uma missão, camuflavam-se. Preferiam se misturar aos mendigos das cidades da Síria, da Mesopotâmia, do Egito e da Palestina para não despertarem a atenção. Em meio à multidão urbana, eles levavam uma vida comum para não atrair suspeitas, até que um emissário lhes trazia a ordem para atacar. Geralmente, eles aproximavam-se da sua vítima em número de três. Se por acaso dois punhais fracassem, haveria ainda um terceiro a completar o serviço. Atuavam em qualquer lugar - nos mercados, nas ruas estreitas, dentro dos palácios e até mesmo no silêncio das mesquitas, lugar por eles escolhido em razão das vítimas estarem ali entregues à oração e com a guarda relaxada. Até o grande sultão Saladino, seu inimigo de morte, eles chegaram a assustar, deixando um punhal com um bilhete ameaçador em cima da sua alcova.A série de jogos de videogame Assassin's Creed é toda baseada nesta ordem. O primeiro jogo conta a história de Altaïr Ibn-La-A'had, enviado de Masyaf para diversas cidades para assassinar alvos aliados a causa dos Cavaleiros Templários, inimigos mortais dos Assassinos.Outra aparição é no livro de Dan Brown "Anjos e Demônios", onde um descendente denominado apenas como Hassassin é contratado para executar a morte dos cardeais..


115.11.2 - Clube de Bildebberg
Criado há 53 anos, o Clube Bilderberg reúne anualmente, em caráter sigiloso, nomes influentes da política, da economia e da mídia do Ocidente para debater assuntos de interesse mundial. Seus defensores dizem que essas conferências são uma ocasião única para a busca de consenso, mas seus críticos afirmam que em tais encontros se trama o destino do mundo

O Clube de Bilderberg é uma conferência anual não-oficial cuja participação é restrita a um número de 130 convidados. Fundado em 1954 pelo príncipe Bernhard, da Holanda, pelo primeiro-ministro belga Paul Van Zeeland, pelo conselheiro político Joseph Retinger e pelo presidente da multinacional Unilever na época, o holandês Paul Rijkens, o Clube Bilderberg é uma organização não-oficial que nasceu supostamente para promover a "cooperação transatlântica" e debater "assuntos relevantes em nível mundial" - o que, em plena Guerra Fria, equivalia a discutir a ameaça comunista. O nome Bilderberg vem do hotel holandês que abrigou a primeira reunião, em 1954. O sucesso desse evento convenceu os seus organizadores a realizá-lo anualmente, em algum país europeu, nos Estados Unidos ou no Canadá.



115.11.3 - Thule
O nome Thule é derivado da ilha mítica Thule. A Sociedade Thule, existe a cerca de 1.200 anos e desde sua fundação, teve como objetivo a promoção das antigas tradições religiosas européias, tais como o Druidismo, o Wotanismo, o Woragsmo, a Asatru e a Vanatru, desde sua fundação ela sempre foi dirigida por Druidas e Ghodis nos cargos de Grão Mestre e Venerável.
Foi um grupo precursor que teve importância na transformação do "Deutsche Arbeiter-Partei" (Partido Alemão dos Trabalhadores) que mais tarde se tornaria o NSDAP (Partido Nazista).Contou com membros dos escalões de topo do partido, incluindo Rudolf Heb, Alfred Rosemberg, Adolf Hitler inclusive que já era Grão Mestre Cátaro, foi iniciado na Sociedade Thule e no Grupo de Thule p enquanto estavam presos no forte de Landsberg.Os seguidores da Sociedade Thule, como admitiu o próprio von Sebottendorff, estavam pouco interessados em suas teorias ocultistas, mas muito no racismo e em combater a judeus e comunistas.

É com eles que inicia-se o fascínio pela raça ariana, na qual a origem da raça tinha um mito em cima da terra de Thule e da Última Thule, capital da ilha. Na Escandinávia, existe uma lenda a respeito de “Última Thule” esse país maravilhoso no grande norte onde jamais havia o pôr do sol, e onde viviam os ancestrais da raça ariana.


