Indice - compilado por Beraldo Figueiredo

Página Principal

117 - RELIGIÕES DO MUNDO III

117.29 - NOVA ERA (NEW AGE)

O movimento da Nova Era (do inglês New Age) possui muitas subdivisões, sendo geralmente uma fusão de ensinos metafísicos de influência oriental, de linhas teológicas, de crenças espiritualistas, animistas e paracientíficas, com uma proposta de um novo modelo de consciência moral, psicológica e social além de integração e simbiose com o meio envolvente, a Natureza e até o Cosmos.

Espiritualidade

É uma teologia ou uma "filosofia de vida" de bem-estar, tolerância universal. A Nova Era realizará o que seu nome indica: “derramamento de água” ou “era de aquários” sobre o mundo, para simbolizar a vinda de um novo “espírito” ou “nova mentalidade”. Esta “nova mentalidade” provocará nos seres humanos uma expressão (ou "despertar") de consciência. Para auxiliar neste processo, algumas psicotécnicas também podem ser empregadas, tais como: Tarô, Yoga, Meditação, Mapa Astral, Gurus, Esoterismo, novas culturas, orações, jogo de Búzios, pirâmides, cristais, numerologia, Gnose, Acupuntura, Pacifismo, Rebieth, Channellins, Sincretismo, busca interior, livros de autoajuda, magia, predição, novo pensamento etc. e esta iluminação deverá possibilitar uma vida com menos dificuldades e menos problemas. A "Nova Era" não é vista por seus seguidores como uma religião propriamente dita, mas apresenta propostas de vida religiosa. Não é um movimento filosófico propriamente dito - pois não parte de construções racionais para justificar suas proposições -, mas tenta dar respostas (ditas) filosóficas a questões existenciais. Não é uma ciência, mas busca alicerçar-se em leis científicas (ou pseudocientíficas).

A “Era Cristã” é considerada, pelos adeptos da Nova Era, como a “Era de Peixes” (símbolo do zodíaco), porque, conforme a astrologia, as eras do zodíaco vão se sucedendo, durando cada uma em média 2.150 anos; atualmente, está terminando a de Peixes e deve começar, em breve, a Era de Aquarius. Para os seguidores da Nova Era, a de Peixes é identificada como era cristã, visto que o peixe era, para os primeiros cristãos, um símbolo de Jesus Cristo e do "Salvador", pois, devido às perseguições da época, torturas e prisões, eles não podiam divulgar o Evangelho abertamente.

Também existe o genêro musical New Age que, embora na sua origem não esteja relacionada diretamente com este movimento, acabou com o tempo por se correlacionar com ele, na medida em que recorre a sonoridades e arranjos harmónicos sugestivos, ou propiciadores de estados de espírito tranquilos e de comunhão com o Cosmo.

Política e religião

No âmbito religioso misturam também princípios filosóficos e místicos. Alguns instrumentos usados para esses fins são as pirâmides, filosofias orientais, energias cósmicas, cristais energéticos, amuletos, pensamentos positivos, esoterismo (cabala, horóscopo, mantra, mapa astral, Yoga, relaxamento, “ecologia”, aura em harmonia com o corpo, Yin Yang). Acredita-se que a humanidade, assim como todas as coisas, são UM (estão em unidade) com o Cosmos (ou "Deus"). Você mesmo assume-se como parte de Deus.

O oculto, o misterioso, o esoterismo, a astrologia, destino, medicina alternativa com filosofias, estrelas influenciando as nossas atitudes, livros de auto-ajuda... Tudo isso faz parte da Nova Era. Esse movimento se sustenta em 4 pilares (Subestrutura científica, O uso de “doutrinas” das religiões orientais, Nova Psicologia e Astrologia). Dentro do prisma da "Nova Era" está a uniformização, principalmente a do sistema econômico, as “leis” da globalização, como percebemos em nossos dias, estão envolvidas nesse processo.

Algumas pessoas, principalmente de religiões cristãs, afirmam que o movimento "Nova Era" não passa de uma fraude, a qual prepara o terreno para o surgimento do Anticristo, onde serão unificadas as religiões.

Crenças

Tipicamente, os new agers partilham de algumas, (não necessariamente de todas), das seguintes crenças que foram adotadas de outras filosofias a fim de completar sua propria ideologia:

1.    Toda a Humanidade, - na verdade toda a vida, tudo no Universo. - é espiritual e está ligado entre si. Tudo participa da mesma Energia. Deus é o nome para esta ENERGIA.

2.    Os seres espirituais (exemplo: anjos, guias espirituais, elementais, espíritos, extraterrestres, ...) existem. Podem nos guiar se nos dispusermos a ser por eles guiados.

3.    A mente humana tem níveis de profundidade e vastos poderes que podem mesmo substituir a realidade. "tu crias a tua própria realidade com a tua mente". No entanto isto é determinado por algumas leis espirituais (karma).

4.    O indivíduo nasce na terra com um propósito. Tem a missão de aprender. A mais importante lição para aprender nesta vida é o Amor.

5.    A morte não é o fim. Há vida em diferentes formas e dimensões. Uma vida depois da morte não existe nunca para nos punir mas para nos ensinar pelos mecanismos da Reencarnação e eventualmente pelas experiências de Quase Morte.

6.    A Ciência e a Espiritualidade são em última análise harmonizáveis. As novas descobertas em Ciência, Teoria da Evolução, Mecânica Quântica entendidas de maneira acertada apontam para princípios espirituais.

7.    Há uma coisa partilhada por todas as religiões, que a Intuição ou "ser guiado divinamente" é melhor para ser usado na nossa vida pessoal do que o racionalismo, o ceticismo ou o método científico. A ciência ocidental erradamente negligencia coisas como a parapsicologia, a meditação, e a saúde holística.

8.    Há um núcleo místico de sabedoria em todas as religiões Orientais e Ocidentais. O dogma e a identidade religiosa não são importantes mas sim o conteúdo espiritual.

9.    Há princípios místicos masculino /feminino nas coisas, que assim como no ying/yang só se completam na sua união.

10. As formas femininas da espiritualidade, incluindo imagens femininas do divino, são vistas como tendo sido subordinadas, escondidas pelas religiões tradicionais patriarcais. São divindades anteriores às religiões patriarcais. O renascimento do feminino é particularmente apropriado ao nosso tempo.

11. As antigas civilizações como a Atlântida devem ter existido deixando para trás certos monumentos (como As Pirâmides do Egipto, Stonehenge) cuja verdadeira natureza não foi descoberta pelos Historiadores mainstream.

12. Não há coincidências (Jung chamou a isso de Sincronicidade). Tudo à tua volta tem significado espiritual. E tudo te pode ensinar lições espirituais. As adversidades são lições de vida.

13. A mente tem poderes e capacidades escondidos que têm significado espiritual. Os sonhos e as experiências psíquicas são modos de as almas se expressarem.

14. Meditação, yoga, t'ai chi, e outras práticas orientais são válidas e devem ser desenvolvidas.

15. A comida que comes afecta-te a mente assim como o corpo. É preferível comer comida vegetariana. A carne tem por base a morte de animais, é por isso um alimento que tem dentro uma carga de violência.

16. Em rigor qualquer relação interpessoal tem potencial para desenvolvermos o nosso espírito.

17. Aprendemos nas relações com as outras pessoas passando a saber o que é que precisamos de desenvolver em nós próprios e quais forças temos que trazer aos outros para também os ajudar.

18. Todas as nossas relações vão ser repetidas até serem curadas, se necessário através de várias encarnações.

19. Como Almas que procura a unidade com o Todo o nosso objectivo último é o de Amar a toda a gente com quem temos contacto.

20. Certas localidades certos locais têm propriedades especiais de energia, esta pode ser energia feminina ou masculina. Esses locais são chamados de vortex (ou portais) e esses locais são considerados sagrados e têm propriedades curativas pelas populações ancestrais indígenas desses locais.

 

Tudo o que é necessário saber sobre a Nova Era

Há trinta anos vem-se formando uma onda cultural/filosófica/religiosa que pretende reagir contra o presente estado da humanidade e empurrar esta a uma nova consciência, para uma nova forma de ser espiritual. Esta onda é chamada de Nova Era (New Age) e, hoje por hoje, não há nenhum aspecto de nossa vida que não tenha sentido seus efeitos de alguma forma.

As idéias e os objetivos da Nova Era recolhem elementos das religiões orientais, o espiritismo, as terapias alternativas, a psicologia trans-pessoal, a ecologia profunda, a astrologia, o gnosticismo e outras correntes. Os mistura e os comercializa de mil formas, proclamando o início de uma nova época para a humanidade. Mas, no fundo, não parece ser mais que outra tentativa vã do homem de se salvar por si mesmo fazendo promessas que não pode cumprir e atribuindo-se poderes que não possui.

1. A Nova Era é uma seita religiosa?

Não. A Nova Era não é uma seita, nem uma igreja, nem uma religião. É uma foram de ver, pensar e atuar que muitas pessoas e organizações adotaram para mudar o mundo segundo certas crenças que têm em comum. Mas não tem chefe, nem regras, nem doutrinas fixas, nem disciplina comum.

2. Por que, então, se diz que é uma nova religião?

A Nova Era fala de muitas coisas que tocam nossa fé: Deus, a criação, a vida, a morte, a meditação, o sentido de nossa existência, etc. ... mas não é uma religião. Toma diversos aspectos de muitas religiões e também das ciências e da literatura e os mistura com certa originalidade para dar respostas fantásticas às perguntas mais importantes da vida humana. Às vezes inclusive usa uma linguagem cristã para expressar idéias muito contrárias ao cristianismo.

3. Quem pertence à Nova Era?

Todo tipo de pessoa pode fazer parte da Nova Era. Seus líderes e pensadores costumam ser gente da "revolução contracultural" dos anos 60 e 70 que rejeitou os valores e os caminhos religiosos tradicionais a favor da libertinagem, da cultural da droga, do amor livre e dos experimentos em comunidades utópicas. Hoje suas idéias estão tão difundidas que grande número de pessoas as compartilham sem uma rejeição formal e evidente de sua própria cultural ou seu estilo de vida.

4. Em que a Nova Era acredita?

O típico da Nova Era é o espírito de individualismo que permite a cada quem formular sua própria verdade religiosa, filosófica e ética. Mas há algumas crenças comuns que quase todos os participantes da Nova Era compartilham:
a) o mundo está para entrar em um período de paz e de harmonia mundial assinalado pela astrologia como a "era de Aquário"

b) A "era de Aquário" será fruto de uma nova consciência nos homens. Todas as terapias e técnicas da Nova Era pretendem criar esta consciência e acelerar a vinda da era de aquário.

c) Por esta nova consciência o homem vai se dar conta de seus poderes sobrenaturais e saberá que não há nenhum Deus fora de si mesmo.

d) Cada homem, portanto, cria a sua própria verdade. Não há bem e mal, toda experiência é um passo para a consciência plena de sua divindade.

e) O universo é um ser único e vivo em evolução ao pleno conhecimento de si e o homem é a manifestação de sua autoconsciência.

f) A natureza também é parte do único ser cósmico e, portanto, também participa de sua divindade. Tudo é "deus" e "deus" está em tudo.

g) Todas as religiões são iguais e, no fundo, dizem o mesmo.

h) Há "mestres" invisíveis que se comunicam com pessoas que já alcançaram a nova consciência e os instruem sobre os segredos do cosmos.

i) Todos os homens vivem muitas vidas, vão se reencarnando uma e outra vez até alcançar a nova consciência e dissolver-se na força divina do cosmos.

5. O que dizem os da Nova Era quando alguém os faz ver que estas crenças são pura fantasia?

Quando alguém não aceita esta absurda visão de Deus, do homem e do mundo, a Nova Era lhe diz que sua consciência ainda não está iluminada e que sua compreensão está condicionada por esquemas culturais que serão superados na nova era.

6 . Mas, como esperam comprovar umas crenças que não correspondem em nada à realidade?

Normalmente fazem de experiências subjetivas pessoais que são tão impossíveis de verificar como o são de desmentir. Às vezes pegam dados das ciências e os aplicam à vida espiritual do homem como se as mesmas leis regessem em ambos mundos.

7. Se as coisas estão assim, que lugar há na Nova Era para o Deus que nos foi revelado em Jesus Cristo?

Nenhum, o Deus da fé católica é uma pessoa, e "deus" da Nova Era é uma força impessoal e anônima. O Deus da fé católica é Criador de Tudo, mas não se identifica com nada do criado. O "deus" da Nova Era é a criação que pouco a pouco vai se dando conta de si mesmo. O Deus da fé católica é infinitamente superior ao homem, mas se inclina a ele para entrar em amizade com ele. O Deus da fé católica julgará a cada homem segundo sua resposta a esse amor. O "deus" da Nova Era é o próprio homem que está além do bem e do mal. Na Nova Era o amor mais alto é o amor a si mesmo.

8. A Nova Era diz algo de Jesus Cristo?

A Nova Era diz que Jesus Cristo foi mais um mestre iluminado entre muitos. Diz que a única diferença entre Jesus Cristo e os demais seres humanos é que Ele se deu conta de sua divindade enquanto a maioria dos homens ainda não a descobriram. Desta foram a Nova Era tira-lhe seu caráter único e não-repetível de Filho de Deus e ridicularizam o fato de que Deus se fez homem para "salvar-nos do pecado".

9. Um católico pode aceitar a crença na reencarnação?

Em absoluto. A reencarnação é a crença em uma cadeia de regressos a esta vida sob diverso aspecto corporal. Se fosse certa, minha liberdade seria inútil e minhas decisões, lutas, esforços, sacrifícios e sofrimentos na vida não teriam nenhum valor, pois ao fim e ao cabo teria que fazer tudo de novo uma e outra vez. Se a reencarnação fosse verdade, a paixão e morte de Cristo não teriam sentido e sua ressurreição não nos asseguraria a redenção. A ressurreição é a transformação definitiva do ser humano e a entrada à eternidade. Morre-se somente uma vez e à morte segue a ressurreição e o juízo. Como diz São Paulo: "Se nossa esperança em Cristo é unicamente para esta vida, somos os mais miseráveis dentre os homens!" (1Cor 15, 19).

10. A Nova Era não se confunde com o ecologismo?

Não. O verdadeiro ecologismo busca conservar o planeta e respeitar todas as formas de vida, especialmente a vida humana que tem um valor muito superior a todas as demais já que o homem foi feito a "imagem e semelhança de Deus". O ecologismo exagerado da Nova Era diz que o homem vale o mesmo que uma baleia ou um monte ou uma árvore. Chega a considerar ao homem como o pior inimigo do planeta em vez de vê-lo como seu guardião e seu dono.

11. Há também uma música que de diz "nova era"?

Sim. A música "nova era" se chama assim porque se inspira em alguns temas de grande interesse para a Nova Era: a natureza, as religiões dos povos antigos, as culturas orientais, etc... Costuma ser música instrumental, misturada com sons naturais, às vezes muito repetitiva, outras vezes sem melodia nenhuma.

12. É errado escutar este tipo de música?

A música "nova era" é como qualquer outra música: uma combinação de sons mais ou menos agradáveis ao ouvido. O que poderia torná-la "má" seria algum conteúdo daninho (a letra) ou algum uso irresponsável da música (para ajudara a induzir a um estado alterado de consciência; para provocar sentimentos negativos, etc.).

13. Por que a Nova Era fala tanto de "energia" ?

Uma das idéias básicas da Nova Era é que toda a realidade visível, incluindo o homem, se reduz a uma "energia cósmica". Segundo isso, enquanto o cosmos estiver em fase evolutiva, sua energia se manifesta de muitas formas: uma pedra, o vento, a mente humana, etc... Supostamente há coisas, lugares e exercícios que podem aumentar nossa capacidade e nosso controle dessa energia (carregar um cristal de quartzo, visitar uma pirâmide ou outro lugar "sagrado" o dia de um equinócio primaveral, realizar certas posturas de yoga, etc.).

14. Os programas de controle mental, cura e auto-superação são um engano?

Deve-se ver e julgar cada programa separadamente. Mas alguns programas ensinam simples técnicas de relaxamento, concentração, memória ou fortalecimento da vontade que produzem resultados imediatos em seus clientes. A estas técnicas, que não têm nada de extraordinário, as revestem de uma linguagem pseudo-científica e as colocam como um grande descobrimento ou um segredo da sabedoria antiga. Freqüentemente se passa de uma terapia psicológica ou emocional ao mundo espiritual, incorporando elementos do panteísmo, do gnosticismo ou da espiritualidade oriental sem prevenir ao cliente. Aos resultados mais modestos no campo humano é atribuído um caráter sobrenatural. Daí se convence ao cliente de seus "poderes especiais", sua "consciência iluminada", ou de qualquer coisa. O pior é que alguns destes programas se apresentam como um complemento excelente do cristianismo quando, no fundo, baseiam-se em conceitos incompatíveis com a fé católica.

15. As novas técnicas de meditação são úteis?

A Nova Era não tem nenhum reparo em misturar formas religiosas de tradições muito diversas, ainda quando há contradições de fundo. Deve-se recordar que a oração cristã se baseia na Palavra de Deus, centra-se na pessoa de Cristo, leva ao diálogo amoroso com Jesus Cristo e desemboca sempre na caridade ao próximo. As técnicas de concentração profunda e os métodos orientais de meditação fecham o sujeito em si mesmo, o impulsionam a um absoluto impessoal ou indefinido e fazem caso omisso do evangelho de Cristo.

