Indice - compilado por Beraldo Figueiredo

Página Principal

108.2.6.4.1 - ASSEMBLÉIA DE DEUS

A Assembleia de Deus é uma denominação evangélica, sendo a maior do Brasil no ramo pentecostal e uma das maiores no mundo.

Brasil

História

A Assembleia de Deus chegou ao Brasil por intermédio dos missionários suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg, que aportaram em Belém, capital do Estado do Pará, em 19 de novembro de 1910, vindos dos Estados Unidos. A princípio, frequentaram a Igreja Batista, denominação a que ambos pertenciam nos Estados Unidos. Eles traziam a doutrina do batismo no Espírito Santo, com a glossolalia — o falar em línguas espirituais (estranhas) — como a evidência inicial da manifestação para os adeptos do movimento. A manifestação do fenômeno já vinha ocorrendo em várias reuniões de oração nos Estados Unidos (e também de forma isolada em outros países), principalmente naquelas que eram conduzidas por Charles Fox Parham, mas teve seu apogeu inicial através de um de seus principais discípulos, um pastor leigo negro, chamado William Joseph Seymour, na rua Azusa, Los Angeles, em 1906.

 

A nova doutrina trouxe muita divergência. Enquanto um grupo aderiu, outro rejeitou. Assim, em duas assembleias distintas, conforme relatam as atas das sessões, os adeptos do pentecostalismo foram desligados e, em 18 de junho de 1911, juntamente com os missionários estrangeiros, fundaram uma nova igreja e adotaram o nome de Missão de Fé Apostólica, que já era empregado pelo movimento de Los Angeles, mas sem qualquer vínculo administrativo com William Joseph Seymour. A partir de então, passaram a reunir-se na casa de Celina de Albuquerque. Mais tarde, em 18 de janeiro de 1918 a nova igreja, por sugestão de Gunnar Vingren, passou a chamar-se Assembleia de Deus, em virtude da fundação das Assembleias de Deus nos Estados Unidos, em 1914, em Hot Springs, Arkansas, mas, outra vez, sem qualquer ligação institucional entre ambas as igrejas.

 

A Assembleia de Deus no Brasil expandiu-se pelo estado do Pará, alcançaram o Amazonas, propagou-se para o Nordeste, principalmente entre as camadas mais pobres da população. Chegaram ao Sudeste pelos idos de 1922, através de famílias de retirantes do Pará, que se portavam como instrumentos voluntários para estabelecer a nova denominação aonde quer que chegassem. Nesse ano, a igreja teve início no Rio de Janeiro, no bairro de São Cristóvão, e ganhou impulso com a transferência de Gunnar Vingren, de Belém, em 1924, para a então capital da República. Um fato que marcou a igreja naquele período foi a conversão de Paulo Leivas Macalão, filho de um general, através de um folheto evangelístico. Foi ele o precursor do assim conhecido Ministério de Madureira, como veremos adiante.

 

A influência sueca teve forte peso na formação assembleiana brasileira, em razão da nacionalidade de seus fundadores, e graças à igreja pentecostal escandinava, principalmente a Igreja Filadélfia de Estocolmo, que, além de ter assumido nos anos seguintes o sustento de Gunnar Vingren e Daniel Berg, enviou outros missionários para dar suporte aos novos membros em seu papel de fazer crescer a nova Igreja. Desde 1930, quando se realizou um concílio da igreja na cidade de Natal, a Assembleia de Deus no Brasil passou a ter autonomia interna, sendo administradas exclusivamente pelos pastores residentes no Brasil, sem contudo perder os vínculos fraternais com a igreja na Suécia. A partir de 1936 a igreja passou a ter maior colaboração das Assembleias de Deus dos Estados Unidos através dos missionários enviados ao país, os quais se envolveram de forma mais direta com a estruturação teológica da denominação.

