Indice    -  Compilado por Beraldo Figueiredo   -  Página Principal 

212 - GRAFOLOGIA

Surgiu no séc. 17 (1622) a partir de experiências do médico italiano Camilo Baldi. O abade Jean Hippolyte Michon (1806 - 1881) é considerado por alguns estudiosos o fundador da interpretação caracterológica dos sinais gráficos, à qual deu o nome de GRAFOLOGIA. Depois de colecionar durante muitos anos as mais variadas grafias, ele elaborou um sistema grafológico baseado na comparação dos traços de caráter com os sinais gráficos. Em 1871 publicou Systeme de Graphologie, a primeira obra importante tratando de métodos grafológicos.

Os trabalhos de Michon foram retomados por Jean Crépieux-Jamin (1859 - 1940), que, consagrando toda uma longa existência a esses estudos, foi o verdadeiro fundador da grafologia. Escreveu o "ABC de Las graphologie" - 1ª Edição em 1930 - representou a mais importante obra do primeiro homem a falar em movimentos gráficos.

A sua obra é antes de mais nada analítica, e todo seu trabalho ainda é a base para os estudos modernos de grafologia, pois ainda aplica-se em qualquer estudo gráfico as seguintes particularidades numa grafia: - FORMA - DIMENSÃO - DIREÇÃO - PRESSÃO - VELOCIDADE - CONTINUIDADE e DISPOSIÇÃO.

O QUE É GRAFOLOGIA?
Ciência da escrita. Denominação grega: graphein (escrever) e logo (discurso, tratado). É uma ciência que analisa a personalidade e caráter a partir do estudo dos traços da escrita.
Considera que a forma de escrever é produzida por movimentos que refletem características psicológicas, comportamentais, ou seja, cada pessoa escreve conforme as respostas inconscientes de seus impulsos cerebrais.

Crépieux-Jamin

A Grafologia é o estudo da personalidade e caráter através dos traços da escrita. Permite mapear características de uma pessoa, nos campos intelectual, profissional, social/relacionamentos e emocional, ou seja, como ela age e reage em seu contexto de vida.

Fonte: Revista Planeta: Especial em Grafologia

Grafologia

Grafologia é uma pseudociência[1][2][3][4], que utiliza a análise da escrita para inferir sobre traçoes de personalidade. A palavra é por vezes usada incorretamente para se referir à análise forense de documentos. Neste caso o termo correto seria grafotécnica ou grafoscopia.

Apesar de estudos científicos comprovarem sua ineficácia, milhares de empresas usaram a grafologia nos últimos anos, por exemplo, para seleção de candidatos. [5]

Diferença de gênero na escrita

Em um estudo com 50 escritores, 25 mulheres e 25 homens, tentando identificar o gênero do autor de textos obteve um acerto de 11% acima do aleatório. Não houve diferença significativa no número de acertos pelo gênero do analista. Isso indica que homens e mulheres tem escrita significantemente diferente e que ler muito pode ajudar a identificar essa diferença. [6]

Críticas

A principal crítica à grafologia é a inexistência de base científica que sustente o uso dessa técnica para a investigação da personalidade. A técnica de análise grafológica também é criticada por utilizar regras associativas de caráter simbólico ou analógico sem validade comprovada.

Os críticos da grafologia alegam ainda que não há nenhuma prova de que a mente inconsciente seja um reservatório que guarda a verdade sobre uma pessoa, e muito menos de que a grafologia ofereça um portal para esse reservatório.

Referências

1.     Roy N. King and Derek J. Koehler (2000), "Illusory Correlations in Graphological Inference", Journal of Experimental Psychology: Applied 6 (4): 336–348

2.     Fluckiger, Fritz A, Tripp, Clarence A & Weinberg, George H (1961), "A Review of Experimental Research in Graphology: 1933 - 1960", Perceptual and Motor Skills 12: 67–90

3.     Bayne, R., & O'Neill, F. (1988), "Handwriting and personality: A test of some expert graphologists' judgments", Guidance and Assessment Review (4): 1–3.

4.     Lighton, R E (1934). "A Graphological Examination of the Handwriting of Air Pilots". Thesis in the Faculty of Arts (University of Pretoria).

5.     http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/magazine/4223445.stm

6.     Young, P T (1931), "Sex differences in Handwriting", Journal of Applied Psychology 15: 486–498

Fonte: Wikipédia

 

Analíse Grafológica

A análise das letras é importante e eficaz na identificação de “personas” ou seja, da personalidade, desvios comportamentais mascarados numa boa entrevista quando estamos entrevistando pessoas com currículos particularmente promissores.

Parte técnica

Avaliamos os Requisitos Básicos:Tamanho. Ligações e forma da ligação entre elas, pressão, uso das margens, freqüência das letras. Zonas da escrita, assinatura, inclinação, linhas e espaços deixados ou não. Para termos um aprofundamento da escrita teríamos que o avaliar em diferentes épocas.

Exemplos de algumas etapas da análise

Letra Grande: mostra uma pessoa que possui um desejo enorme de se imaginar importante; faz tudo para chamar atenção. É preciso tomar cuidado para não se tornar exibicionista e falar mais do que agir.