16. E o yoga?

O yoga é, em sua essência, um exercício espiritual e corporal nascido da espiritualidade hindu. As posturas e exercícios, ainda que se apresentem como um simples método, são inseparáveis de seu sentido próprio no contexto do hinduísmo. O yoga é uma introdução a uma tradição religiosa muito alheia ao cristianismo. A palavra "yoga" significa "união". Deveríamos perguntar: união com o que?

17. Por que a Nova Era dá tanta importância à astrologia, ao horóscopo, ao tarô, ao contato com espíritos, etc.?

As antigas técnicas de adivinhação e o espiritismo sempre provocaram a curiosidade das pessoas. A Nova Era tem assinalado um renascimento do interesse no ocultismo, a magia, a astrologia e as práticas mediúnicas. São correntes que pretendem dotar ao homem de poderes mentais e espirituais sobrenaturais e colocá-lo como dono absoluto de seu próprio destino. A Nova Era apaga as distinções entre matéria e espírito, entre o real e o imaginário, entre o possível e o impossível. Mas nenhum esforço da Nova Era conseguirá conciliar o ocultismo, o esoterismo ou o espiritismo com a fé e a vida do católico.

Seus promotores

De alguma forma pode-se chamar promotores da Nova Era desde uma bruxinha que faz limpezas na Pirâmide do Sol em Teotihuacán até famosas personalidades nos meios de comunicação que se dedicam a temas de esoterismo comercial e popular. Mas há algumas organizações internacionais que também operam na América Latina.

Algumas dessas organizações são:

a) A Sociedade Teosófica: fundada em 1875 em Nova York pela russa Helena Petrovna Blavatsky (1831-1891), espirita e médium. Sua doutrina é uma mistura de espiritismo, ocultismo, princípios gnósticos e espiritualidade oriental. As crenças principais da Sociedade incluem a reencarnação, a comunicação com mestres desencarnados, o yoga, astrologia.

b) A Nova Acrópoles: fundada na Argentina em 1957 por Jorge Ângelo Livraga. É um grupo ocultista e agnóstico inspirado principalmente nos escritos de Blavatsky e una mescla dos conceitos de pensadores antigos. Seus membros buscam um estado espiritual superior através de sugestivas cerimônias de iniciação e a utilizam de muitos símbolos e ritos típicos de grupos paramilitares.

c) Controle Mental Silva: fundado em Laredo, Texas em 1966 por José Silva (n. 1914), consiste em cursos breves de técnicas de controle interno e alcançar a Sobre-Consciência ou o domínio total de seus estados mentais. O método contém elementos do espiritismo e sutilmente levar seus praticantes ao panteísmo. Maneja muitos conceitos fundamentais da Nova Era e centra a esperança da salvação nos poderes mentais do homem. Apesar do fato de que muitos dos mestres do método falem uma linguagem "cristã" e asseguram a seus clientes que o método ajudará em sua vida espiritual, há elementos substanciais do programa incompatíveis com a fé católica. Ultimamente a organização Silva no México tem se dedicado a arrecadar assinaturas de sacerdotes e monjas que aprovam o método para facilitar sua promoção em âmbitos católicos.

d) A Meditação Transcendental: fundada em 1958 por Maharishi Mahesh Yogi na Índia mas não se popularizou até 1967, graças à publicidade oferecida pelos Beatles e outros artistas famosos da contracultura dos anos 60. Em sua doutrina, que nasce do hinduísmo, se busca a iluminação da consciência pela reflexão pessoal mediante a repetição de mantras (palavras sagradas) e ritos religiosos. Implícitos nos ensinamentos da MT são a rejeição de doutrinas essenciais ao cristianismo (um Deus pessoal, a Encarnação, a Ressurreição, etc.) a veneração do Maharishi e do Guru Dev como santos e mensageiros divinos.

e) A Grande Fraternidade Universal: fundada em 1948 em Caracas pelo francês Serge Reynald de la Ferriére (1916-1962), que era muito ativo com grupos de teosofia, astrologia e a maçonaria. Sua doutrina se baseia em práticas astrológicas, esotéricas e ocultistas, e afirma que todas as religiões são iguais, ainda que favoreça crenças e práticas hindus. Apresenta um sincretismo religioso que apela a uma ciência superior que é a verdadeira base de toda religião.

f) A Igreja da Cienciologia/Dianética: fundada por L. Ron Hubbard (1911-1986), novelista de ficção científica que em 1950 publicou Dianética: A ciência moderna da saúde mental, um manual de auto-conhecimento e desenvolvimento de potencialidade humana baseada na análise de experiências prévias ao nascimento.

As associações de médicos mais prestigiosas dos EUA condenaram repetidamente as teorias e as terapias da Dianética como totalmente carentes de base científica e daninha para a saúde mental. Sua teoria é que todos os males humanos são causados por "engramas" ou cargas negativas que se gravam no inconsciente do homem e provocam estragos contínuos.

Para se libertar faz falta uma "audição" por parte de um especialista que recomendará uma série de cursos que supostamente levará ao cliente ao estado de "claro" ou livre de "engramas". A reencarnação e as experiências extra-corporais são parte da doutrina da seita.

Hubbard também tem escritos que atacam duramente ao cristianismo.

A Igreja da Cienciologia foi definida como uma seita destrutiva e belicosa e sustenta muitas associações de caráter social e humanitário para alcançar maior aceitação na sociedade, por exemplo: Narcanon e a Comissão Cidadã dos Direitos Humano.

Fonte: Wikipedia, Revistas Planetas, http://www.acidigital.com/seitas/novaera.htm

<Voltar ao índice interno> < voltar a página Principal >

 

117.30 - ABRAÂMISMO

Abraâmicas: cristianismo · Fé Bahá'í · gnosticismo · islamismo · judaísmo · rastafarianismo · samaritanismo.

Religião abraâmica, também referido como monoteísmo do deserto, é uma designação genérica para as religiões que derivam da tradição semítica que têm na figura do patriarca Abraão o seu marco referencial inicial. Stricto sensu as religiões consideradas abraâmicas são: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo.

Lato sensu, mas não universalmente aceito como tal, são consideradas abrâamicas: Mandeísmo, Fé Bahá'í, Rastafarianismo e Druzos.

 Fonte: Bíblia, Corão, Talmud - Wikipédia

<Voltar ao índice interno>  < voltar a página Principal >

 

117.31 - ATOMISMO

Atomismo é uma filosofia natural que se desenvolveu em diversas tradições antigas. Na tradição ocidental, ele remonta à teoria dos filósofos da antiguidade que propuseram a existência de inúmeras e minúsculas partículas sólidas - átomos - que não podiam ser cortados. Os principais filósofos atomistas foram Leucipo de Mileto, Demócrito de Abdera, Epicuro de Samos e Lucrécio. O mundo em constante transformação era explicado como a reorganização incessante dos átomos imutáveis em diferentes formas. Até o químico Dalton em 1800 d.C. esta teoria praticamente não evoluíra. A principal contribuição do atomismo para a atualidade foi o fato de buscar explicar os fenômenos pela emergência, isto é, desenvolver um modo de pensar que se desvencilha da teleologia.

Leucipo

Leucipo foi o primeiro filósofo da antiguidade para teorizar que o universo foi produzido pelo movimento dos átomos, para ele, o movimento foi aleatório e indeterminado. Ele escreveu:

Ό τυίνυν κόσμος συνέστη περικεκλασμένωι σχήματι έσχηματισμένος τόν τρόπον

τοϋτον· τών άτόμων :σωμάτων άπρονόητον καί τυχαίαν εχόντων τήν κίνησιν συνεχώς.[1]

Tradução:

O cosmos foi formado desta forma, gerando assim uma forma esférica

devida ao movimento aleatório e imprevisível dos átomos.

Para Leucipo, portanto, o cosmo (o mundo e todas coisas, inclusive a alma) é formado por um turbilhão de infinitos átomos de diversos formatos que jorram ao acaso e se chocam.

Demócrito

Demócrito, um foi um estudante de Leucipo. Segundo C. Tamagnone, ele substitui o indeterminismo de movimento dos átomos com o determinismo[2] No entanto, para a maioria dos autores, não há, nos fragmentos preservados, como distinguir as teorias de Leucipo da de Demócrito. Para Demócrito, o cosmo (o mundo e todas coisas, inclusive a alma) é formado por um turbilhão de infinitos átomos de diversos formatos que jorram ao acaso e se chocam. Com o tempo, alguns se unem por suas características (as vezes, as formas dos átomos coincidentemente se encaixam tão bem como peças de quebra-cabeça) e muitos outros se chocam sem formar nada (porque as formas não se encaixam ou se encaixam fracamente). Dessa maneira, alguns conjuntos de átomos que se aglomeram tomam consistência e formam todas as coisas que conhecemos, que depois se dissolvem no mesmo movimento turbilhonar dos átomos do qual surgiram.[3]

Epicurismo

O epicurismo (cujos representantes principais foram Epicuro e Lucrécio), que teve uma ampla difusão na antiguidade, foi influeciado pelo atomismo de Demócrito, mas com grandes mudanças. A principal diferença foi o abandono da idéia de turbilhão de átomos e a afirmação de que os átomos possuem peso e que, por isso, os átomos percorrem linhas retilíneas paralelas, tal como objetos em queda livre. Ocasionalmente, cada átomo exibe espotaneamente um desvio mínimo da linha reta indeterminado e imprevisível, desvio esse chamado clinamen. Esse desvio mínimo é que explicaria o choque e encontro entre os átomos.

 

Referências

1.    Diels-Kranz, Die :Fragmente von Vorsokratiker, frag.67.A.24

2.    C.Tamagnone, Ateismo filosofico em mundo antigo, (religião, naturalismo, materialismo, atomismo. O nascimento da filosofia atea), Florença, 2005, pp.141-197) Clinamen

3.    Michel Onfray, Contra-História da Filosofia, vol 1

< voltar a página Principal >

 

117.32 - ACOSMISMO

Definition: (in. Acosmism; fr. Acosmisme; al. Akosmismus; it. Acosmismó).

Termo empregado por Hegel (Enc., § 50) para caracterizar a posição de Spinoza, em oposição à acusação de "ateísmo" frequentemente dirigida a este filósofo.

Spinoza, segundo Hegel, não confunde Deus com a natureza e com o mundo finito, considerando o mundo como Deus, mas, antes, nega a realidade do mundo finito afirmando que Deus, e só Deus, é real. Nesse sentido a sua filosofia não é ateísmo, mas acosmismo, e Hegel nota, ironicamente, que a acusação contra Spinoza deriva da tendência a crer que se pode mais facilmente negar Deus do que negar o mundo. [Abbagnano]

a) Empregado por Hegel como definição da doutrina de Spinoza, que faz desvanecer-se o mundo (Cosmos), e ser absorvido em Deus, sem, contudo, negar-lhe a existência, — cujo panteísmo, para Hegel, não deve ser considerado como fórmula ateísta, e sim acosmística.

b) Também usado para designar a concepção que não admite a realidade material do universo (Cosmos).

Fonte: http://www.filoinfo.bem-vindo.net/filosofia/modules/lexico/entry.php?entryID=433

<Voltar ao índice interno> < voltar a página Principal >

 

117.33 - ANIMISMO

O termo Animismo foi criado pelo antropólogo inglês Sir Edward B. Tylor, em 1871, na obra Primitive Culture (A Cultura Primitiva)[1].

Pelo termo Animismo, Tylor designou a manifestação religiosa imanente a todos os elementos do Cosmos (Sol, Lua, estrelas), a todos os elementos da natureza (rio, oceano, montanha, floresta, rocha), a todos os seres vivos (animais, fungos, vegetais) e a todos os fenômenos naturais (chuva, vento, dia, noite); é um princípio vital e pessoal, chamado de ânima, o qual apresenta significados variados:

·         cosmocêntrica significa energia;

·         antropocêntrica significa espírito;

·         teocêntrica significa alma;

Consequentemente, todos esses elementos são passíveis de possuirem: sentimentos, emoções, vontades ou desejos e até mesmo inteligência. Resumidamente, os cultos animistas alegam que: "Todas as coisas são vivas", "Todas as coisas são conscientes", ou "Todas as coisas têm ânima".

O Animismo possui três simples regras:

·         Tudo no Cosmo tem ânima;

·         Todo o ânima é transferível;

·         Tudo ou todo que transfere ânima não perde a totalidade de seu ânima, mas quem ou que o recebe perde parte ou a totalidade de seu ânima, o qual será tomado pelo ânima doador.

A partir da década de 1950, o termo deixa de ser utilizado pela Antropologia por ser considerado muito genérico, uma vez que se aceita que elementos animistas estão presentes em quase todas as religiões.

Atualmente, discute-se quais foram historicamente os primeiros cultos que deram origem a todas as religiões e a todos os deuses. Alguns historiadores e cientistas defendem a tese de que foram os mitos politeístas, enquanto outros afirmam que foram os cultos animistas.

Uso do termo no espiritismo

Na literatura espírita, o termo animismo é usado para designar um tipo de fenômeno onde é o espírito encarnado do próprio médium que se manifesta por ele.

Para melhor entendimento desse fenômeno, podem-se usar as denominações utilizadas pelo estudioso espírita Hermínio Miranda, quais sejam, a de chamarmos o espírito, que, segundo o Espiritismo, tem uma infinidade de existências, de individualidade, enquanto cada uma das existências do mesmo é uma personalidade.

Dessa forma, admitida a pluralidade das existências, conclui-se que a individualidade deve possuir um conhecimento imensamente superior ao de cada uma de suas personalidades, pois soma ao conhecimento da atual personaliade tudo o que aproveitou das que representou nas existências pregressas.

Desse modo, na manifestação anímica, o médium pode expressar muitos conhecimentos que ele, enquanto personalidade, não possui. Daí decorre, muitas vezes, que não há como se saber se uma manifestação é anímica ou realmente mediúnica, ocorrendo esta última tão somente quando o espírito que se comunica não é o que está encarnado no médium.

Entretanto, essa linha de pensamento não considera uma dicotomia (dualidade) entre fenômeno anímico e fenômeno mediúnico. Na grande maioria das vezes, o que ocorre é um estado intermediário com maior ou menor participação do espírito encarnado no médium em relação ao espírito desencarnado que por ele se expressa.

Religiões e crenças baseadas no animismo

·         Animismo africano

·         Xintoísmo

·         Panteísmo

Referências

1.    Tylor, Edward Burnett (1832). "Internet Archive". Encyclopædia Britannica (XI edição) Volume XXVII. New York: Encyclopædia Britannica. pág. 498. Visitado em 11-02-2011. 

Bibliografia

·         Primitive culture: researches into the development of mythology, philosophy, religion, art, and custom (Cultura Primitiva),

de Sir Edward Burnett Tylor

 

Edward Burnett Tylor

NASCIDO em Londres, 2 de outubro de 1832 — falecido Wellington, 2 de janeiro de 1917) foi um antropólogo britânico[1]. Era irmão do geólogo Alfred Tylor.

Considerado o pai do conceito moderno de cultura, Tylor filia-se à escola evolucionista. Sua principal obra é Primitive Culture (1871).

Tylor é considerado um representante do evolucionismo cultural. Em seus trabalhos Cultura primitiva e Antropologia, ele definiu o contexto do estudo científico de antropologia, baseado nas teorias evolucionárias de Charles Darwin. Ele acreditava que existia uma base funcional para o desenvolvimento da sociedade e religião, que ele determinou ser universal.

Ele introduziu o termo animismo (a fé na alma individual ou anima de todas as coisas e manifestações naturais) no senso comum. Ele considerou animismo como o primeiro estágio de desenvolvimento de todas as religiões.

Livros

  • Primitive culture: researches into the development of mythology, philosophy, religion, art, and custom (Cultura Primitiva), de Sir Edward Burnett Tylor
  • Anahuac : or, Mexico and the Mexicans, Ancient and Modern.

Notas

1.    Tylor, Edward Burnett (1832). "Internet Archive". Encyclopædia Britannica (XI edição) Volume XXVII. New York: Encyclopædia Britannica. pág. 498. Visitado em 11-02-2011. 

<Voltar ao índice interno>    < voltar a página Principal >

 

117.34 - CRISTOLOGIA

A Cristologia é o estudo sobre Cristo; é uma parte da teologia cristã que estuda e define a natureza de Jesus, a doutrina da pessoa e da obra de Jesus Cristo, com uma particular atenção à relação com Deus, às origens, ao modo de vida de Jesus de Nazaré, visto que estas origens e o papel dentro da doutrina de salvação tem sido objeto de estudo e discussão desde os primórdios do Cristianismo.

Eixo central da Cristologia

A Cristologia tem sido debatida incansavelmente durante séculos, em várias nações, dentro de várias correntes cristãs, com pontos de vista semelhantes, divergentes e mesmo com algumas controvérsias. Alguns aspectos deste assunto muito debatidos no eixo central da cristologia no decurso da história do cristianismo são:

·         a natureza divino-humana de Jesus (União Hipostática);

·         a encarnação;

·         a revelação de Deus;

·         os milagres;

·         os ensinamentos;

·         a morte expiatória;

·         a ressurreição;

·         a ascensão;

·         a intercessão em nosso favor;

·         a parousia;

·         o ofício de Juiz;

·         a posição como Cabeça de todas as coisas; e

·         a centralidade dentro do mistério da vontade de Deus, dentro da restauração.