 

Organização denominacional

As Assembleias de Deus brasileiras estão organizadas em forma de árvore, na qual cada Ministério é constituído pela igreja-sede com suas respectivas filiadas, congregações e pontos de pregação (subcongregações). O sistema de administração é um misto entre o sistema episcopal e o sistema congregacional, por meio do qual os assuntos são previamente tratados pelo ministério, com forte influência da liderança pastoral, e depois são levados às assembleias para serem referendados apenas. Os pastores das Assembleias de Deus podem estar ligados ou não às convenções estaduais, e estas se vinculam a uma convenção de âmbito nacional. Particularmente na América do Sul, hoje existem muitas Assembleias de Deus autônomas e independentes.

 

Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil

A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) possui sede no Rio de Janeiro, esta se considera o tronco da denominação por ser a entidade que desde o princípio deu corpo organizacional à igreja. A CGADB hoje conta com cerca de 3,5 milhões de membros em todo o Brasil (dados do Iser) e centenas de missionários espalhados pelo mundo.

 

A CGADB é proprietária da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), com sede no Rio de Janeiro, que atende parcela significativa da comunidade evangélica brasileira. À CGADB também pertence a Faculdade Evangélica de Tecnologia, Ciências e Biotecnologia (Faecad), sediada no mesmo Estado, e que oferece os seguintes curso em nível superior: Administração, Comércio Exterior, Marketing, Teologia e Direito.

 

A CGADB é constituída por várias convenções estaduais e regionais, além de vários ministérios. Alguns ministérios cresceram de tal forma que tornaram-se denominações de fato, com suas congregações sobrepondo as áreas de abrangência das convenções regionais. Dentre os grandes ministérios se destaca o Ministério do Belém, que possui cerca de 2.200 igrejas concentradas no centro-sul e com sede no bairro do Belém na capital paulista, sendo atualmente (2008) presidida pelo pastor José Wellington Bezerra da Costa, que sucedeu o pastor Cícero Canuto de Lima, que também preside a CGADB.

 

Na área política, alguns deputados federais são membros das Assembleias de Deus e a representam institucionalmente junto aos poderes públicos nos assuntos de interesse da denominação, supervisionados pelo Conselho Político Nacional das Assembleias de Deus no Brasil, com sede em Brasília, DF, que coordena todo o processo político da CGADB. Além disso, há também deputados estaduais e até prefeitos e vereadores, todos sob a chancela de igrejas ligadas à CGADB.

 

Desde a década de 1980, por razões administrativas, notadamente em virtude do falecimento do pastor Paulo Leivas Macalão e de sua esposa, missionária Zélia, a Assembleia de Deus brasileira tem passado por várias cisões que deram origem a diversas convenções e ministérios, com administração autônoma, em várias regiões do País. O mais expressivo dos ministérios independentes é o Ministério de Madureira, cuja igreja já existia desde os idos de 1930, fundada pelo já mencionado pastor Paulo Leivas Macalão e que, em 1958, serviu de base para a estruturação nacional do Ministério por ele presidido, até a sua morte, no final de 1982.

 

Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil - Ministério de Madureira

À medida que os anos se passavam, os pastores do Ministério de Madureira (assim conhecido por ter sua sede no bairro de mesmo nome, na cidade do Rio de Janeiro), sob a presidência vitalícia do pastor (hoje bispo) Manuel Ferreira, se distanciavam das normas administrativas da CGADB, segundo a liderança da época, que, por isso mesmo, realizou uma assembleia geral extraordinária em Salvador, Bahia, em setembro de 1989, onde esses pastores foram suspensos até que aceitassem as decisões aprovadas. Por não concordarem com as exigências que lhes eram feitas foram excluídos pela Diretoria da CGADB. Desta forma tornou-se completamente independente da CGADB a Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil — Ministério de Madureira (Conamad), que tem no campo do Brás, na capital paulista, a sua maior expressividade, que, por anos, foi presidido pelo pastor Lupércio Vergniano e hoje está sob as ordens do Pr.Samuel Cássio Ferreira, bacharel em Direito. Possuia em 2005 cerca de 2 milhões de membros no Brasil e exterior. O Ministério Madureira, também tem uma filial de destaque na cidade de Goiânia chamada Assembleia de Deus Campo de Campinas, presidida pelo Pr. Dr. Oídes José do Carmo.