Letra Pequena: pessoa muita reservada, com grande poder de concentração e de observação. Seu caráter detalhista e indeciso, no entanto, pode leva-la a adotar uma postura como dista e passiva.

Letra Muito Pequena: uma pessoa atraída por tudo o que é belo e harmonioso e que dá atenção aos mínimos detalhes. Embora tímida, sabe muito bem definir seu ponto de vista. Numa conversa amistosa, inclusive, faz questão de ser ouvida com atenção por todos a sua volta.

Letra Média: pessoa harmônica, que faz e tem amizades longas e duradouras. Possui bastante facilidade para estabelecer novos contatos. Julga a si e aos outros de maneira ponderada tem uma grande agilidade mental.

Letra Estreita: muito apertada. Pessoa rígida e disciplinada. Favorece na vida prática, pois ela cumpre rigorosamente suas obrigações. No entanto, sente muita dificuldade em expressar suas emoções, agindo de maneira tímida e retraída.

Letra Larga: mais larga do que alta. Personalidade espontânea, franca e criativa. O temperamento da pessoa extrovertido se envolve com facilidade nos relacionamentos de amizade. A liberdade de pensamento é muito importante para que sinta bem consigo mesma.

http://www.juliocavalli.com.ar/codigos.html

 

Aqui algumas assinaturas famosas e comentários:


Neil Amrmstrog: Primeiro homem a descer na Lua. Parece que o autor desta assinatura desejar explorar os altos e baixos terrestres. Ganchos para baixo e para o alto mostra isto.

 

Fred Astaire: As letras se entrelaçam como em movimentos de dança. Ganchos altos poucos ganchos para baixo - pés plantados ao chão.

 

 

 

 

Einstein: Matemático. o traço do T em altos vôos - reflete devoção intelectual, pensador que põe o espírito acima da matéria, escrita de tipo nítido, cadenciado, letras angulosas.

 

 

 

Vocês sabia que 21 de Novembro é o Dia do Grafólogo?

Hoje nós comemoramos 200 anos do nascimento - em 1806 - de Jean Hippolyte Michon.Simbolicamente, são 200 anos do nascimento do Grafologia como a disciplina independente. Também, na honra do Michon, nós comemoramos o 21 de Novembro, como o Dia do Grafólogo.

Fonte: Julio Cavali - Grafólogo – Argentino

 

Fonte: Malu Freitas

 

 

 

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA DO GRAFÓLOGO

O presente Código, que consta de 12 artigos, entrou em vigor em Julho de 2006. - SOBRAG - Sociedade Brasileira de Grafologia

Objetivo: Estabelecer os direitos e deveres do Grafólogo no exercício profissional.

1º. - Grafologia uma ciência da área de Humanas que, ao utilizar-se de técnicas de observação e interpretação, estuda a personalidade através da análise de um manuscrito.

2º. - O grafólogo deve trabalhar exclusivamente com manuscritos originais, realizando um trabalho de análise (identificação das características da escrita) seguida de uma síntese (descrevendo as características da personalidade do autor da escrita).

3º. - Devido à constante evolução da Grafologia como ciência, o grafólogo deve atualizar-se continuamente quanto a seus conhecimentos e capacitação profissional.

4º. - O grafólogo não fará diagnósticos de natureza médica.

5º. - O grafólogo não praticará a grafotécnica (estudo da autenticidade de documentos manuscritos).

6º. - O grafólogo é responsável pela qualidade de suas conclusões baseadas na análise de um manuscrito, fornecendo informações a respeito de determinada personalidade, baseando-se, exclusivamente, na análise de manuscritos. Quaisquer ações eventualmente decorrentes destas informações são de inteira responsabilidade do solicitante da avaliação grafológica.

7º. - O grafólogo manterá estrita confidencialidade, por qualquer que seja o meio de comunicação, quanto às informações que obteve a respeito das pessoas cujos manuscritos foram por ele analisados. O segredo profissional deve ser observado tanto verbalmente quanto pelos documentos gerados.

8º. - O grafólogo será objetivo e ético em todas as suas análises profissionais. Não deve mencionar as características pessoais que não estiverem diretamente ligadas com as funções definidas pelo empregador e/ou seus representantes constituídos toda vez que estas informações possam influenciar decisões relativas a admissões, demissões, promoções profissionais.

9º. - O grafólogo deve manter sua integridade profissional não se deixando influenciar, nas suas conclusões, por preferências ou desejos específicos (velados ou claramente expostos) pelo solicitante da avaliação, pela pessoa que está sendo avaliada ou por qualquer outra pessoa ou entidade.

10º. - O grafólogo não pode associar-se ao ocultismo ou à adivinhação, nem deve permitir que a grafologia e/ou a profissão do grafólogo sejam mencionadas, por qualquer que seja o meio de comunicação, relacionadas a tais atividades.

11º. - O grafólogo deve agir com completa isenção de qualquer tipo de discriminação como sexual, religiosa, de cor e raça.

12º. - A Sobrag fará todo o possível, dentro das leis vigentes, para que este Código de Ética seja praticado pelos seus associados e aqueles que, no mercado em geral, realizam os trabalhos de um grafólogo.

Fonte: http://www.sobrag.com.br/decalogo

 

 

 
 

 

 

Indice    -  Compilado por Beraldo Figueiredo   -  Página Principal