·         a volta ao mundo para reinar sobre aqueles que creêm nele.

Talvez a disputa mais antiga dentro do cristianismo centrou-se sobre se Jesus era Deus. Um número de cristãos primitivos acreditavam que Jesus não era divino, mas fora simplesmente o Messias humano prometido no Antigo Testamento.

A inclusão das genealogias de Jesus Cristo em São Mateus 1,1-17 e São Lucas 3,23-38 são explicadas às vezes por esta opinião. Uma explanação alternativa é que eram uma oposição às doutrinas dos Cristãos Gnósticos que afirmavam que Jesus Cristo teve somente a ilusão de um corpo humano e, assim, nenhuma ancestralidade humana.

A opinião de que Jesus era somente humano foi oposta por líderes da igreja tais como São Paulo, e veio eventualmente a serem aceitas somente por seitas como a dos Ebionitas e (de acordo com São Jerônimo) dos Nazarenos, mas logo subjugadas pelas igrejas ortodoxas de uma forma ou outra.

A Natureza de Cristo

A natureza de Jesus Cristo, é uma questão da busca por determinar se Cristo era um homem com a tendência para pecar igual à de Adão antes do pecado (pré-lapsarianismo) ou uma tendência ao pecado, igual à de Adão depois do pecado (pós-lapsarianismo), ambas diretamente relacionadas com o Plano da Salvação, visto que o ministério de Cristo, se caracterizava pelo exemplo na superação do pecado, mostrando que era possível o homem viver sem pecar.

Entre as principais escolas que buscaram determinar a natureza de Cristo temos:

·         Arianismo, que crê que Jesus, apesar de um ser superior, seja inferior ao Pai sendo uma criatura sua;

·         Docetismo, defende que Jesus era um mensageiro dos céus e que seu corpo era "carnal" apenas na aparência e sua crucificação teria sido uma ilusão;

·         Ebionismo, que crê em Jesus como um profeta, nascido de Maria e José, que teria se tornado Cristo no ato do batismo;

·       Monofisismo, segundo a qual Cristo teria uma única natureza composta da união de elementos divinos e elementos humanos.

·         Nestorianismo, segundo a qual Jesus Cristo é, na verdade, duas entidades vivendo no mesmo corpo: uma humana (Jesus) e uma divina (Cristo).

·         Miafisismo, que defende que em Jesus Cristo há a natureza humana e a natureza divina, mas que estas duas naturezas se unem natural e completamente para formar uma única e unificada Natureza de Cristo.

·         Sabelianismo, o qual defendia que Jesus e Deus não eram pessoas distintas, mas sim "aspectos" ou "modos" diferentes do trato da Divindade com a humanidade ;

·         Trinitarianismo, que crê em Jesus como a segunda pessoa da Trindade divina.

Cristologia Ortodoxa

A Cristologia ortodoxa, defendida pelas Igrejas Católica, Ortodoxas e Protestantes, tem por base o Concílio de Calcedônia (em 451 d.C.), o qual estabelece as bases desta corrente, na qual o Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro Homem (união hipostática) e se apresenta em duas naturezas sem distinção, indivisíveis e inseparáveis, de tal forma que as propriedades de cada uma permanecem ainda mais firmes quando unidas numa só pessoa. Para os defensores desta cristologia, o termo "Filho de Deus" aplicado a Jesus deve ser interpretado com a natureza de Deus, gerado já desde o início de tudo e, portanto co-eterno.

Cristologia Monofisita

Discordando da Cristologia Ortodoxa, os monofisitas afastaram-se para compor as Igrejas dissidentes da Síria, da Armênia, do Egito, da Etiópia e da Índia do Sul. Para eles a natureza divina em Jesus era muito mais forte e preponderante daquela natureza humana.

Mas, estas mesmas Igrejas dissidentes rejeitam o rótulo de monofisita, porque elas afirmam que defendem na verdade o miafisismo, que é a crença de que em Jesus há a natureza humana e a natureza divina, mas que estas duas naturezas se unem para formar uma única e unificada Natureza de Cristo. Estas Igrejas afirmam que o miafisismo é diferente do monofisismo, mas esta doutrina cristológica igualmente se diverge da doutrina ortodoxa da união hipostática.

Cristologia Ariana

O arianismo, que recebeu este nome por ser derivado da doutrina de Ário, apresenta uma distinção clara entre o Cristo e o Logos como razão divina. O Cristo é apresentado como uma criatura pré-temporal, super-humana, a primeira das criaturas, não Deus, porém mais que homem. "O logos é a própria razão divina a qual Deus pai admitiu sair de si mesmo sem a diminuição do seu próprio ser. (Justino Martir)

Fonte:

Wikipedia, Bíblia 

Cristologia, A Doutrina de Jesus Cristo - de Esequias Soares aborda a natureza humana e divina de Jesus Cristo, seus ofícios como: profeta, sacerdote, rei além dos seus títulos e obras. São 13 capítulos nos quais o objetivo é oferecer ao leitor a verdadeira identidade de Cristo como revela a Palavra de Deus, denunciando as idéias errôneas dos céticos e dos cultores heterodoxos. Seu caráter apologético defendendo a Cristologia bíblica, no uso de termos-chave cristológicos, a profundidade no estudo dos ofícios de Cristo e os detalhes e a forma de apresentação: de maneira sistemática e em forma de comentários de passagens bíblicas alusivas ao tema fazem desta obra um valioso compêndio, indispensável para todo aquele que deseja conhecer mais a respeito de Cristo.

 

ARIANISMO

O arianismo foi uma visão Cristológica sustentada pelos seguidores de Arius, bispo de Alexandria nos primeiros tempos da Igreja primitiva, que negava a existência da consubstancialidade entre Jesus e Deus, que os igualasse, fazendo do Cristo pré-existente uma criatura, embora a primeira e mais excelsa de todas, que encarnara em Jesus de Nazaré. Jesus então, seria subordinado a Deus, e não o próprio Deus. Segundo Ário só existe um Deus e Jesus é seu filho e não o próprio. Ao mesmo tempo afirmava que Deus seria um grande eterno mistério, oculto em si mesmo, e que nenhuma criatura conseguiria revelá-lo, visto que Ele não pode revelar a si mesmo. Com esta linha de pensamento, o historiador H. M. Gwatkin afirmou, na obra "The Arian Controversy": "O Deus de Ário é um Deus desconhecido, cujo ser se acha oculto em eterno mistério"[1]

História

Por volta de 319 Ário começou a propagar que só existia um Deus verdadeiro, o "Pai Eterno", princípio de todos os seres. O Cristo-Logos havia sido criado por Ele antes do tempo como um instrumento para a criação, pois a divindade transcendente não poderia entrar em contato com a matéria. Cristo, inferior e limitado, não possuía o mesmo poder divino, situando-se entre o Pai e os homens. Não se confundia com nenhuma das naturezas por se constituir em um semi-deus. Ário afirmava ainda que o Filho era diferente do Pai em substância. Essa ideia ligava-se ainda ao antigo culto dos heróis gregos, dentre os quais para ele Cristo sobressaía com o maior, embora apenas possuísse uma divindade em sentido impróprio. Como meio de difusão mais abrangente de suas ideias, fê-lo sob a forma de canções populares.

Um primeiro sínodo, em Alexandria, expulsou Ário da comunhão eclesiástica, mas dois outros concílios, fora do Egito, condenaram aquela decisão, reabilitando-o. Árius procurou o apoio de companheiros que, como ele, haviam sido discípulos de Luciano de Antióquia, em especial Eusébio, bispo de Nicomédia (atual İzmit). A luta que se seguiu chegou a ameaçar a unidade da Igreja e, ante o perigo de fragmentar também o império, levou o imperador Constantino a enviar Ósio, bispo de Córdoba, seu conselheiro particular, como mediador. O insucesso da missão levou-o a convocar, em 325, um concílio universal em Niceia (atual İznik).No Primeiro Concílio de Niceia (325) a maioria dos prelados, corroborada pelo próprio Constantino graças à influência de Santo Atanásio (criador do termo "homoousios", siginificando "de substância idêntica" – para descrever a relação de Cristo com o Pai), condenou as propostas arianas, e declarou-as heréticas, obrigando à queima dos livros que as continham e promulgando a pena de morte para quem os conservasse. Definiu ainda o chamado "Símbolo de Niceia".[2]

As inúmeras dúvidas suscitadas pelo Sínodo de Niceia reacenderam as lutas, com os prelados acusando-se mutuamente de hereges. Várias fórmulas dogmáticas foram ensaiadas para complementar a de Niceia, acentuando ainda mais as divisões, num conflito que expôs cada vez mais as diferenças entre o Ocidente latino e o Oriente grego, envolvendo disputas de primazia hierárquica e de política. Desse modo, num novo sínodo geral, celebrado na fronteira dos dois impérios, os ocidentais se congregaram em torno do símbolo de Niceia e excomungaram os herejes. Os orientais, a seu apoiaram as ideias de Ário e excomungaram não apenas os bispos apoiantes de Niceia como também o próprio bispo de Roma.

Ário retornou a Constantinopla em 334, a chamado de Constantino e, segundo a lenda, faleceu em 336 quando a caminho de receber a comunhão novamente.

As ideias de Ário foram adotadas por Constâncio II (337-361) sem que, entretanto, se impusessem à Igreja. Difundiram-se entre os povos bárbaros do Norte da Europa, quando da evangelização dos Godos, pela ação de Ulfila, missionário enviado pelo imperador romano do Oriente. Os Ostrogodos e Visigodos chegaram à Europa ocidental já cristianizados, mas arianos.

Uma carta de Auxentius, um bispo de Milão do século IV, referindo-se ao missionário Ulfila, apresentou uma descrição clara da teologia ariana sobre a Divindade: Deus, o Pai, nascido antes do tempo e Criador do mundo era separado de um Deus menor, o Logos, Filho único de Deus (Cristo) criado pelo Pai. Este, trabalhando com o Filho, criou o Espírito Santo, que era subordinado ao Filho e, tal como o Filho, era subordinado do Pai. Segundo outros autores, para Ário o Espírito Santo seria uma criatura do Logos (Filho).

A questão só seria debelada quando, em fins do reinado de Teodósio, ao tornar-se religião oficial do império, o cristianismo ortodoxo-romano afirmou-se em definitivo.

Após o século V, graças às perseguições, o movimento desapareceu gradualmente.

Séculos mais tarde, o nome "Arianos" foi usado na Polónia para referir uma seita Cristã Unitária, a irmandade polaca (Frater Polonorum). Eles inventaram teorias sociais radicais e foram precursores do Iluminismo.

Paralelos modernos

"Semi-arianismo" tem sido um nome aplicado a outros grupos não-trinitários, desde então como as Testemunhas de Jeová e a Associação dos Estudantes da Bíblia Aurora.

Por exemplo, muitas vezes tem-se dito que as Testemunhas de Jeová e a Associação dos Estudantes da Bíblia Aurora, estariam seguindo uma forma de arianismo, visto que também não crêem na Trindade, e consideram Jesus como O Filho de Deus. Mas as Testemunhas de Jeová discordam deste ponto de vista, afirmando que suas crenças não se originam dos ensinamentos de Ário, e que, não adoram o “Deus desconhecido” de Ário.[3]

A doutrina espírita também compreende em Jesus o ser humano mais iluminado, que serve de guia e modelo à humanidade, mas não o confunde com Deus. Na pergunta 17 do Livro dos Espíritos se afirma que "Deus não permite que tudo seja revelado ao homem neste mundo."

Os três (Deus Pai, Jesus Cristo e Espírito Santo) separados

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias também prega a separação de Deus que é pai, Jesus Cristo que é filho literal na carne e Espírito Santo que é o que testifica aos homens as coisas de Deus. Em consonância com a regra de fé (Primeira Regra de Fé) Joseph Smith Jr. o primeiro profeta da igreja teve uma visão em que viu Deus e Jesus Cristo lado a lado, no que é conhecido como a primeira visão. Existem outros que viram Deus e Jesus Cristo como seres separados, um exemplo bíblico é Estevão, no qual é dito (na tradução de João Ferreira de Almeida):

"Mas ele, estando cheio de Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus; E disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus." (Atos 7:55-56)

A Igreja da Unificação (Associação do Espírito Santo para a Unificação do Cristianismo Mundial) fundada pelo Reverendo Sun Myung Moon, também prega e crê na separação entre as pessoas de Deus, Jesus e o Espírito Santo. Segundo a Teologia Unificacionista, Deus, o Criador encerra em si mesmo as dualidades masculina e feminina, e que Jesus representa a masculinidade perfeita de Deus, enquanto que o Espírito Santo representa a femininidade perfeita de Deus. Se Jesus não tivesse sido rejeitado pelos seus contemporâneos, Ele constituiria a primeira família perfeita (livres do Pecado original), como Adão e eva restaurados e aperfeiçoados. Sua esposa seria a femininidade divina em substância assim como Ele é a masculinidade divina em substância refletindo a perfeita imagem de Deus na terra. Como ele morreu sem constituir uma família substancial, Jesus permaneceu como a substância da masculinidade divina em espírito somente e o Espírito Santo assumiu o papel da femininidade substancial em espírito somente, ficando a realização no plano físico por conta da Segunda vinda do Cristo. Portanto para os unificacionistas, não é errado a crença de que Jesus é Deus e o Espírito Santo é Deus, ou que ambos são Deus, já que isto pode ser dito de um casal que substancialize as características duais de Deus de forma substancial aqui na terra (que era o ideal de Deus para com Adão e Eva). Por isto Jesus era chamado o último adão, e também Ele dizia que ele mesmo era Deus, ao mesmo tempo que O chamava de Pai.

Notas

  1. The Arian Controversy in

  2. Nele se afirmava que o Verbo era o verdadeiro Deus, consubstancial ao Pai, possuindo em comum com Ele a natureza divina e as mesmas perfeições.

  3. Despertai! 8 de fevereiro de 1985, página 17

Bibliografia

  • SPINELLI, Miguel. Helenização e Recriação de Sentidos. A Filosofia na Época da Expansão do Cristianismo – Séculos II, III e IV. Porto Alegre: Edipucrs, 2002 pp. 237 a 292

Fonte:

Wikipedia

 

<Voltar ao índice interno>    < voltar a página Principal >

 

117.35 - DHARMISMO

Religiões Dharmicas: Budismo (Buda), Bramanismo, Confucionismo, Hinduísmo (Krishna), Jainismo, Taoísmo, Tenrikyo.

DHARMA:

Darma ou Dharma (em sânscrito: धर्म, transl. Dharma; em páli Dhamma) significa "Lei Natural" ou "Realidade". Com respeito ao seu significado espiritual, pode ser considerado como o "Caminho para a Verdade Superior". O darma é a base das filosofias, crenças e práticas que se originaram na Índia.

A mais antiga dessas, conhecida como hinduísmo, é a Sanatana Dharma (ou Dharma Eterno). No budismo, no jainismo e no sikhismo, o darma também tem um papel axial. Nessas tradições, seres que vivem em harmonia com o darma alcançam mais rapidamente o mocsa, o Dharma Yukam, o nirvana ou libertação da roda das samsaras, ou ciclo de reencarnações.

O darma também se refere aos ensinamentos e doutrinas de diversos fundadores de tradições, como Siddhartha Gautama no budismo e Mahavira no jainismo. Como doutrina moral sobre os direitos e deveres de cada um, o Dharma se refere geralmente ao exercício de uma tarefa espiritual, mas também significa ordem social, conduta reta ou, simplesmente, virtude.

 

BUDISMO: O símbolo do Budismo é a Roda Dharmica ou Dharmacakra. Apesar desta ser um símbolo admitido por todas as religiões dharmicas, como o Jainismo, tal símbolo é considerado o símbolo oficial do Budismo. É um círculo com oito braços surgidos no centro apontando direções diferentes. Cada um dos braços representa cada uma das oito práticas que constituem o Nobre Caminho Óctuplo: Compreensão Correta, Pensamento Correto, Fala Correta, Ação Correta, Meio de Vida Correto, Atenção Correta, Sabedoria Correta e Visão Correta.

 

HINDUISMO: O Om ou Aum é , além do símbolo do Hinduísmo, o principal mantra do Hinduísmo. Assim como muitos outros mantras, este também está presente no Budismo e no Jainismo e representa o trimurti, isto é, o conjunto formado pelas três principais divindades hindus: Brahma, o Criador do universo; Vishnu, o Reformador do universo; e Shiva, o Destruidor (ou Transformador) do universo. Sua forma é semelhante à de um número três e, como os outros mantras, funciona como uma espécie de oração, mas não relata um diálogo direto com seus deuses.

 

TAOISMO: O Yin-Yang é o símbolo do Taoísmo, uma das mais conhecidas religiões dharmicas. Um círculo dividido ao meio por uma linha ondulada; uma metade é negra (yin) e a outra é branca(yangh). Cada metade tem também um pequeno círculo da cor oposta, ou seja, a metade branca tem um círculo negro e a negra tem um círculo branco. Esse símbolo representa o equilíbrio das forças positivas e negativas do universo: a metade negra representa o negativo, o escuro, a noturno e o feminino e a metade branca representa o suave, o iluminado, o diurno e o masculino.