 

Portugal

Em Portugal a história dessa denominação pentecostal é contada a partir do ano de 1913. Foram os missionários portugueses emigrados do Brasil José Plácido da Costa (1913) e José de Matos Caravela (1921) que deram início às ações que resultaram na fundação das Assembleias de Deus em Portugal.

 

A primeira igreja Assembleia de Deus em Portugal foi fundada na cidade de Portimão, em 1924, pelo missionário José de Matos, também responsável pela fundação das igrejas do Algarve, de Santarém e de Alcanhões. A partir desse ano, com a ajuda de missionários suecos e o esforço de obreiros portugueses, foram estabelecidas diversas outras igrejas em várias cidades, como: Porto, em 1930, com a intervenção do missionário sueco Daniel Berg; Évora, em 1932, pela ação da evangelista Isabel Guerreiro; e Lisboa, em 1934, com a ajuda do missionário Jack Hardstedt.

 

Da ação missionária das Assembleias de Deus em Portugal deu-se a expansão da igreja aos territórios ultramarinos, a exemplo de: Angola, Guiné, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Timor-Leste; os quais posteriormente tornaram-se nações independentes, mas mantiveram suas igrejas Assembleias de Deus nacionais em fraterna relação com as coirmãs portuguesas.

Em Portugal o ramo principal é a Convenção das Assembleias de Deus em Portugal, com quase 400 igrejas, a maior denominação protestante no país.

 

Além da CADP, existem outras denominações organizadas em Portugal, originárias de imigrantes brasileiros ou cismas da CADP, que adotam o mesmo nome, como a Assembleia de Deus Missionária; Assembleia de Deus Universal; Convenção Nacional das Assembleias de Deus (60 igrejas com 450 Congregações); Igreja de Nova Vida - Assembleia de Deus da Amadora;Centro Pentecostal Europeu das Assembleias de Deus(CPEAD 75 locais de culto); Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Ministério da Missão

 

Estados Unidos

Nos Estados Unidos surgiram várias congregações pentecostais independentes, desde o avivamento da rua Azuza, em 1906. Buscando unidade, comunhão entre si, trabalho missionário e organização legal, alguns líderes convocaram uma Convenção em Hot Springs, Arkansas, em 1914. Como resultado, houve a adesão de quase 500 ministros e a criação do General Council of the Assemblies of God (Concílio Geral das Assembleias de Deus), mais tarde sediado em Springfield, Missouri. Essa igreja possui, hoje, cerca de 2 milhões de membros e envia missionários a vários países do mundo. John Ashcroft, procurador-geral dos EUA durante o primeiro mandato de George W. Bush, é membro dessa denominação.

 

As Assemblies of God apresentam algumas diferenças de sua coirmã brasileira: no tocante à administração, não existe o sistema de ministérios; cada igreja local é autônoma e não é subordinada a nenhuma outra, mas voluntariamente agrupam-se em presbitérios regionais, onde há igualdade entre todos e contam com a participação de representantes leigos. A congregação local entrevista e contrata o pastor, que é examinado e ordenado pelo Concílio Geral. Referente aos costumes, as Assemblies of God são integradas à sociedade americana, permitindo, por exemplo, que suas mulheres cortem o cabelo e usem calças compridas.

 

Reino Unido e Irlanda

Organizada em 1924, a Assemblies of God in Great Britain and Ireland cresceu sob a influência do pastor Donald Gee. Reúne hoje cerca de 600 igrejas locais e possui uma rede de missionários atuando em vários continentes. Uma característica da AGGBI é a prática da Santa Ceia semanalmente.