115.11.4 - ONA - Ordem dos Nove Ângulos

A Ordem dos Nove Ângulos foi refundada em 1973 por David Myatt, quando deu a ela o seu atual caráter de celebrar o lado sombrio e destrutivo da vida por meio de doutrinas anticristãs, elitista e darwinista sociais. A Ordem dos Nove Ângulos alega descender de um culto que orbitava uma sombria e violenta deusa que reinava em Albion já no ano de 4000 a.C. Durante os milênios tal culto decaiu e ganhou a total clandestinidade com o advento do cristianismo, quando no ano de 1960 d.C, uma mulher uniu três obscuros templos neopagãos chamados Camlad, The Noctulians e o Templo do Sol formando assim uma nova ordem.
A Ordem postula o Satanismo como uma busca altamente individualizada que visa criar a excelência pessoal e a sabedoria, pela busca de desafios que permitam uma pessoa transcender seus limites físicos e mentais. Ela foi criada para envolver a árdua conquista de auto-domínio e auto-superação nietzschiana, uma pena o nome de Nietzsche estar envolvido nisso, com ênfase no crescimento individual através de atos práticos de risco, destreza e resistência. Os ritos de passagem, muitas vezes ligados à promoção de graduação, incluem viver por três meses de vida áspera em uma floresta desprovida de contato humano, e no pressuposto de que ocupações de difíceis desenvolvem a personalidade e a capacidade de liderança. Isso serve para auxiliar na evolução do indivíduo: " Este novo indivíduo será acirrado, franco, deleitado na exploração e na descoberta de possuir uma atitude essencialmente pagã de se viver. " Isso, por sua vez, levará à transformação da sociedade em uma civilização mais superior, mais refinada.

Só lamento o uso do nome de Nietzsche


115.11.5 - Ordem de Skull and Bones

A sociedade estudantil americana, cuja tradução literal é crânio e ossos, foi fundada em 1832 e introduzida na Universidade de Yale, em New Haven, Connecticut (EUA), por William Huntington Russel e Alphonso Taft.
Há um mistério que cerca a Skull and Bones: há quem diga que os “homens de ossos”, como são conhecidos seus membros, fazem parte de um grupo que está por trás dos acontecimentos históricos de maior importância do século, como o lançamento da bomba atômica de Hiroshima.
“Caveira e Ossos” conta entre os seus membros Presidentes dos EUA, senadores e juízes da Suprema Corte, o que levou muitos a argumentar que o grupo funciona como uma espécie de organização clandestina para a elite de alta potência política.Seus membros mais importantes são George W Bush, pai e filho, e o democrata John Kerry. Comenta-se também que seus membros se ajudam para que possam alcançar posições de poder na sociedade. A cada ano apenas 15 membros são eleitos para fazerem parte dessa sociedade, que conta hoje com apenas 800 membros.
As seguintes famílias dominam essa ordem desde 1833:
Rockefeller (Standard Oil); Harriman (estradas de ferro); Weyerhaeuser (comércio de madeira); Sloane (comércio de varejo); Pillsbury (moagem de farinhas); Davison (J. P. Morgan);• Payne (Standard Oil)


115.11.6 - Priorado de Sião


O Priorado de Sião (em francês:Prieuré de Sion) é, em si, um grupo de variadas sociedades tanto verídicas como falsas das quais se destaca uma sociedade fraternal francesa fundada em 1956 por Pierre Plantard.
o Priorado de Sião seria uma sociedade secreta fundada em Jerusalém no ano de 1099 e que jurara proteger um segredo acerca do Santo Graal, entendido por estes autores como uma hipotética descendência humana de Jesus Cristo.
O Priorado de Sião se tornou assunto de controvérsia histórica e religiosa durante as décadas de 1960 e 1980. Durante o período de 1980 foi alegado pelo próprio Plantard que o Priorado não passava de uma conspiração com o objetivo de restaurar a monarquia francesa, porém muitos teólogos e historiadores persistem em crer que há um segredo sob o Santo Graal que envolve o Priorado.De acordo com Pierre Plantard, o principal fundador do Priorado de Sião, esta sociedade teria contado entre os seus membros um grande número de personagens da história parcialmente ligadas ao ocultismo, às artes e às ciências. Dentre estes possíveis membros estão Nicolas Flamel,Leonardo da Vinci, Isaac Newton, Claude Debussy, Botticelli, Victor Hugo, Charles Nodier, Jean Cocteau e outros.
Segundo Plantard, o Priorado era a organização que influenciara de forma oculta outras sociedades como a Ordem dos Templários, a Ordem de Rosacruz e até mesmo os Maçons. De acordo com alguns seguidores, o Santo Graal seria o "sangue real" de Cristo (os autores sugerem como hipótese que a expressão "Saint Graal" seja lida como "sang real"), ou seja, a linhagem dos seus hipotéticos descendentes.
 

Fonte: http://portfolioaraucaria.weebly.com/sociedades-secretas.html (Copiado integralmente do Site)


 

 
Indice  - compilado por Beraldo Lopes Figueiredo

Página Principal