 

O círculo menor representa a presença de cada um no outro. Alguns estudiosos sem excepcional experiência com a filosofia chinesa clássica dizem que o yang é o bem e o yin é o mal; contudo, segundo o físico teórico Fritjof Capra, influenciado pela obra de estudiosos como Needham, o mal e o nocivo não são o yin, mas o desequilíbrio entre os dois pólos yin-yang e o bem não é o yang, é o equilíbrio dinâmico entre estes dois pólos arquetípicos que formam o Tao.

Na concepção chinesa, todas as manifestações do Tao são geradas pela interação dinâmica desses dois pólos arquetípicos, os quais estão associados a numerosas imagens de opostos colhidas na Natureza e na vida social. É importante, e muito difícil para nós, ocidentais, entender que esses opostos não pertencem a diferentes categorias, mas são pólos extremos de um único todo.

Nada é apenas yin ou apenas yang. Todos os fenômenos naturais são manifestações de uma contínua oscilação entre os dois pólos; todas as transições ocorrem gradualmente e numa progressão ininterrupta. A ordem natural é de equilíbrio dinâmico entre o yin e o yang.

Os termos yin e yang tornaram-se recentemente muito populares no Ocidente, mas raramente são usados em nossa cultura na acepção chinesa. Quase sempre refletem preconceitos culturais que distorcem seriamente seu significado original. Uma das melhores interpretações é dada por Manfred Porkert em seu estudo abrangente da medicina chinesa. Segundo Porkert, o yin corresponde a tudo o que é contrátil, receptivo e conservador, ao passo que o yang implica tudo o que é expansivo, agressivo e exigente. Na cultura chinesa, o yin e o yang nunca foram associados a valores morais.

Desde os tempos mais remotos da cultura chinesa, o yin está associado a feminino e o yang ao masculino. Essa antiga associação é extremamente difícil de de avaliar hoje, por causa de sua reinterpretação e distorção em subseqüente eras patriarcais. Em biologia humana, as características masculinas e femininas não estão nitidamente separadas, mas ocorrem, em proporções variáveis, em ambos os sexos. Da mesma forma os chineses acreditavam que todas as pessoas , homens ou mulheres, passam por fases yin e yang.

A personalidade de cada homem e de cada mulher não é uma entidade estática, mas um fenômeno dinâmico resultante da interação entre elementos masculinos e femininos. Essa concepção da natureza humana está em contraste flagrante com a da nossa cultura patriarcal, que estabeleceu uma ordem rígida em que se supõe que todos os homens, machos, são masculinos e todas as mulheres, fêmeas, são femininas, e distorceu o significado desses termos ao conferir aos homens os papéis de protagonistas e a maioria dos privilégios da sociedade. Em virtude dessa predisposição patriarcal, a freqüente associação do yin com a passividade e do yang com a atividade é particularmente perigosa. Em nossa cultura, as mulheres têm sido tradicionalmente retratadas como passivas e receptivas, e os homens como ativos e criativos.

TENRIKYO: O emblema do Tenrikyo é representado como um círculo. No interior desse círculo, há um outro menor, de onde surgem outros cinco braços, separados em ângulos de 72°, separando o círculo em cinco. Dos cinco braços, surgem outros cinco círculo, um em cada braço. O Tenrikyo é uma religião dharmica surgida no Japão. Sua fundadora foi a camponesa Miki Nakayama.

<Voltar ao índice interno>       < voltar a página Principal >

 

117.36 - IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL

DOUTRINA:

 

O QUE É A IGREJA MESSIÂNICA MUNDIAL?

A Igreja Messiânica Mundial tem por finalidade construir o Paraíso Terrestre, criando e difundindo uma civilização religiosa que se desenvolva lado a lado com o progresso mate­rial.

 Não há dúvida de que “Paraíso Terrestre” é uma expressão que se refere ao mundo ideal, onde não existe doença, pobreza nem conflito. O “Mundo de Miroku”, anunciado por Buda, a chegada do “Reino dos Céus”, profetizada por Cristo, a “Agricultura Justa”, proclamada por Nitiren, e o “Pavilhão da Doçura”, idealizado pela Igreja Tenrikyo, têm o mesmo sig­nificado. A diferença é que não se fez indicação de tempo. Mas eu cheguei à conclusão de que o momento se aproxima. E o que significa isto? É a hora da “Destruição da Lei”, pre­vista por Buda, e do “Fim do Mundo” ou “Juízo Final”, profetizado por Cristo.

 

Seria uma felicidade se o Paraíso Terrestre pudesse ser estabelecido sem que isso afetasse o homem. Antes, porém, é indispensável destruir o velho mundo a que pertencemos. Para a construção do novo edifício, faz-se necessária a demolição do prédio velho e a limpeza do terreno. Deus poupará o que for aproveitável – e a seleção será feita por Ele. Eis a razão pela qual é importante que o homem se torne útil para o mundo vindouro.

 

Ultrapassar a grande fase de transição significa ser aprovado no exame divino, e a Fé é o único caminho para obtermos aprovação. As qualificações para ultrapassar essa fase são as seguintes:

a) tornar-se um homem verdadeiramente sadio, e não apenas na aparência;

b) um homem que se libertou do sofrimento da pobreza;

c) um homem que ama a paz e detesta o conflito.

 

Deus resguardará aqueles que tiverem essas três grandes qualificações e deles se utilizará, como entes preciosos, no mundo que vai surgir. Certamente não há discordância entre os desígnios de Deus e os ideais do ser humano. Portanto, haverá um caminho que permita estabelecer as condições requeridas. Mas como poderemos obtê-las?

 

Nossa Igreja tem por objetivo orientar as pessoas e transmi¬tir-lhes a Graça Divina, pos­sibilitando-lhes criar tais condições.

25 de janeiro de 1949

INÍCIO:

Igreja Messiânica Mundial (世界救世教 Sekai kyūsei kyō em japonês) é uma instituição religiosa fundada em 1 de janeiro de 1935, no Japão, por Mokiti Okada (1882-1955) - conhecido entre os fiéis também como Meishu-Sama (Senhor da Luz). Sua prática central é o Johrei, um método que alegam poder canalizar a luz divina no corpo de outra pessoa, com intuito de curá-la de seus males espirituais e físicos. Devido às supostas revelações divinas que Mokiti Okada recebeu sobre sua grandiosa missão de construir o Paraíso na Terra, fundou a Igreja Messiânica Mundial, através da qual difundiu para as pessoas os ensinamentos e práticas necessárias para a concretização desde ideal.

A religião tem hoje no Brasil, aproximadamente 500 mil membros e 2 milhões de simpatizantes.

 

Doutrina da Igreja Messiânica Mundial

Os messiânicos creem em Deus, Criador do Universo. Creem que, desde o início da Criação, Deus objetivou estabelecer o Céu na Terra e tem atuado continuamente para a concretização desse objetivo. Com tal propósito, fez do ser humano o Seu instrumento para servir ao bem-estar da humanidade, condicionando a ele todas as demais criaturas e coisas. Creem, portanto, que a história humana do passado constitui estágios preparatórios, degraus para se alcançar o Céu na Terra. Para cada época, Deus envia o Seu mensageiro e as religiões necessárias, cada qual com sua missão. Creem que, no presente, quando o mundo vagueia em tão caótica situação, Deus enviou o Mestre Meishu-Sama, fundador da Igreja Messiânica Mundial, com a suprema missão de realizar o Seu sagrado objetivo de salvar toda a humanidade. Por conseguinte, visando à concretização do Mundo Ideal, de eterna paz, perfeitamente consubstanciado na Verdade-Bem-Belo, o membros da igreja Messiânica Mundial, empenham-se em fazer sempre o melhor, erradicando a doença, a pobreza e o conflito, que segundo eles, são as três grandes desgraças que assolam este mundo.

 

Meishu-Sama e o movimento

Com espírito científico-religioso, Mokiti Okada mais tarde conhecido como Meishu-Sama (Senhor da Luz), deixou uma vasta obra literária, tratando sobre os mais variados assuntos da vida humana, sob a ótica espiritual, explicando a causa das doenças, da pobreza e dos conflitos; a situação em que se encontra o mundo atual; bem como as mudanças que ocorrerão, e o que o homem deve fazer para enfrentar essa fase, tornando-se um ser paradisíaco. Explicou a principal prática altruísta da Igreja que é o Johrei; qual é a missão do homem; a constituição do mundo espiritual e sua relação com o mundo material; a verdadeira alimentação - que é aquela na qual se consome alimentos produzidos através de técnicas agrícolas que não utilizam adubos químicos e agrotóxicos; tratou sobre educação, economia, política, arte, entre outros assuntos relacionados com a humanidade.

Como legado artístico, deixou, além de suas obras pessoais (caligrafias, desenhos, etc.), que incluíam jardins e projetos arquitetônicos, dois museus de arte (Museu MOA), com uma coleção que está incluso no tesouro nacional do Japão.

O Johrei

Palavra criada por Meishu-Sama com a junção de dois ideogramas da língua japonesa: JOH – "purificar" e REI – "espírito". Assim ele denominou o método de canalizar com as mãos, a intangível, infinita e poderosa energia espiritual que, pela sua origem e benefícios, é considerada Luz Divina. A felicidade ou a infelicidade depende do nível espiritual de cada um. Quanto mais impurezas espirituais e físicas o homem acumula, mais "pesado" fica o espírito, decaindo nas camadas do mundo espiritual, onde a luz é escassa. O Johrei purifica as impurezas do homem e possibilita que ele se eleve espiritualmente para camadas onde a Luz é intensa. A Luz é a fonte da saúde, da sabedoria e da felicidade. Assim explica Meishu-Sama: "A pregação das doutrinas religiosas agem do exterior para a alma. Mas o ato purificador do Johrei projeta a Luz Espiritual diretamente na alma, despertando-a instantaneamente. Os que ingressam, alcançam rapidamente uma percepção superficial e, em seguida uma percepção mais profunda. Além de superarem suas próprias tragédias, tornam-se aptos, também, a eliminar as tragédias alheias."

 

Expansão

Existem várias instituições religiosas que seguem a linha de pensamento de Meishu-Sama. No Brasil, entre outras, há a Igreja Messiânica Mundial do Brasil.

Atualmente atividades de expansão, da filosofia de Meishu-Sama e da prática do Johrei, acontecem em unidades chamadas de Johrei Center. No Brasil existem mais de 600 unidades. Nestes locais as pessoas podem receber, gratuitamente, o Johrei e também recebem cursos sobre o pragmatismo da filosofia de Mokiti Okada. Todas as atividades são desenvolvidas por voluntários.

A expansão da Igreja Messiânica também acontece através da Fundação Mokiti Okada que desenvolve pesquisas na agricultura, recuperação do meio ambiente, saúde e educação. A fundação também engloba a escola de Ikebana Sanguetsu que ensina os princípios pragmáticos da filosofia de Mokiti Okada através da arte milenar do arranjo floral.

 

Donativos

Na Igreja Messiânica não há taxa alguma ou pagamento a se fazer para frequentar.

Existe porém uma forma de contribuição, não compulsória, em forma de donativos, pelos quais o frequentador ou membro, caso deseje e se sinta propenso a, pode demonstrar sua satisfação e gratidão às graças recebidas, sob forma de unidade monetária.

Para tornar-se um membro, deve-se realizar um curso e ao final, receber o Orikari, para daí estar apta a ministrar o Johrei.

 

Fundação Mokiti Okada

A Fundação Mokiti Okada é uma instituição social sem fins lucrativos, destinada a concretizar através de ações sociais, projetos, a filosofia de Mokiti Okada no Brasil. Ligada à Igreja Messiânica Mundial do Brasil, foi criada em 19 de janeiro de 1971, tem atuação em todo o território nacional e o objetivo de contribuir para uma sociedade mais harmoniosa e progressista.

FONTE:

http://www.messianica.org.br/doutrina/ensinamentos/01/imm.pdf

Wikipédia

 

<Voltar ao índice interno> < voltar a página Principal >

 

117.37 - TENRIKYO

Tenrikyo (天理教; Tenrikyō, Ensinamento da Razão Divina), é uma religião monoteísta originada nas revelações reveladas à uma mulher japonesa chamada Miki Nakayama, ocorridas no século XIX.[1]

Após esta data ela se tornou conhecida como o sacrário dos "Deus-Parens", a Oyassama ("Nossa Mãe"). Estima-se que a religião tenrikyo tenha aproximadamente 2 milhões de seguidores no mundo inteiro, sendo 1.5 milhões no Japão. O ensinamento, baseado nos três textos originais (Ofudesaki 御筆先「おふでさき」, Mikagura-Uta 御神楽歌「みかぐらうた」 e Osashizu 御指図「おさしず」), e a "vida modelo" (ensinada por Oyassama) pregam principalmente o Youkigurashi, que é traduzido como "Vida Plena de Alegria e Felicidade". Esta pregação, que seria a vida harmoniosa entre todos os seres e Deus-Parens, é ensinada como sendo o objetivo principal da vida, e a predestinação original e comum a todos os seres humanos, tendo sua razão explicativa na intenção de Deus-Parens ('Tenri-Ô-no-Mikoto') em desejar ver o viver alegre e feliz de seus filhos.

Conceitos

·         Yo () é "positivo", o mesmo caractere do Yang no Yin e Yang chinês.

·         Ki () é "espírito" ou "energia", o mesmo caractere de Chi em chinês.

·         Yusan (遊山) é "uma caminhada pelas montanhas e campos" (lit. excursão), implicando em uma vida em meio à natureza.

·         Gurashi () é "vivência", implicando a vida num senso maior de dia a dia.

Monoteísta, tendo Tenri-Ô-no-Mikoto (lit. "Senhor da Razão do Céu") como deus, que é definido como o criador e parens (pai e mãe) cuidadoso para com toda a humanidade. É chamado também de Oyagamissama (Deus-Parens). A reencarnação contínua é uma parte da religião, mas não um ponto central. Os ensinamentos principais incluem: Moto-no-Ri - A Razão da origem; Kashimono-Karimono (coisa emprestada e tomada emprestada) – o relacionamento natural entre o corpo humano e Deus; Hinokishin – Todo e qualquer ato surgido do sentimento de gratidão pelo corpo emprestado estar sendo vivificado pelo trabalho de Deus-Parens; Tanno (Satisfação Sincera) – uma atitude construtiva com relação a problemas, doenças e dificuldades; e Juzen-no-Shugo – Dez Providências, envolvidas na criação do mundo e dos seres humanos.

Na Tenrikyo há três níveis sucessivos de entendimento da natureza de Deus: o primeiro é Kami, que é Deus propriamente dito, o segundo é Tsukihi (lit. Lua Sol), Deus como o criador da natureza e das leis naturais, e por último Oya (Parens), que é Deus como o Pai e Mãe dos seres humanos. Estes termos referem-se a três níveis sucessivos de entendimento de um único Deus conforme eles crescem em maturidade espiritual. Muitas metáforas sobre construção e carpintaria são usadas nos ensinamentos da Tenrikyo, que propõem a construção de um mundo melhor e mais feliz num processo progressivo no qual as pessoas podem tomar pequenos passos na direção do progresso através do trabalho cooperativo.

 

A sede principal da religião está localizado onde anteriormente era a Vila Shoyashiki, atualmente parte da cidade de Tenri no município de Nara. O complexo do Recinto de Reverência principal se encontra em torno de Jiba, o local original da criação dos seres humanos. O líder religioso é chamado de Shimbashira (lit. Pilar Principal). Os ensinamentos da Tenrikyo, apesar de enfatizarem o trabalho em grupo, permitem um grau significativo de individualidade em meio aos seguidores - diferenças são vistas como complementares, e a organização geral é subdividida em muitos diferentes grupos com objetivos comuns mas focos diferentes.

 

Estes objetivos diferem dependendo do Daikyokai (lit. Igreja-Mor), desde grupos de atendimento a vítimas de desastres naturais, pessoal médico em hospitais, universidades, um enorme museu, uma das maiores bibliotecas do Japão, várias escolas e muitos outros. O Judô de Tenri é renomado como um estilo competitivo de Judô de sucesso que já produziu muitos campeões, como o único tri-campeão olímpico Tadahiro Nomura(JPN), e também há outros grupos de interesse em artes e esporte dentro da religião tenrikiana.

A história do Tenrikyo é turbulenta, tendo sido estabelecida durante um tempo de grande mudança no japão. Eventuais conexões modernas com o Xintoísmo podem ser explicados através do entendimento da perseguição pela qual os primeiros seguidores passaram. O relacionamento entre a organização do Tenrikyo e a igreja Católica é muito boa.

Seguidores Famosos

·         Avram Davidson - escritor de ficção científica e estudioso do Talmude que se converteu.

·         Masako Konishi - cantora japonesa de ópera

·         Shozen Nakayama - 2º Shinbashira e Fundador da Universidade de Tenri

·         Hirano Narazou, ex-gângster yakuza, fundador da Igreja-Mor Koriyama

·         Ayaka Hirahara - cantora pop japonesa jpop

·         Naoki Matsuyo - jogador de futebol japonês

·         Ronnie Nyogetsu Reishin Seldin - famoso tocador de Shakuhachi

Referências

1.    Tenrikyo Official Home Page. Página visitada em 21 de abril de 2008.

<Voltar ao índice interno>    < voltar a página Principal >

 

117.38 - MAHIKARI

MAHIKARI é uma filosofia que surgiu no Japão e os seus membros acreditam ser esta uma arte espiritualista que tem por objetivo a renovação espiritual de toda a humanidade. Segundo eles, esta renovação é fundamentada por revelações divinas que Deus (o Deus Supremo, criador do céu e da Terra) teria revelado para seu fundador Yoshikazu Okada. .