Existem ainda Assembleias de Deus composta por imigrantes caribenhos e brasileiros, cujas igrejas não possuem relações com a AGGBI.

 

Doutrina

De acordo com o credo das Assembleias de Deus, entre as verdades fundamentais da denominação, estão a crença:

  • Num só Deus eterno subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo;

  • Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, considerada a única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão;

  • Na concepção virginal de Jesus Cristo, na sua morte vicária e expiatória, ressurreição corporal e ascensão para o céu;

  • No pecado que distancia o homem de Deus, condição que só pode ser restaurada através do arrependimento e da fé em Jesus Cristo.

  • Arrebatamento dos membros da Igreja para a Nova Jerusalém em breve com a volta de Cristo.

  • Na necessidade de um novo nascimento pela fé em Jesus Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus para que o homem se torne digno do Reino dos Céus;

A denominação pratica o batismo em águas por imersão do corpo inteiro, uma só vez, em pessoas a partir de 12 anos, em nome da Trindade; a celebração, sistemática e continuada, da Santa Ceia; e o recebimento do batismo no Espírito Santo, geralmente, com a evidência inicial do falar em outras línguas, seguido de outros dons do Espírito Santo.

A exemplo da maioria dos cristãos, os assembleianos aguardam a segunda vinda premilenial de Cristo em duas fases distintas: a primeira, invisível ao mundo, para arrebatar a Igreja fiel da terra, antes da Grande Tribulação; e a segunda, visível e corporal com a Igreja glorificada, para reinar sobre o mundo por mil anos, sendo portanto dispensacionalista.

Ainda, nesse corolário de fé, os assembleianos esperam comparecer perante o Tribunal de Cristo, para receber a recompensa dos seus feitos em favor da causa do Cristianismo, seguindo-se uma vida eterna de gozo e felicidade para os fiéis e de tormento para os infiéis.

Os assembleianos, em regra, são contra o aborto voluntário e o divórcio, a não ser por causa de adultério.

 

Liturgia

Os cultos das Assembleias de Deus se caracterizam por orações, cânticos (hinos evangélicos clássicos e contemporâneos), testemunhos e pregações, onde muitas vezes ocorrem manifestações dos dons espirituais, como, por exemplo, profecias e línguas espirituais (estranhas).

Possui dias e horários específicos para cultos, sendo o principal deles no domingo por volta das 18/19 horas, e o de ensinamento bíblico (a Escola Bíblica Dominical, com divisão de classes por idade) por volta das 9 horas.

Os cultos têm duração média de 2 horas, sendo divididos em:

  • Oração inicial - Normalmente um pastor ou outro obreiro faz uma oração a Deus.

  • Cânticos iniciais - Utilizando-se a Harpa Cristã (um livreto de Hinos Evangélicos Clássicos), canta-se em média 3 hinos e em alguns ministérios, hinos congregacionais.

  • Leitura bíblica (ou palavra introdutória) - Neste momento a leitura do trecho bíblico e inspirada pelo Espírito Santo, no qual o culto será direcionado como um todo com fulcro nesse trecho.

  • Oportunidades de cânticos por grupos de jovens, crianças, senhoras, adolescentes, corais, grupos e ministérios de louvor.

  • Oportunidades de testemunhos por membros - Momento no qual os membros contam o que Deus mudou em suas vidas e vem fazendo, atualmente, por eles.

  • Pregação - na qual um pastor, um membro da igreja local, ou um pregador ou pastor convidado fará a pregação (sermão) explicando a passagem bíblica.

  • Apelo - Convite aos que não são evangélicos a aceitarem a Jesus como único e suficiente Salvador.

  • Cântico de encerramento e/ou avisos sobre as próximas reuniões.

  • Oração final.