Os movimentos, quase sempre, se utilizam de uma técnica chamada "ARTE MAHIKARI" (ou Okiyome) que, de acordo com os adeptos, é uma sagrada arte concedida por Deus, para transmitir a Luz Divina com o objetivo de purificar o espírito, a mente e o corpo. Essa energia é transmitida através da imposição da mão pelos praticantes e segundo eles, tem como objetivo transmitir a luz para as pessoas. Os praticantes se intitulam pontes entre deus e os demais seres humanos.

Estatísticas

Não existem estatísticas oficiais sobre o número total de seguidores da MAHIKARI nem nos países lusófonos, nem no restante do mundo. Isso ocorre devido ao fato de a Mahikari evitar exposição através das mídias e se manter reservada quanto ao número de seguidores, arrecadações, templos, etc.

Sedes

A sede mundial da mahikari, mais especificamente da Sukyo Mahikari (o maior dos movimentos), está situada em Hida, Takayama, no Japão. Lá está construído o chamado Templo Mundial Principal SUZA, onde é venerado Deus.

O templo foi inaugurado em 1984 em uma área de aproximadamente 20.000 metros quadrados. Esse templo, bem como todos os outros da seita, foi construído apenas com doações que seus seguidores fizeram especificamente para a construção, independente das demais feitas mensalmente em todas as sedes do mundo.

A sede no Brasil está situada na cidade de São Paulo (vide Sukyo Mahikari).

Deus Su

Segundo a mahikari, Deus é único. No entanto, paralelamente, existem outros diferentes deuses que zelariam pela humanidade. Todos estes deuses seriam, assim como o homem, frações do mesmo deus, o Deus *Su.

O homem

Na mahikari, o homem é visto como um ser composto de espírito, mente e corpo. Criado para realizar uma missão dada por Deus e apenas assim, conseguirá alcançar a felicidade. O ser humano, segundo a seita, possui carma acumulado através da inúmeras reencarnações e precisa se purificar.

Os espíritos e/ou pensamentos negativos podem infiltrar-se no corpo material ou permanecer perto devido ao grande carma de cada pessoa, influenciando negativamente a vida do homem. Isso traz resultados ruins para a pessoa. Dessa maneira, a maior parte das doenças estaria justificada e explicada.

O futuro da humanidade

 

Segundo a mahikari, Deus Su teria anunciado uma nova era que está próxima para a humanidade. Haverá antes, porém, grande período de conturbações na Terra. Este período se iniciou com a chamada Era do Batismo de Fogo, no ano de 1962. Durante esse espaço de tempo, ocorrerá catástrofes climáticas e ambientais, guerras e conflitos, epidemias, etc. Sendo assim, os membros da seita acreditam que são os responsáveis pela purificação de toda a humanidade e possuem essa missão especial de Deus, a de purificar a humanidade e encontrar os escolhidos para iniciar o paraíso na terra.

A morte

Os seguidores da mahikari creem na reencarnação após a morte. Quando uma pessoa morre, seu espirito, seu corpo espiritual e seu corpo astral vão para o chamado "mundo astral". Este é dividido em 7 dimensões diferentes, sendo que Deus Su está acima da sétima dimensão.

Okiyome (arte mahikari)

Para os praticantes, okiyome consiste na transmissão da "luz verdadeira" (Ma = Verdade; Hikari = Luz) através da palma das mãos ou da ponta dos dedos. Essa "energia cósmica e purificadora" eliminaria as essências tóxicas espiritual, mental e física, permitindo, dessa maneira, que o ser humano volte a viver de acordo com os princípios fundamentais do Universo, adquirindo de modo natural a saúde, a harmonia e a prosperidade. Enfim, uma vida feliz e produtiva. Quem pode fazer o okiyome é aquele fez um treinamento de três dias e recebeu o sagrado Omitama. Medalha recebida ao final do terceiro dia desse treinamento, o qual os membros acreditam ser uma antena que capta a luz divina.

*Supremo = Deus Criador, que está acima de tudo

Alguns termos da mahikari

·         Dai dojo, Tyu dojo, sho dojo e jun dojo: Sedes da mahikari, onde são praticadas a "arte mahikari" e o aprimoramento espiritual, através da respectiva arte.

·         Okiyomesho e Renrakusho: outros tipos de sedes, não "oficiais", similar as outras.

·         Goshintai: É um quadro sagrado, localizado no "Altar Divino" que está conectado a Deus Su. Este quadro emana sem interrupções a Luz Divina.

·         Hito: É o verdadeiro filho de Deus, purificado e de acordo com os ensinamentos da Mahikari.

·         Mahikaritai: É o grupo de jovens da mahikari.

·         Okiyome: É a arte mahikari (imposição da mão), a arte de irradiar luz divina pela palma da mão a chamada Luz espiritual proveniente de Deus Su, para purificar praticamente tudo. Exemplo: pessoas, animais, alimentos, ambientes em geral, plantas, etc..

·         Omitama: É uma medalha sagrada que está conectada a Deus Su, através de ondas espirituais, possibilitando a transmissão da Luz Divina e a prática do okiyome.

·         Seijoka: Termo que designa o processo de purificação.

Arrecadação

Membros da mahikari, entretanto, argumentam que quando se torna kumite, cada praticante contribui mensalmente com um valor de R$12,00 (doze reais) (no caso do Brasil). Esse valor de agradecimento é padrão no mundo inteiro.

Treinamentos

Membros da mahikari, entretanto, argumentam que os treinamentos ministrados pelos mestres praticantes da arte mahikari são seminários onde o participante tem como maior desafio absorver três dias de ensinamentos intensos, pois os iniciantes passam esses três dias sentados ouvindo de forma ininterrupta os preceitos que são permitidos aos membros iniciantes. Para que os membros possam passar a níveis mais elevados da seita, precisam cumprir metas para assim poderem realizar outros seminários onde ouvirão ensinamentos conforme o nível em que forem subindo na hierarquia da seita.

Outros movimentos religiosos

·         Sekai mahikari bunmei kyodam, ativa desde 1959. Esta, deu origem a outras 5 organizações;

·         Shin yu gen kyu sei mahikari kyodan, desde 1974;

·         Sukyo mahikari, desde 1978;

·         Subikari koha sekai shinda, desde 1980;

·         Mahikari seiho no kai; e

·         Yokoshi tomo no kai.

Dois movimentos teriam inspirado a criação destes. São eles:

·         Seita Omoto kyo, ativa desde 1892; e

·         Sekai kyusei kyo (também chamada de Johrei ou simplesmente SKK), desde 1934. Esta, deu origem a outras 21 organizações.

Variações do nome

O nome de Yoshikazu Okada varia de organização para organização. Ele seria conhecido por:

·         Kotama Okada

·         Ryodo

·         Seigyoku

·         Seio

·         Sukuinushisama ou Sukuinushi-Sama

O mesmo ocorre com a filha adotiva de Yoshizaku Okada, segundo os adeptos. Ela teria utilizado os seguintes nomes:

·         Keiju Okada

·         Keishu Okada

·         Seishu Okada

Em 1978, surgiu a sukyo mahikari, onde se intitula Segunda Oshienushi-Sama.

A Sra Keiju Okada é filha adotiva de Yoshikazu Okada, mas também grande responsável pelas divulgações dos ensinamentos e a grande expansão da entidade com o intuito de salvar a humanidade.

Obras

Muitos livros e revistas foram publicados sobre a mahikari, porém são apenas distribuidos aos membros e estes são orientados a não mostrar suas publicações a não-membros, pois segundo as orientações dos dirigentes, esses não entenderiam os ensinamentos "divinos".

A principal obra sobre o ensinamento do movimento é o Goseigen, conhecido como livro de revelações divinas. Livro em que os membros acreditam ter sido totalmente escrito através de revelações divinas por seu fundador para ser o guia dos escolhidos por deus.

O movimento publica mensalmente uma revista que é distribuída aos membros. Esta, traz informações sobre a filosofia, as práticas e costumes da mahikari, além de depoimentos de adeptos.

FONTE: Wikipedia 

<Voltar ao índice interno < voltar a página Principal >

 

117.39 - VALE DO AMANHECER

O Vale do Amanhecer é uma doutrina espiritualista cristã, criada para abrigar a Doutrina do Amanhecer, fundada em 1959, pela médium clarividente Tia Neiva. A Doutrina do Amanhecer foi trazida, através da clarividente, pelo espírito de Francisco de Assis, conhecido nesta doutrina como "Pai Seta Branca", e por sua equipe espiritual, contendo elementos de várias outras religiões. A Doutrina do Amanhecer já conta com mais de 600 templos em todo o Brasil e em outros países.

História

O Vale do Amanhecer surgiu da visão de Neiva Chaves Zelaya, nascida em 30 de outubro de 1925 , na cidade de Propriá, Sergipe. Curiosamente, ela tinha em sua família padres e freiras. Ficou viúva aos 21 anos de idade. Aos 33 anos começou sua peregrinação em igrejas católicas e centros kardecistas, na procura de explicação para as visões que tinha.

Na Cidade Livre do Núcleo encontrou em um centro kardecistas uma senhora chamada Mãe Nenen, que a conduziu no caminho do espiritismo. Logo em seguida, entre as cidades goianas de Alexânia e Brasília, na década de cinqüenta, fundaram a "União Espiritualista Cristã Seta Branca" (UESB). Consistia em um núcleo populacional onde se mesclava tratamentos espirituais e físicos. Logo depois, as duas mudaram-se para Taguatinga e, em 9 de novembro de 1969, chegaram a um local nos arredores de Planaltina, onde fundaram o Vale do Amanhecer. Tia Neiva tinha, segundo os seus adeptos, a mediunidade de clarividência, ou seja a capacidade de visualizar vivências em vários planos simultaneamente. Tia Neiva faleceu em 15 de novembro de 1985.

Hoje o Vale do Amanhecer conta com mais de 600 templos em todo o Brasil e vários no exterior. É governado por um conselho de mestres chamados de "Trinos Presidente Triada".Hoje presidida pelo Trino Herdeiro Presidente Triada Ypoarã, Mestre Raul Zelaya, filho biológico de Tia Neiva. A doutrina do Amanhecer é uma doutrina baseada nos princípios crísticos e também na teoria da reencarnação. Como já dito, o templo matriz ou referência situa-se em Planaltina DF.

A Doutrina do Amanhecer,ou Corrente Indiana do Espaço,e Correntes Brancas do Oriente maior é uma reunião de várias origens de civilizações que existiram em nosso planeta.Dentre podermos citar as seguintes fontes:

Segundo ensinamento da Clarividente Neiva Chaves Zelaya, a Tia Neiva, há 32000 anos um grupo de seres oriundos de um planeta chamado Capela,tiveram a incumbência de colonizar a Terra. Quando aqui chegaram ,vieram munidos de todos requisitos necessário para tal missão,eram quase imortais,traziam toda uma cultura de seu Planeta Mãe.

Quando aqui chegaram começou a miscigenação com os habitantes que aqui existiam. Tal situação foi dando as gerações futuras,as características terrenas e concomitante perdendo as suas características originais. Tal situação levou a falência de seu propósito original. O que resultou a erradicação desta civilização a qual seus habitantes eram chamados de Equitumans. Logo depois outra civilização viera com o mesmo propósito,eram chamados de Tumuchys,habitavam a Ilha da Páscoa no Pacífico. Esta ilha era chamada de Omeyocan.

Os totens ou estátuas erigidas eram chamadas de Moais. Manipulam as energias do Sol e da lua ,num processo atômico não revelado pela Clarividente. Novamente houve a falência desta civilização. Logo depois habitaram o Egito,Macedonia, leste da Russia. Outro ponto de relevancia em que habitaram os Jaguares(Como são conhecido os mestres,ou médiuns da Doutrina do Amanhecer), foi Esparta e Atenas, onde num conflito épico da Cordilheira do Peloponeso se digladiaram por cinqüenta anos,na época do governo de Péricles. Logo depois reencarnam na Palestina e em Roma,como Pretorianos, Senadores, Gladiadores e Sacerdotes.

Num salto no tempo habitam as Américas, precisamente nas imediações de Iucatã, como Maias, manipulavam as forças do sol e da lua, erigiam suas pirâmides e neste cultos, refizeram o contato novamente com os habitantes do então planeta Capela. Num incidente houve uma explosão nuclear de proporções gigantesca, na qual fizeram habitantes de Tikal, Mérida e cidades adjacentes abandonarem suas cidades. Voltam novamente nos períodos das Cruzadas, Idade Média, Revolução Francesa, Inquisição Portuguesa e Espanhola.

Por fim ficam 100 anos no espaço sendo preparados para habitarem Brasil, Colônia e Império. Por fim habitam um local na Bahia num cidade chamada Abóboras e Angical. Assumem a roupagem de Escravos e Feitores. Nesta época estão encarnados os Pretos velhos hoje conhecidos como Pai João, Pai Zé Pedro e outros assim como Natacham (Tia Neiva) e nesta numa consagração crioula preconizam a criação do Doutrinador. Hoje mediunidade do médium que trabalha de olhos abertos, juntamente com o Apará, que trabalha de olhos fechados e é médium de incorporação. Finalmente em Propriá em 30 de outubro de 1925 nasce Neiva Chaves Zelaya. E em uma reunião na UESB(União Espiritualista Cristã Seta Branca), numa localidade entre Alexânia e Brasília é criado o Doutrinador no plano físico. Hoje a Doutrina do Amanhecer é presidida por um Doutrinador.

Tia Neiva:

Neiva Chaves Zelaya, Tia Neiva, Mãe Neiva, Nossa Mãe, Agla Koatay 108. São várias as formas que podemos nos dirigir a esta mulher, que foi um ser extraordinário que recebeu e estruturou esta Doutrina do Amanhecer em cada um de nós.

O potencial de Tia Neiva não pode ser resumido na clarividência, pois ela foi dotada de mediunidade universal, isto é, possuía todos os tipos de mediunidade, qualidade peculiar de um ser Iluminado.

Fontes:

http://www.valedoamanhecer.com/va/

Wikipédia.

 

 

<Voltar ao índice interno>    < voltar a página Principal >

 

117.40 - RAMATISIANISMO

Ramatisianismo: ramo do espiritismo que segue os ensinos do espírito-guia do médium Hercílio Mães, chamado de Ramatis. Os ramatisistas, /ou ramatisianos como são conhecidos, afirmam que Jesus era na verdade um anjo que servia de médium a um espírito chamado Cristo Planetário. São também vegetarianos e tem ligações com o gnosticismo e o esoterismo. Também procura a doutrina passar um universalismo ocidental e oriental.

PROFECIAS:

"Fim dos Tempos"       

 “O ‘fim do mundo’ profetizado refere-se tão somente ao fim da humanidade anti-cristã; será uma seleção em que se destaquem os da ‘direita’ e os da ‘esquerda’ do Cristo. Trata-se de promoção da Terra e de sua humanidade; lembra um severo exame que, para os alunos relapsos e ociosos, representa terrível calamidade! Mas de modo algum a vossa morada planetária sairá do rodopio em torno do Sol, onde também constitui importante âncora do sistema. Após a operação cósmica, que lhe será de excelente benefício para a estrutura geofísica, deverá possuir maior equilíbrio, melhor circulação vital-energética na distribuição harmônica das correntes magnéticas, além de oferecer um ambiente psíquico já higienizado.”  (Livro Mensagens do Astral pg. 22)
 



Clique aqui para ler mais:

http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/livro-diz-que-espiritismo-esta-dividido-em-diversas-seitas/?PHPSESSID=539a91ff662c33c3977f7d410a5077fb#ixzz1TjojV6yL

 

A Fraternidade Ramatisiana "Hercílio Maes", localizada na Unidade Educacional I das Faculdades Integradas "Espírita", realiza trabalhos cuja finalidade é o tratamento e o apoio espiritual a pessoas da comunidade que estejam passando por problemas pessoais - baixa autoestima, desemprego, doenças etc. Os atendimentos são gratuitos e abertos a toda a comunidade.

História da Fraternidade Ramatisiana "Hercílio Maes":

A Fraternidade Ramatisiana “Hercílio Maes” foi fundada pelo professor Octávio Melchíades Ulysséa, com o objetivo de dar continuidade ao trabalho do médium curitibano Hercílio Maes, que estudava e difundia o pensamento de Ramatis.

 

Contra-Ponto da Fraternidade Ramatis de Curitiba

“Portanto, repudiamos o adjetivo “ramatisianos”, dado que “Ramatisianismo”, enquanto seita ou doutrina religiosa, simplesmente não existe; em seu lugar, nos conceituamos “espiritualistas universalistas”, profundamente envolvidos em estudos e práticas lastreados na visão e ensinamentos espirituais de Ramatís, buscando a integração dos conhecimentos iniciáticos do Ocidente e do Oriente.

Nesse aspecto, particularmente, nossa Fraternidade se interessa por estudos e práticas originários de doutrinas filosóficas e religiões espiritualistas como o Budismo, a Teosofia, a Umbanda, a Filosofia Yoga, a Fraternidade Branca e o Rosacrucianismo, entre outras...”