  • Bênção apostólica (somente dado pelo pastor, presbítero ou evangelista: "A graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, o amor de Deus, o nosso Eterno Pai, a comunhão, as doces e eternas consolações do Espírito Santo sejam sobre nós e sobre todo o povo de Deus, desde agora e para sempre. Amém".

Obs: Nem todas as Assembleias de Deus seguem esta liturgia.

 

Críticas

A Assembleia de Deus sofre críticas, tanto por parte de outras denominações religiosas quanto por setores não-religiosos da sociedade civil. O rápido crescimento da igreja tem estimulado diversas produções intelectuais de pesquisadores dos fenômenos sociológicos e antropológicos contemporâneos; ao mesmo tempo que já gerou apaixonadas controvérsias e discussões, no campo puramente ideológico.

 

O fenômeno do rápido e atípico enriquecimento econômico dos líderes de algumas das principais denominações é alvo de críticas da sociedade, uma vez que a prática religiosa é isenta de taxação fiscal no Brasil e facilmente pode-se transformar em instrumento de crimes fiscais como evasão de divisas e lavagem de dinheiro, entre muitos outros crimes. Além do mais, há a grande crítica pelo grande apelo por doações, muitas vezes desproporcionais ao intuito propalado pela igreja.


Apesar de sofrer perseguições e críticas por vários setores da sociedade , não há evidências nem provas de que em qualquer igreja Assembléia de Deus no Brasil tenham ocorrido crimes fiscais ou lavagem de dinheiro. Da mesma forma, nenhuma Igreja Assembléia de Deus responde a processos judiciais por quaisquer tipos de crimes financeiros. Por outro lado raramente a mídia nacional divulga as inúmeras ações de cunho social realizadas pelas Assembléias de Deus em todo Brasil. É uma das entidades do Brasil que mais investem no social. Mantêm escolas, creches, serviço permanente de distribuição de alimentos a famílias carentes, recuperação de dependentes de entorpecentes, defende a manutenção da família como núcleo da sociedade e trabalha na construção de cidadãos conscientes de sua responsabilidade para com a sociedade.

 

É importante observar que a Assembleia de Deus, como representante do pentecostalismo clássico, é adversa aos métodos de arrecadação de ofertas feitas por neopentecostais , portanto enfatiza as bênçãos espirituais e, mormente, a transformação do caráter humano, pelo poder da Palavra de Deus - Jesus Cristo.

 

Novos conceitos a respeito de usos e costumes

Assembleia de Deus do Gama Oeste (Brasília), um exemplo de uma AD 'renovada'.

Algumas igrejas Assembleias de Deus vêm experimentando, recentemente, grandes mudanças comportamentais concernente a usos e costumes. A Assembleia de Deus, há algum tempo, tinha o hábito de inserir como doutrina os usos e costumes, por meio dos quais restringia mais a liberdade das mulheres em questões de vestimenta, cabelo e maquiagem. A igreja dizia que o uso de determinadas roupas e cortes de cabelos, por exemplo, era vaidade. No entanto, com o passar dos anos, percebeu-se que a adoção ou não de determinadas regras por parte das igrejas locais tratava-se mais de uma questão de constume do que de doutrina, pois não feria os fundamentos da fé cristã.

 

Em particular, algumas dessas igrejas levemente aceitam o uso de determinadas peças do vestuário feminino, consentindo que as mulheres usem calças compridas decentes, decotes um pouco alongados ou mangas um pouco mais curtas, permitindo ainda o uso de algumas jóias, tais como brincos, cordões, maquiagens e coloração dos cabelos, desde que mantido um razoável padrão de pudor. Praia, cinema e teatro já não são, terminantemente, proibidos, desde que se desfrute com moderação, conscientes que de tudo Deus pedirá contas.