- http://www.fraternidaderamatis.org/novo/a-fraternidade/35-conteudo-geral/49-diretrizesdacasa.html

 

 

RAMATIS

Ramatis, Ramatís, Rama-tys ou Swami Sri Rama-tys é o nome atribuído por médiuns de diversos países a um espírito que seria o autor/inspirador de dezenas de obras escritas por eles. Hercílio Maes, América Paoliello Marques, Maria Margarida Liguori, Wagner Borges, Norberto Peixoto e Dalton Roque são alguns dos que afirmaram ou afirmam comunicar-se com Ramatis. O conjunto das obras atribuídas a ele representa a principal fonte bibliográfica e ideológica do espiritualismo universalista.

Histórico

Sua última encarnação teria sido na Indochina do século X d.C., segundo o médium Hercílio Maes. À época, teria sido instrutor em um santuário iniciático, falecendo ainda cedo. Em vida no século IV teria participado dos acontecimentos narrados no poema hindu Ramaiana. Segundo o médium Wagner Borges, o nome Ramatis homenageia dois personagens do Ramaiana: Lord Rama e sua esposa Sita. Também segundo Wagner Borges, Ramatis não teria nascido na Indochina, mas na Índia, por suas características hinduístas.

Doutrina

Para seus discípulos e admiradores, Ramatis coordena a "Fraternidade da Cruz e do Triângulo", equipe extrafísica de espíritos oriundos do cristianismo e das tradições religiosas do Oriente, comprometida em difundir síntese do conhecimento contido nas doutrinas religiosas e espiritualistas ocidentais e orientais, a fim de promover a integração da humanidade em torno de valores éticos e cosmoéticos em comum e a expansão dos horizontes conscienciais planetários.

O convite ao autoconhecimento assim como a conscientização do ser humano em relação ao seu habitat são conceitos sistêmicos igualmente abordados por Ramatis além dos temas pré-encarnação e os cidadãos do terceiro milênio. Nos últimos anos, Ramatis também teria se dedicado ao esclarecimento sobre o tema da umbanda e apometria através de diversas obras psicografadas por Norberto Peixoto e alguns artigos de Dalton Roque espalhados na internet.

O grupo universalista Voadores, ligado à Fraternidade da Cruz e do Triângulo, reúne alguns dos médiuns citados e também atribui a Ramatis a sua fundação e coordenação. Existem vários grupos de discussão e news de adeptos e admiradores de Ramatís, assim como inúmeras comunidades no orkut.

A Fraternidade Ramatis Hercílio Maes foi fundada pelo Diretor Geral da Unibem, professor que alega ser médium, Octávio Melchíades Ulysséa, para continuar o trabalho de Hercílio Maes, após sua morte, em Curitiba - PR.

O professor Ulysséa freqüentava a casa de Hercílio e dele era amigo. Disponibilizou dentro da Unibem (também referida como FIES - Faculdades Integradas "Espírita") local e infra-estrutura para o grupo simpatizante coordenado pelo sr. Epaminondas. Em novembro de 2007 através da iniciativa de um integrante desta fraternidade, seu membro Dalton Packer produziu um DVD com cerca de 15 minutos sobre a vida de Ramatís. Está agora desenvolvendo um outro trabalho sobre a vida de Hercílio Maes.

O repertório de estudos que teriam contado com a orientação do espírito de Ramatis se caracteriza pelo ecletismo, ao versar acerca de temas variados, tais quais fanatismo, ecumenismo, universalismo, espiritismo, teosofia, hinduísmo, cosmoética, transição planetária, conscienciologia, projeciologia, apometria,umbanda, ufologia, vegetarianismo, esperanto, câncer, tabagismo, alcoolismo, bioenergias, magia negra, chacras, mediunidade, projeção da consciência (viagem astral), autoconhecimento, leis do carma, projeto reencarnatório, suicídio, sexo, procriação, futuro do Brasil e da Terra, Jesus e profecias bíblicas.

Médiuns diversos

  • Em função da proposta universalista de Ramatís, os médiuns que psicografam suas obras possuem perfis diferenciados, mesclando influências do esoterismo, do hinduísmo, da umbanda, da doutrina espírita, da Conscienciologia, da Projeciologia e do espiritualismo laico e temporal.

  • Os distintos perfis de seus médiuns e a mediunidade inspirativa (não-mecânica) de muitos deles fazem com que possuam, muitas vezes, opiniões diferentes sobre mesmas temáticas e controvérsias conscienciais.

  • Para que se tenha visão abrangente do pensamento de Ramatis é necessário comparar o conteúdo das obras escritas por seus médiuns e extrair desse cotejo pontos de convergência. As semelhanças residem no discurso do espiritualismo universalista, na abordagem de questões pouco discutidas na literatura espiritualista (ou na expressão de enfoques e pontos de vista pioneiros) e na invocação de princípios éticos universais. As diferenças radicam na simpatia ou antipatia por profecias apocalípticas, nos distintos estilos literários (mais coloquiais ou mais formais), áreas temáticas de especialização e no grau de proximidade do espiritualismo laico ostentado por cada médium.

Obras sob alegada orientação de Ramatis e datas de suas primeiras edições

Obras psicografadas por Hercílio Maes

  • A Vida no Planeta Marte e os Discos Voadores (1955)

  • Mensagens do Astral (1956)

  • A Vida Além da Sepultura (1957; autor espiritual principal: Atanagildo)

  • A Sobrevivência do Espírito (1958; autor espiritual principal: Atanagildo)

  • Fisiologia da Alma (1959)

  • Mediunismo (1960)

  • Mediunidade de Cura (1963)

  • O Sublime Peregrino (1964)

  • Elucidações do Além (1964)

  • A Missão do Espiritismo (1967)

  • Magia de Redenção (1967)

  • A Vida Humana e o Espírito Imortal (1970)

  • O Evangelho à Luz do Cosmo (1974)

  • Sob a Luz do Espiritismo (1999; obra póstuma)

  • Ramatis - Uma Proposta de Luz (2003; seleção de trechos das obras anteriores)

Obras psicografadas por América Paoliello Marques

  • Brasil, Terra de Promissão (1973 ou 1974)

  • Jesus e a Jerusalém Renovada (1980)

  • Viagem em Torno do "Eu" (2006; obra póstuma)

    • Nota: os livros Mensagens do Grande Coração (1962 ou antes), psicografado por América e Wanda B. P. Jimenez, e Evangelho, Psicologia, Ioga (1995), coletânea de estudos subsidiários de palestras de América e considerados inspirados por Espíritos, também contêm textos de Ramatis.

Obras psicografadas por Maria Margarida Liguori

  • Momento de Reflexão - Vol. 1 (1990)

  • Momento de Reflexão - Vol. 2 (1993)

  • Momento de Reflexão - Vol. 3 (1995)

  • O Homem e o Planeta Terra (1998)

  • O Despertar da Consciência (1999)

  • Em Busca da Luz Interior (2001)

  • Jornada de Luz (2001)

Obra psicografada por Wagner Borges

  • Viagem Espiritual I (1993; co-autores espirituais: Yogananda, Rama e Aïvanhov)

Obra psicografada por Beatriz Bérgamo

  • Gotas de Luz (1996)

Obras psicografadas por Márcio Godinho

  • As Flores do Oriente (2000)

  • O Universo Humano (2001)

  • Resgate nos Umbrais (2007)

  • Travessia para a Vida (2007)

Obras psicografadas por Norberto Peixoto

  • Chama Crística (2001)

  • Samadhi (2002; co-autora espiritual: Vovó Maria Conga)

  • Evolução no Planeta Azul (2003; co-autora espiritual: Vovó Maria Conga)

  • Jardim dos Orixás (2004)

  • Vozes de Aruanda (2005; co-autor espiritual: Babajiananda)

  • A Missão da Umbanda (2006)

  • Umbanda Pé no Chão (2008)

  • Diário Mediúnico (2009)

Obra de Hur-Than de Shidha

  • O Astro Intruso e o Novo Ciclo Evolutivo da Terra (2004)

Obras de Dalton Campos Roque & Andréa Lúcia da Silva

  • O Karma e Suas Leis (2004)

  • Estudos Espiritualistas - Desvendando os Caminhos (2007)

 

 

<Voltar ao índice interno < voltar a página Principal >

 

117.41 - LITÁURICA

A Litáurica é espiritismo de mesa branca?
A Litáurica não é espiritismo! A Litáurica é uma religião a ser aplicada no lar para que as pessoas se conscientizem e não caiam no espiritismo. Pois mediunidade e o espiritismo como conhecemos nada são do que efeitos naturais que acontecem a todos os seres humanos sem distinção. A maioria das pessoas, por não ter uma educação espiritual correta, quando morre não conseguem se desprender do plano terrestre. E nisto se vêem perdidas e procuram os seres com que viveram, ou que lhe prejudicaram em vida, provocando nestas pessoas fatos mediúnicos, que vão desde a escutar vozes à problemas de drogas e/ou alcoolismo. E isso é tudo fotografado e percebido na fotografia da aura Litáurica... e nisso, as pessoas que necessitam e se dispõem, ocorre o devido tratamento espiritual, aonde entidades dos planos mais evoluídos vêm em socorro das que atuam nas auras das pessoas, e isto têm outro nome : mediunismo. Quando as entidades são encaminhadas, a pessoa passa a melhorar em sua parte afetada e isto é aparente a qualquer um que conheça a pessoa, e estas melhoras se comprovam também ao comparar as fotos anterior e posterior ao tratamento. O espiritismo de mesa branca é o termo cunhado para designar sessões espíritas aonde entidades "descem" para conversar com os vivos, e isso NÃO é Litáurica, nem terapia Litáurica. Ocorre algumas manifestações de acordo com a gravidade da situação que a pessoa esteja passando, mas o normal é apenas o encaminhamento espiritual que ocorre sem serem vistos por olhos normais.



A Litáurica é uma filosofia?
Assim como o Cristianismo Apostolar, a Litáurica não deixa de ser uma filosofia, pois em seus preceitos analisa a conduta devida das pessoas perante a vida para que não caiam nas correntes do carma e da lei de Talão. Se fazes algo a alguém, esta ação voltará na mesma moeda. Na Litáurica, estes fatores cármicos são parte da doutrina, e esta ensina como os evitar. E principalmente prova que o Carma e a Lei de Talião não são uma historieta para assustar crianças e sim um fato real da vida, aonde as provas podem ser fotografadas pela Kirliangrafia. É filosofia quando ensina o homem a se portar de maneira correta. É ciência porque prova seus preceitos através dos livros de história e pela fotografia da aura, e comprova-se com o seu tratamento. A regressão a vidas passadas testada e aprovada pela medicina atual também comprova a Litáurica. A Litáurica é religião porque assim foi declarada pela Vontade Maior e ensina o homem a apreciar o verdadeiro Deus, que não está longe, não tem defeitos humanos, não está em templos e nem livros sagrados, não dá privilégios a ninguém, promulga a igualdade entre todos os homens em sua imensa justiça e, principalmente, está em tudo e em todos.



As reuniões Litáuricas são feitas apenas na clínica?
Não. As reuniões são feitas em casas de pessoas que cedem e abrem suas casas para as palestras ministradas, muitas vezes pelos próprios donos da casa. Qualquer pessoa que deseje uma palestra tanto em sua casa como em qualquer outro local é só entrar em contato. Os endereços estão neste site.



Como posso fazer parte da litaurica?
A litáurica é a religião do lar, não possui castas, dízimos e nem dogmas. Cada um é dono de seu espiritualismo e responde individualmente perante as dividas do passado. Para ser um Litáurico a pessoa deve começar a estudar estes conceitos, conhecer o abuso que foi cometido sobre a religião, se colocar a par das Leis que regem o universo e a evolução. O site foi elaborado para que as pessoas possam estudar a Litáurica e praticar seus conceitos. A Litáurica não possui templos, sendo que o ser não precisa ir a lugar nenhum para respirar a vida, também não precisa de lugares específicos e nem intermediários para falar com Deus. Jesus já dizia quem muito amou já orou. A prática dos conceitos certos do “Fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem” já o contempla como um espiritualista e já o afasta de infringir a Lei causa e efeito do Carma. Para fazer parte da Litáurica basta fazer parte da criação, entendendo os conceitos espirituais certos que a Litáurica resgata do cristianismo apostolar, praticando seus legados e passado adiante esta nova luz espiritual. Mas a Litáurica também possui um trabalho de pesquisa com a Kirliangrafia onde há mais de dez anos diagnostica e trata os problemas espirituais, trazendo com esse trabalho e evidência das cobranças espirituais do passado de outras vidas comprovando assim cientificamente a existência de outras vidas na reencarnação e o retorno das ofensas onde os ofendidos cobram estas diferenças do passado na Aura da pessoa. Todo este trabalho esta localizado em São José dos Campos – SP, o endereço para realizar a foto da Aura esta no site.



Eu vou na clínica de tratamento Litáurico e a entidade se manifesta, quando eu vou embora a entidade fica na clínica?

Cada caso é um caso. Há casos que a cobrança é tão forte e o atraso é tão grande que às vezes demora-se mais para se encaminhar as entidades envolvidas. As vezes há necessidade até de mais passes especiais, de Luigi, para soltar a energia etérica dos que estão amalgamados nela. Depende inclusive, muito da cabeça das pessoas envolvidas e como elas compreendem, colaboram e trabalham pela sua situação. Mas de maior volume são os casos de espíritos perdidos, e muitos que se acompanham aos vivos que ao chegar ao local são encaminhados e vão para outros planos, os planos de aprendizagem, da continuação, e não voltam mais, seguem o seu próprio caminho. Pois a diferencia parece pequena porém, quantos não fazem bom uso da sua própria vida e ao morrerem, ficam perdidos podendo-se dizer que apenas não seguirão aquilo que aprenderam antes ficando perdidos ainda por causa da imensa ignorância espiritual. Ninguém consegue alterar aquilo que é estabelecido pela lei do carma e da aceitação da vontade maior e ai muitos são recusados na evolução tendo que aprender aceitar a religião certa e seus conceito.



O que é a Litáurica?
É a religião sem templos, sem dízimos, sem pastores, sem sacerdotes, enfim a religião que devia nascer da obra de Jesus e João batista que viemos conhecer como Cristianismo, mas que só foi por poucos e pouco tempo do seu início para desaparecer depois em função do abuso que veio a ser cometido sobre este trabalho. A Litáurica é a Reforma espiritual prevista para dar início aos novos tempos, depois da correção do abuso, encomendado pela Espiritualidade Superior a Luigi, reencarnação de João Batista, precursor do Cristianismo, reencarnado para isso. Luigi fiz isso de onde começou a nascer a Litáurica que veio a ser oficializada em 1995 como religião única e universal. Trata-se da religião final, sem castas e sem igrejas. É a religião do lar, aonde o homem do bem ( ou chefe, ou condutor da família) assume como sacerdote no seu próprio lar ficando responsável pela sua condução moral, religiosa e cívica, já a partir de seu bom exemplo entre os seus. A Litáurica tem os seus Preceitos morais provados através da ciência, ou seja, onde a Ciência se abraça com a religião comprovando os seus fundamentos. Esta Reforma espiritual nasceu para combater todo o sistema de abusos que nasceram do abuso nascido sobre a religião na Itália.



O que e como é a oração dos mentores?
A oração dos mentores é uma oração que a pessoa faz em retiro em qualquer lugar que lhe seja calmo e tranqüilo. A oração dos mentores Litáurica põe a pessoa diretamente com os mentores Litáuricos, aonde na mediação de um espírito de luz, a pessoa lê o Evangelho Litáurico sendo instruída e intuída por eles. Aonde nisso mantém um contato íntimo com a espiritualidade mais evoluída que a ajuda para passar o ensino certo aos obsessores da aura assistindo-a tanto em suas provas como nos momentos mais felizes. É um contato espiritual que a pessoa obtém na reclusão de seu lar no qual é devidamente instruída pelos espíritos socorristas. Essa oração ajuda às pessoas a manterem um perfeito equilíbrio mental e espiritual quando a pessoa ainda não tenha passado determinados limites, aonde, ainda, podem ser encaminhados entidades perdidas que a estejam acompanhando, antes do desenvolvimento da mediunidade cármica. A oração é simples, basta acender um vela branca junto a um copo de água límpida pedindo à espiritualidade Litáurica que a ajude, a proteja e a assista. E ao momento certo, Deus permita, que se houverem entidades perdidas a acompanhando, que a espiritualidade as encaminhem. Depois de uma oração feita com o coração, a pessoa abre ao acaso o Evangelho Litáurico e o lê a meia voz. Lê-se a meia voz para que as entidade presentes escutem, pois o que "sair" no Evangelho serve tanto de mensagem para a pessoa como para as entidades presentes e aquelas da aura. Depois de lido, meditar algum tempo sobre a mensagem recebida e fazer de tudo para aplicá-la na vida.



O que mostra a fotografia da aura?
A fotografia da aura mostra como anda a situação espiritual áurica de quem a tira. Essa condição áurica mostra se existe alguma ou algumas entidades influenciando a vida da pessoa, existindo, normalmente são cobranças espirituais de outras vidas. Na terapêutica litáurica são ativadas e através do portador podem manifestar-se antes de serem encaminhadas e quando acontece, evidentemente provam a reencarnação, pois são sempre perseguições oriundas de outras vidas, que numas outras histórias, vem ao presente no direito da lei de Talião. Estas influências podem atuar na psique, nas relações afetivas, nos órgãos e em todo, no condicionamento mental da pessoa. Casos com acessos de perturbações, loucura, síndrome de pânico, epilepsia, problemas físicos de origem desconhecida, problemas de relacionamento, são bastante comuns e fáceis de se encontrar. Estes fatos são sempre mediúnicos, ou seja, provocados por entidades espirituais ou irradiaçõås que agem na aura e podem ser curados através da terapia espiritual litáurica, e no devido entendimento e, principalmente no assimilamento desta sua doutrina os resultados podem ser surpreendentes.



Onde posso encontrar o local de culto dos Litáuricos?
O local de culto Litáurico é o próprio lar, ou o próprio ambiente de vivência das pessoas. Não há um local específico. Como Jesus outrora tentou fazer, de tirar as pessoas dos templos aonde eram manipuladas e levá-las ao verdadeiro templo do Criador, que é o mundo inteiro. Cita-se, por respeito, que esta foi a derradeira causa da crucificação de Jesus. Aonde o homem puder respirar à vida, este é o local de culto. Mas como todas as instituições, os Litáuricos se encontram entre si. Em palestras e reuniões promovidas em suas casas e nas regiões onde se desenvolve. Já há reuniões de pequenos grupos em várias localidades no Brasil e no exterior. Costumam se encontrar também, onde tudo começou, em São José dos Campos, e na clínica de tratamento Litáurica, aonde os que já estão bem, ajudam da maneira que podem àqueles que, lá estão passando pelos seus tratamentos. Mas cita-se por obrigação, os litáuricos que vão para ajudar ou porque sentem necessidade, pois a Litáurica está na vida e não em algum lugar específico, pois não há castas, sem templos e sem dízimos...



Onde posso encontrar os livros ou outras informações sobre a Litáurica?
Através deste site www.litaurica.com , podem ser encomendados os livros Litáuricos mediante às condições estabelecidas. O interessado pode pedir informações e esclarecimentos através deste mesmo site. Veja como em Para saber mais...



Onde posso tirar uma fotografia da aura? Custa caro? E o tratamento é caro?
A fotografia da aura, por enquanto, só pode ser tirada na banca da Litáurica. Mas têm-se planos de distribuí-la para todo os interessados de trabalharem por suas evoluções espirituais. Indica-se para centros espíritas, entretanto não pode ser tirada no centro. O preço cobrado na banca da Litáurica, atualmente, é de dez reais. O tratamento é gratuito. Pois não se pode cobrar por um tratamento destes, é um todo envolvido, desde a espiritualidade e a pessoa que recebe as pessoas que vão lá, até quem distribui água fluidificada para os presentes, todos fazem pela sua própria evolução espiritual e, principalmente, porque se sentem bem no que fazem. Tudo é feito como Jesus outrora tratava seus doentes e como combinou outrora com João, "escondendo e curando as chagas espirituais dos olhos alheios assim como se faz com as chagas da carne".



Quais são as conseqüências do abuso?
É só ligar a televisão para confirmar, depois de 2000 anos da vinda do Messias a sua Palavra ainda não vingou e a suas conseqüências estão aí, desentendimentos nas crenças e divindades fantasmas. O próprio Jesus elevado a divindade, como um malfeitor diante a Deus, junto ao "homem sentado na casa de Deus, como Deus, diante a ao verdadeiro Deus". (Tessalonicense 2 v. 2 e 3) Impera a idolatria e contrariando já a Primeiro Mandamento que nunca foi revogado, faz-se culto soberano às imagens, fazem-se romarias, adoram-se relicários e multidões adoram o bezerro de ouro, a boa vida. A exploração e o suborno e a lei dos oportunistas tem aprovação da igreja e suas derivações, em troca da participação nos seus lucros absolvem-se os pecados. Guerras, fome, miséria, são os seus resultados cármicos. E ainda o planeta está dividido como fossem partes de outros mundos, quando são parte da mesma bola que roda no espaço, onde o homem deve viver para evoluir-se e tornar-se espírito para servir ao seu Criador que o criou para isso. A reencarnação foi declarada herética e não foram observadas as suas regras morais, daí é que bilhões de pessoas perderam as oportunidades e ao desencarnar ficaram perdidos vindo a povoar as dimensões das auras como a Litáurica veio a comprovar.



Qual a diferença entre o Kardecismo e a Litáurica?
A Litáurica é continuação do que se chama de Kardecismo atualmente. Infelizmente, o Kardecismo atual está muito influenciado pela Igreja. Tratam Jesus como Deus, misturam santa trindade e pretos velhos. O Kardecismo não nasceu para combater a Igreja, pois não podia abertamente, pois se não era assim, não chegaria até os dias de hoje, pois naquele tempo a Igreja ainda era bastante poderosa para queimar livros. Infelizmente, o contexto todo ainda não foi compreendido e os espíritas de hoje, ainda não reconheceram o verdadeiro valor da fotografia da aura Litáurica. Esta prova as influências mediúnicas cármicas, as que a maioria dos donos de centros e "grandes médiuns" estão sujeitos. Isto prova que a grande maioria de seus trabalhos são influenciados por espíritos que ainda não deixaram o plano terrestre, ou seja, o plano das auras dos espíritos ainda pouco evoluídos. E todos podem concordar que qualquer um que queira escrever coisas bonitas pode escrever, não vemos constantemente o abuso que certos pastores fazem com seus crentes dizendo palavras bonitas e etc. ? No livro "Obras póstumas" de Kardec, ele próprio pergunta à espiritualidade quem seria seu sucessor... e obteve a resposta... E hoje se pode concluir que se todos os espíritas praticarem os preceitos Litáuricos e vivem dignamente, já são Litáuricos, e não importa o nome e sim a verdade aplicada em nossa vida. Kardec ensinava que o Espiritismo sempre evoluiria, a Litáurica têm inovações no campo espiritual, e basta apenas os espíritas acordarem e analisarem os seus conceitos sem preconceito...



Que é esse abuso cometido sobre a religião?
O abuso principal sobre a religião foi cometido na Itália, pelo imperador romano Constantino e levado adiante depois pelo sacerdote oportunista que via nesta continuação a oportunidade de ganhar a vida facilmente, simplesmente explorando a boa fé alheia. Quando Jesus esteve na Terra, veio a ser elevado a Cristo pelo seu Precursor João Batista, e um Cristo na Terra revoga todas as religiões existentes. Valia somente a religião nascida pela Palavra do Messias que não foi aceita em muitos lugares, inclusive na terra onde nasceu, mas começou a crescer em Roma onde sofreu vária perseguições a partir de seu começo até o ano 312, quando Constantino aproveitando-se de uma sua esperteza veio se apoderar da boa fé destes cristãos, aboliu a perseguição. Constantino mudou os conceitos e abolindo algum preceitos do cristianismo deu início aos seus evangelhos, escrevendo e inventando algum parte, pois Roma precisava de uma religião forte para conter a sua corrupção e as dificuldades de conservar a ordem no vasto império e a aquela do carpinteiro que ensinava a oferecer o outro lado da face não lhe servia, mas foi uma presa fácil. Constantino usurpou assim a boa fé e se apoderou do Cristianismo e moldou-o pelos seus interesses. E a partir daí, os abusos sobre a religião veio extenso e continua até hoje.



Quem é esse Luigi?
Luigi, é a encarnação de um mito, o monge que escreveu os Vedantas, Vyãsadeva, sucessivamente o profeta bíblico Isaías, e ainda seis séculos depois, João, o Batista, o precursor do Cristianismo. Jesus, que conhecia o seu ministério, uma vez disse que no final dos tempos João voltaria para separar o joio do trigo. E é o que acontece no Julgamento. A ele foi encomendada uma reforma espiritual pela espiritualidade superior, e partir de então, dedicou muito de seu tempo procurando fatos, livros, ciência, centros espiritas, espiritualistas, etc. Depois de muitas andanças chegou a estes fatos que jazem aqui neste site, tudo pesquisado e comprovando. As fontes não foram apenas de um livro, ou de uma seção mediúnica, mas de muita experiência com espiritualismo, mediunismo, fotografia da aura, além de pesquisas feitas junto a hospitais psiquiátricos, aonde curou pessoas que estavam há anos internadas nestes manicômios. Sua história pode ser encontrada com detalhes nos livros Litáuricos, aonde existem muitos fatos e provas. Sua força para liderar esta reforma é evidente, pois nenhuma pessoa normal agüenta a tanta pressão contrária, tanto material como espiritual.



Sendo eu uma boa pessoa, como posso ter cobradores em minha aura?
A maioria das pessoas se consideram boas, que não fazem mal a ninguém e não têm porquê serem cobradas e nem perseguidas pelas entidades que se apresentam em sua aura. É um fato. Isto acontece porque não conhecemos o nosso passado onde podemos ter sido nem sempre bons como somos hoje. É só olhar para trás na história da humanidade e vermos quantas injustiças foram feitas. Aonde estávamos? Teremos sido boas pessoas ao longo de todo o decorrer de nossas histórias? Um dia fomos crianças e agimos como tal. Um dia fomos espíritos mais rústicos e também agimos como tal. Hoje a cobrança nos é fadada, como uma prova e uma expiação. Devemos encarar, pois de nada vale o perdão do padre, temos de acertar com quem nós devidamente ofendemos. Mas nem sempre as entidades que nos afetam são inimigas e/ou cobradores. Algumas vezes são parentes muito queridos nossos que por uma carência na educação espiritual não conseguiram sair do plano terrestre e ficaram perdidos, vindo se apegar aos entes queridos, cobram o carinho que nos deram e procuram a nossa atenção. Mas estes, por sua própria ignorância espiritual, acabam por atrapalhar a vida de seus parentes. E alguns que morreram doentes podem passar pela sua influência as mesmas doenças às pessoas, só que desaparecem automaticamente com o seu encaminhamento espiritual. Ocorre os inúmeros fenômenos, um deles, o mais comum, o do vampirismo. As influências existem e estão na fotografia, e qualquer pessoa influenciada pode sentir um certo alívio após o tratamento. A sensação é a de : "Estou me sentindo mais Eu.".



Vocês acreditam em reencarnação?
A reencarnação é um fato comprovado através da ciência, tanto pela fotografia da aura que pela regressão à vidas passadas, amplamente discutida no meio médico. Fazia parte dos ensinamento de Jesus, até que foi retirada da sua doutrina e do judaísmo por interesses venais.
 

fonte:http://www.litaurica.com.br/htm/areasoci.htm

<Voltar ao índice interno < voltar a página Principal >

 

117.42 - UNIVERSO EM DESENCANTO

Universo em Desencanto é uma obra de 1000 livros [1] com fundamentos centrados nos conhecimentos da chamada Cultura Racional, enviadas por uma entidade denominada Racional Superior, habitante do chamado Mundo Racional. Esses ensinamentos teriam sido ditados através de seu aparelho, o Sr. Manoel Jacintho Coelho. Segundo o livro, trata-se de um conhecimento de retorno da humanidade ao seu "verdadeiro mundo de origem", o Mundo Racional, por meio da uma Energia Racional, que faria a ligação do ser humano ao Mundo Racional.[2]

História

A Cultura Racional foi fundada por Manoel Jacintho Coelho, considerado pela Cultura Racional como o Racional Superior da Terra, na cidade do Rio de Janeiro, em 04/10/1935, no bairro do Méier, no centro espírita Tenda Espírita Francisco de Assis. Embora fundada naquele ano, somente passou a ser mais divulgada a partir de 1970. Segundo o livro, o fundador recebeu uma ordem de fechar o centro espírita a partir de 04/10/1935 porque havia chegado ao mundo uma nova era, chamada Fase Racional.

Segundo os estudiosos da seita, seu objetivo é o conhecimento da origem do ser humano, de onde ele veio, como veio e porque veio, bem como o retorno a sua origem, mostrando como o homem voltará ao seu estado natural de ser Racional puro, limpo e perfeito. Tudo isto através de mensagens que teriam sido enviadas por um ser extraterreno denominado Racional Superior, o Verdadeiro Deus, a Vida Superior a todas as vidas, o Raciocínio superior a todos os raciocínios, Racional Superior o Habitante Máximo do Mundo Racional.

Conteúdo

Os livros Universo em Desencanto se compõem de uma soma de mil [3] volumes estruturados da seguinte forma:

Os 3 livros da Obra Inicial

São três livros de capa dura amarela com os nomes de "Manoel Jacintho Coelho, Racional Superior e Amarelinho (com 336, 352 e 152 páginas respectivamente), escritos entre os anos de 1935 e 1938. Ali são expostos de forma resumida todos os conhecimentos da obra Universo em Desencanto de Cultura Racional.

Os 21 livros da Obra Básica

Com a média de 300 páginas em cada livro, a obra traz a descrição, nos termos da seita, da formação do Universo, da Terra, da Vida, a evolução do mundo e seus componentes ao longo do tempo e o destino final de todos os seres existentes. Esses livros também discorrem sobre os mais diversos temas como: o relacionamento entre os seres humanos, as sociedades e a natureza, filosofias, religiões, comportamentos, idéias, conceitos, processos mentais como pensamento, imaginação e raciocínio, além de trazer uma nova explicação sobre discos voadores e extraterrestres.

Os 21 livros da Réplica

São livros com cerca de 150 páginas que respondem a possíveis dúvidas que possam surgir após a leitura dos livros anteriores.

Os 21 livros da Tréplica

Assim como na Réplica, o seu objetivo é sanar dúvidas, já que, segundo seu autor, "por ser um assunto totalmente desconhecido de todos é preciso e muito necessário uma infinidade de repetições e comparações, para todos terem um brilhante, positivo e consciente conhecimento (...)" [4]. Também possuem cerca de 150 páginas cada livro.

Os 934 livros do Histórico ou Fascículos

Com livros que variam de 10 a 150 páginas (os fascículos com menos páginas são a maior parte dessa seleção), o Histórico é a complementação da Cultura Racional, em que novos assuntos e definições são tratados e estudados. [1]

Referências

  1. COELHO, Manoel Jacintho. Universo em Desencanto: Imunização Racional, 934º Vol. do Histórico 1º ed. Ed. Gráfica Racional, Belford Roxo, RJ, s.d. Pp. 7.

  2. COELHO, Manoel Jacintho. Universo em Desencanto: Imunização Racional, 1º Vol. da Réplica 1º ed. Ed. Gráfica Racional, Belford Roxo, RJ, s.d. Pp. 3.

  3. Neumann, Ricardo. A Cultura Racional e o campo religioso brasileiro contemporâneo . 26a Reunião da SBPH. Rio de Janeiro, 2006. Disponível na Internet em sbph.org/reuniao/26/trabalhos/Ricardo_Neumann/ Acesso em 25 de Maio de 2008

  4. COELHO, Manoel Jacintho. Universo em Desencanto: Imunização Racional, 1º Vol. Réplica 1º ed. Ed. Gráfica Racional, Belford Roxo, RJ, s.d. Pp. 80.

 Fonte:

 Wikipédia

 

 

<Voltar ao índice interno < voltar a página Principal >

 

117.43 - CATARISMO

O catarismo (do grego καϑαρός katharós, "puro") foi um movimento cristão, considerado herético pela Igreja Católica que manifestou-se no sul da França e no norte da Itália do final do século XI até meados do séculos XIV. Suas ideias tem fortes paralelos com o gnosticismo do início da era cristã. Os historiadores indicam sua formação a partir da expansão das crenças dos bogomilos (Reino dos Búlgaros) e dos paulicianos (Oriente Médio).

Os cátaros eram maniqueístas e gnósticos, pois afirmavam a existência de dois princípios opostos: o do Bem e o do Mal. Portanto, eles atribuíam entidade ao Mal. Consideravam que o mal tinha existência ontológica. E isto é o que os tornava maniqueus. Apesar disso, afirmavam ser os verdadeiros e bons cristãos. Dai serem seita cristã e maniquéia. Mais do que isso, eram maniqueistas porque traziam em sua doutrina aspectos da mensagem sincrética do iniciado persa Mani, que tinha espalhado pelo mundo antigo, sua doutrina gnóstica.

Para eles, a matéria teria sido criada pelo deus do mal, para aprisionar nela o espírito do Deus bom. Portanto, todo o universo material seria maligno, e o Criador do Mundo -- Deus adorado pelos Católicos -- seria o Deus do Mal. Um deus menor encarregado da criação do mundo, conhecido universalmente como Demiurgo, seria então sob esta ótica, o deus da matéria ou do mundo da matéria, o Deus supremo seria o principio de todas as coisas, a fonte do mundo divino.

Em consequência, eles condenavam a maternidade, pois que a mater, a mãe, produziria mais matéria. Por isso diziam que toda mulher grávida estava ``possessa´´. A mulher, enquanto geradora de matéria, seria fonte do mal, entenda-se mal aqui, como a impossibilidade do ser humano de gerar seres perfeitamente espiritualizados, todo ser que nasce neste mundo, nasce por que é imperfeito e possui Karma, o nascimento poderia ser visto como uma possibilidade de resgate. O casamento e a procriação eram tidos como obras do deus do Mal, contudo ao mesmo tempo uma benção pois, evitava uma degeneração maior dos seres humanos, segundo a lei bíblica: é melhor casar do que abrasar.

Os sacerdotes cátaros, que denominavam-se "bons cristãos" ou "bons homens" e "boas mulheres", aparentemente levavam vidas simples e castas. Desprovidos de quaisquer posses materiais, buscavam afastar-se ao máximo do mundo, que consideravam corrupto, pois consideravam toda matéria corrupta. Eram considerados bons homens a partir do momento em que recebiam o consolamentum, um rito que representava de maneira simbólica sua morte com relação ao mundo. Os crentes (croyants) eram simpatizantes da doutrina cátara e somente recebiam o consolamentum nos momentos que antecediam sua morte. Os altos sacerdotes cátaros eram denominados perfeitos. Eles caminhavam entre o povo, sempre dois a dois, pregando o Amor universal e também auxiliando a população em suas necessidades. Devido à inúmeras discrepâncias entre o pensamento cátaro a e doutrina da Igreja Católica, entre eles o pensamento maniqueísta, o catarismo foi visto, pela Igreja Católica, como uma perigosa heresia. A perseguição iniciou-se por uma tentativa fracassada de reconversão da população local. Posteriormente, foram instalados tribunais de inquisição. Nessa época, a convivência local entre católicos e cátaros era boa: existem poucos relatos históricos de conflitos e há até mesmo diversos relatos de acobertamento de cátaros por católicos. Como todas as tentativas anteriores haviam falhado, a igreja católica implementou a conhecida cruzada contra os albigenses (referência aos cátaros habitantes da cidade de Albi e, por extensão, a todos os cátaros do sul da França). Essa foi a primeira cruzada a combater pessoas que se autodenominavam cristãs. A cruzada foi finda pela Rainha~Regente Branca de Castela, mãe de São Luis Rei da França, que pertenciam à dinastia capetiana, extremamente católicas. Essa violenta cruzada marcou o fim do movimento cátaro.

Ensinamentos do Catarismo

A doutrina cátara preconizava:

1) Um dualismo gnóstico, no qual o verdadeiro Deus distingue-se absolutamente do criador do mundo físico.

2) Neste mundo de corrupção e trevas, as centelhas de luz pertencentes ao verdadeiro reino divino estão perdidas, exiladas neste mundo, e precisam ser resgatadas.

3) Os sacerdotes deviam afastar-se completamente da corrupção do mundo para levarem vidas muito simples e castas. Deviam abster-se da alimentação carnívora, de atividades sexuais, evitar qualquer forma de violência e não podem possuir nenhum bem material.

Cosmologia

Para os cátaros, todas as criaturas e o mundo criado estão imersos em uma guerra eterna entre dois princípios irreconciliáveis: a luz – ou seja, o Espírito – e a escuridão, ou matéria. O verdadeiro Deus é visto como o criador do reino divino. Já nosso mundo material, repleto de miséria e corrupção, não pode ser uma criação do verdadeiro Deus. Portanto, só pode ter sido criado por um Deus mundano, que em certas ocasiões se associa com Satã. Ao mesmo tempo, os cátaros acreditam que há partículas do reino de Deus - centelhas divinas adormecidas no ser humano - perdidas neste mundo, e que elas precisam ser despertadas e resgatadas.

Salvação

É com o intuito de resgatar as centelhas divinas aprisionadas no mundo e nos homens que se organiza na terra a verdadeira igreja de Cristo, a igreja cátara. Para isso, os cátaros precisam afastar-se, tanto quanto possível, deste mundo e de seus atributos - No mundo moderno este aspecto do ideal Cátaro é conseguido de forma interior, um afastamento interior das paixões e aprisionamentos da vida terrena e passageira, sem contudo descuidar dos compromissos sociais e familiares. Por isso o Catarismo ainda é possível em nossos dias. - forçando-se para se contaminar o mínimo possível com eles. Enquanto isso, a vontade de Deus se cumpre. Com o rito do consolamentum, o cátaro é desligado do mundo e se liberta de sua influência nefasta. A partir de então, ele está livre para seguir o caminho das estrelas, o caminho de retorno ao reino divino.

Os Cátaros e o Santo Graal

Há uma famosa lenda que afirma que o Santo Graal (supostamente, o cálice onde Jesus teria bebido vinho na Santa ceia) teria sido possuído pelos cátaros. Durante o cerco a Montségur, o castelo que era considerado o foco central do catarismo, alguns cátaros teriam fugido durante a noite, descendo furtivamente a montanha onde o castelo estava encravado, levando consigo o precioso cálice, para escondê-lo em um lugar seguro, onde ele residiria até os dias de hoje.

Visão da Igreja Católica

A Igreja Católica considera o catarismo um movimento herético, dualista, com fortes influências maniqueístas.

Visão Histórica

Recentemente, os historiadores, através da descoberta de textos originais Cátaros tem modificado profundamente a visão científica sobre o movimento. Anteriormente, somente a palavra dos opositores dava testemunho sobre ele. Espera-se que em breve esta nova literatura torne-se disponível em língua portuguesa.

A cruzada Cátara

A resistência às sucessivas tentativas de reconversão da população local provocou a organização da Cruzada albigense. Iniciada em 1209, a cruzada durou cerca de 35 anos. Foi comandada por Simon de Montfort sob ordem do Papa Inocêncio III. Seus enviados estampavam uma cruz em suas túnicas e tinham como meta a absolvição de todos os pecados, a remissão dos castigos, um lugar a salvo no céu e, como recompensa material, o produto de todos os saques.

A primeira cidade tomada foi Beziers, e o massacre foi quase que total. O abade de Citeaux, representante papal, ao ser questionado sobre como seriam reconhecidos os cátaros e os católicos, ele havia respondido: " Matem a todos... Deus se encarregará dos seus..."

Luís VIII de França também participou da Cruzada. Iniciada com a invasão de Beziers (1209), ela só teve fim após diversas batalhas (onde se destacam a de Muret, em 1213, e a de Toulouse, em 1218) logo após o Tratado de Meaux (1229), já sob o reinado de Branca de Castela. Na verdade, porém, Montségur permaneceu até 1244 como um dos últimos pontos de resistência. O último reduto cátaro, a cidade de Quéribus, foi tomada em 1256. A morte do “último cátaro” aconteceu bem mais tarde, em 1321, perseguido pela Inquisição liderada por Jacques Fournier em Pamiers. Mais tarde, Jacques Fournier foi instalado como papa Bento XII e procedeu à construção do Palácio de Avignon, onde se estabeleceu o papado.

Bibliografia

  • O'SHEA, Stephen. A Heresia Perfeita. Editora Record. 2003.

  • LUCIENNE, Julien. Cátaros e Catarismo. 1990. (no original, "Cathares et Catharisme").

  • GADAL, Antonin. No Caminho do Santo Graal. Editora Rosacruz, 2004

  • MACEDO, José Rivair. Heresia, Cruzada e Inquisição na França medieval. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000.

  • BARROS, Maria Nazareth Alvim de. "Deus reconhecerá os seus - a história secreta dos cátaros". Editora Rocco. 2007. 254 p.

  • LADURIE, Emmanuel Le Roy. "Montaillou: cátaros e católicos numa aldeia francesa – 1294-1324. " Lisboa: Edições 70. 2008.

  • LIMA, Linda Joene Carvalho Granjense. "LAÇOS DE SANGUE, LAÇOS DE FÉ, RELAÇÕES FAMILIARES E SOLIDARIEDADE NO CATARISMO DO SÉCULO XIII" Dissertação (Mestrado). Universidade de Brasília. 1998.

  • COUTO, Sérgio Pereira. "A VERDADE SOBRE O CODIGO DA VINCI" São Paulo- Universo dos livros. 2006

 FONTE: WIKIPÉDIA

 

<Voltar ao índice interno < voltar a página Principal >

 

117.44 - URÂNTIA

Urântia é o nome dado, comumente, ao movimento espiritual que tem como base principal O Livro de Urantia.

De acordo com o próprio livro, Urântia é simplesmente o nome desse planeta, que chamamos de Terra, e assim foi registrado nos arquivos do universo.

O livro se intitula uma revelação ao mundo; terá sido entregue a um grupo de pessoas em Chicago, entre os anos de 1928 e 1934. Os autores se apresentam como sendo seres celestiais vindos de diversos pontos do universo a fim de compilar informações sobre Deus, o Grande Universo, a História da Terra e do Homem e da vida de Jesus.

O Livro de Urântia, foi publicado pela primeira vez pela Fundação Urântia em 1955, e desde então vem sendo traduzido para vários idiomas, e pode ser lido em inglês, espanhol, francês, holandês, finlandês, russo, coreano, alemão, italiano, lituano e português. O texto se encontra à disposição do leitor na página oficial da Fundação.

A mensagem do livro é a de que todos os seres humanos são uma só família, filhos e filhas de um único Deus, o Pai Universal. Ele versa sobre a gênese, história e destino da humanidade e seu relacionamento com Deus. Também apresenta um detalhado e único retrato da vida e ensinamentos de Jesus, abrindo novas visões sobre o tempo e a eternidade, revelando novos conceitos da jornada de aventuras do homem até o encontro com o Pai Universal em nosso amigável e cuidadosamente administrado universo.

O Livro de Urântia é uma obra literária, composta por 197 documentos escritos originalmente em Inglês, traduzido recentemente para mais idiomas e que serve como base ideológica de alguns movimentos religiosos e filosóficos.

Nas suas páginas, o livro refere ter sido compilado por um corpo de seres supra-humanos das mais diversas ordens, o texto fornece uma surpreendente perspectiva das origens, história e destino humanos, constituindo para os seus leitores assiduos uma nova revelação para a humanidade.

A identidade dos autores materiais do livro é desconhecida e nunca foi reclamada, existindo por este motivo muitas teorias a respeito da sua edição e autenticidade. O próprio livro refere que é assim para que nenhum humano possa ser proclamado "profeta" ou admirado de alguma forma por tal obra literária.

Embora seja uma fonte de inspiração e conhecimento para muitos líderes religiosos e instituições estabelecidas, religiosas ou não, não surgiu, até hoje, religião formal de seus ensinamentos. Grupos de estudo, fundações, sociedades, continuam surgindo, pois o livro é uma inspiração a debates para todos aqueles que tomam conhecimento de seu conteúdo. O próprio livro aconselha à não formação de uma religião instituida, referindo que esta deve ser pessoal.

Estrutura do livro

O livro Urantia possui 2097 páginas e divide-se em 4 partes, a saber:

  • Prólogo - apresenta-se como guia para as palavras e conceitos religiosos e filosóficos presentes ao longo da obra.

  • Parte I - O Universo Central e os Superuniversos

  • Parte II - O Universo Local

  • Parte III - A História de Urântia

  • Parte IV - A Vida e os Ensinamentos de Jesus

Parte I

São 31 capítulos que descrevem a natureza da realidade Suprema e a organização astronômica-cosmológica do universo. A Trindade do Paraíso junto com a Ilha do Paraíso - o centro material e gravitacional do universo - descrita como fonte de toda energia, matéria, vida e personalidade. Um universo de hierarquia organizada, evoluindo como um processo relativo à Trindade do Paraíso. O conjunto da criação é descrito como incluindo milhões de planetas habitados em todas as etapas de evolução biológica, intelectual, social e espiritual.

Parte II

São 25 capítulos que comentam a respeito do nosso Universo Local. Fala da história da matéria, da energia, constelações, dos Espíritos Ministrantes do universo local, das Hostes Seráficas, da rebelião de Lúcifer, dos problemas da rebelião, das esferas de Luz e de Vida e do crescimento do homem alcançado através de sua lealdade a Deus e do serviço abnegado aos nossos semelhantes. O plano divino para a criação, o desenvolvimento e o governo dos universos locais.

Parte III

Trata da História de Urântia, o planeta terra, que há 1 bilhão de anos atingiu o seu tamanho atual em um universo local chamado Nebadon. São 63 capítulos que compreendem a história do desenvolvimento geológico, do estabelecimento da vida, estabelecendo o palco para a história do homem, das civilizações, governos e instituições. Nessa parte é também discutido o conceito de Trindade. O desenvolvimento da civilização, da cultura, do governo, da religião, da família e de outras instituições sociais é descrito a partir do ponto de vista dos observadores supra-humanos. A história é contada de tal maneira que os arquétipos subjacentes à civilização religiosa humana ganham nova vida, fortalecendo as fundações sobre as quais um maior desenvolvimento cultural pode ocorrer. Uma descrição do destino humano, incluindo uma descrição dos mundos que habitaremos imediatamente após a morte.

Parte IV

Os 77 capítulos, mais de 700 páginas, que ocupam um terço do livro, relatam a vida de Jesus Cristo desde sua infância. Dão 16 vezes mais informações sobre a vida e os ensinamentos de Jesus do que a Bíblia. É o relato mais espiritual sobre Jesus até hoje escrito. Os três primeiros capítulos dão uma introdução, com profundidade literária, e o clímax do livro Urantia é atingido nessa última parte com preceitos, da vida e dos exemplos do Mestre. Esta parte do livro é vista como uma nova Revelação, uma nova face descrita de maneira tocante, de um Deus feito Homem, que em um exemplo de Amor, Fé e Caridade, sem dogmas, mostra à humanidade o caminho da evolução individual, o caminho até Deus.

A fonte

O Livro de Urântia é composto por 197 documentos, que se diz terem sido entregues entre 1928 e 1934 a um grupo de 70 pessoas, em Chicago, Illinois. Os autores que escreveram esses documentos tem seus nomes indicados no livro, junto com seus respectivos escritos. Os seres humanos aos quais os escritos foram supostamente entregues em mãos já faleceram e o modo pelo qual os escritos foram escritos ainda não foi plenamente explicado, pelos adeptos da doutrina, e dificilmente o será.

Descrição das revelações

Há uma explicação dentro de suas próprias páginas sobre sua origem e de como foi entregue aos seres humanos esses documentos, que constituem a Quinta Revelação de Urantia. Diz-se que foram autorizados por autoridades da alta Deidade e escritos por numerosas personalidades supra-mortais. É chamada de "A Quinta Revelação de Época", pois houve outras quatro grandes revelações no planeta. São Elas:

  • Dalamátia - O livro descreve com pormenor a chegada e o estabelecimento de um Príncipe Planetário em Urantia. Nesta altura fundou-se a cidade-modelo - Dalamátia - e suas escolas começaram a revelar ao mundo a verdade sobre o Pai Universal - Um Deus Único. Foi a primeira revelação organizada da verdade, há cerca de 500 mil anos atrás.

  • Adão e Eva - Adão e Eva chegaram ao nosso mundo há quase 38 mil anos, e se estabeleceram no Jardim do Éden. Os ensinamentos de Adão Eva constituem a segunda revelação do Pai Universal às raças humanas.

  • Melquisedeque - Maquiventa, um Filho da Ordem dos Melquisedeques, geralmente conhecidos como filhos emergenciais, que aceitou a missão de vir a esse mundo, pois a verdade outrora revelada estava ameaçada de extinção. Maquiventa auto-outorgou-se nesse mundo no ano de 1973 a.C. durante o tempo de Abraão, onde era chamado de Melquisedeque o sábio de Salém. Ele fez renascer na mente humana o conceito de Deus-Pai Único, Criador e Sustentador de todas as coisas.

  • Jesus de Nazaré - O Filho Criador do nosso universo local, nasceu em Belém no ano 7 a.C.. Viveu como um modelo para todos nós, dando o exemplo de vida, até chegar a sua hora de revelar ao mundo a grande verdade de que todos somos filhos de um único Pai, sem distinção de raça, cor, credo ou condição físico-social. Essa foi a quarta revelação da verdade em nosso mundo.

Bibliografia

  • O Livro de Urântia. Fundação Urântia, 2002

  • Elstrott, Kelly: La quinta revelación, la síntesis del libro de Urantia. Ed. Obelisco, Barcelona, 2001

  • Gardner, Martin: Urantia, revelación divina o negocio editorial. Ed. Susaeta, Madrid, 1997

Fonte: Wikipedia

 <Voltar ao índice interno < voltar a página Principal >

 

117.45 - NEO-TEOSOFIA

Dentro dos princípios do "Grande Evangelho de João" surge no Brasil, a Neo-teosofia, sendo as Obras traduzidas por Yolanda H. Linau e revisadas por Paulo G. Juergensen (in memorian).

Em Goiânia, divulgamos as Obras da Nova Revelação em reuniões realizadas às quartas-feiras e aos sábados, com o objetivo único de levar às almas o verdadeiro conhecimento Daquele que um dia disse aos Discípulos: "Há quanto tempo Estou convosco e não Me reconheceis? - Eu e o Pai não somos Duas Forças, Duas Potências, mas Uma única Força e Potência desde sempre."

Sem ligação com a teosofia clássica, as Obras da Nova Revelação são o estudo de Deus, não através do pensamento racional, do homem, mas através do Próprio Deus! Portanto, é de Jesus para cá. Deus não é mais oculto, revelou-se em Jesus, na totalidade de Seu Ser, como foi, é e será! Não veio Ele apenas nos mostrar o Pai, trouxe-O Consigo!

Fonte: www.neoteosofia.com.br

117.46 -

 

117.47 -

 
 
 
 
   
   
   

Indice - compilado por Beraldo Figueiredo

Página Principal