 

Quanto aos homens, diminuem as restrições ao uso de barba ou cabelos mais alongados, bem como bermudas e lazer, substituindo-se o rigor da proibição pela recomendação de uma boa imagem pessoal ante a sociedade, nos padrões exigidos por algumas organizações corporativasDe igual modo, tendem a desaparecer do cenário assembleiano as folclóricas proibições ao uso da televisão e do rádio, enquanto algumas igrejas passam a orientar seus adeptos a lerem bons livros e fazerem uso adequado da internet, numa clara demonstração de que as posições radicais do passado estão sendo substituídas pelo respeito à liberdade de seus membros usufruírem dos benefícios que a tecnologia põe à disposição da sociedade contemporâneaVale lembrar que a maioria das Igrejas Assembléias de Deus ainda possuem costumes, e algumas ainda chegam a ser de maneira radical.

 

Produção teológica

A Assembleia de Deus, com o crescimento de seus seminários e faculdades teológicas, começa a criar tradições academicas. Exemplo disto é o IBADEP (Instituto Bíblico da Assembléia de Deus no Estado do Paraná), que está presente em todo o Brasil e no mundo.

Os pastores assembleianos, que se voltam para estudos acadêmicos, são próximos da literatura batista, além de serem críticos do neopentecostalismo.

 

Fonte: Wikipedia 

108.2.6.4.2 - Congregação Cristã no Brasil

A Congregação Cristã no Brasil é uma comunidade religiosa cristã de origem norte-americana que está presente em território nacional desde 1910 trazida pelo ítalo-americano Louis Francescon.

Origem

No final do Século XIX, o italiano Louis Francescon recebeu, segundo seu relato,[1] uma revelação acerca do batismo por imersão, que lhe advertia por não ter cumprido essa ordenança deixado por Jesus Cristo. Tal doutrina o separou e a alguns mais do grupo Presbiteriano-valdense ao qual pertenciam, que não a aceitou.

Foi fundada em 1907 na cidade de Chicago. Na 943 W. North Ave (semelhantemente à Rua Azuza em Los Angeles, CA), havia uma missão que anunciava a Promessa do Espírito Santo com evidência de se falar novas línguas. Francescon visitou aquele serviço a convite e teria recebido, conforme suas palavras,[1] uma confirmação Divina de que aquela Obra era de Deus; prontamente o grupo que o acompanhava uniu-se aquela irmandade, a maioria recebendo o Dom de se falar línguas diferentes. Estavam reunidas as doutrinas dos Batismos da água e do Espírito.

Vindo para o Brasil em 20 de abril de 1910, Francescon realizou o primeiro batismo em Santo Antonio da Platina, Paraná, batizando o italiano Felicio Mascaro e mais dez pessoas; depois dirigiu-se para a cidade de São Paulo, onde foram batizadas mais vinte pessoas. Durante alguns anos, os fiéis reuniram-se sem denominação e após adquirirem o primeiro prédio, na cidade de São Paulo, foi escolhido o nome "Congregação Christã do Brasil", oficializado quando da realização da Convenção, em 1936. Alterado nos anos 1960 por questões internas substituiu-se a contração "do" pela contração "no".

Possuiu maioria italiana até a década de 1930, quando então passaram a preponderar as demais etnias; desde 1950 está presente em todo território brasileiro e em diversos países. Em 2007 reportou 19.926 casas de oração no Brasil[2] em 2000 havia cerca de 2,4 milhões de membros declarados no Brasil.[3]

Sua igreja central é estabelecida em São Paulo, no bairro do Brás, onde o Ministério reúne-se anualmente em Assembleia Geral quando são estabelecidas convenções e ensinamentos.

A Congregação Cristã em outros países

A Congregação Cristã possui igrejas nas seguintes localidades, segundo seu Relatório Anual de 2010: África do Sul, Alemanha, Andorra, Angola, Argentina, Bélgica, Bolívia, Brasil, Cabo Verde, Canadá, Chile,China, Colômbia, Costa Rica, Costa do Marfim, Egito, El Salvador, Equador, Espanha,Estados Unidos, França, Filipinas, Gana, Grécia, Guatemala, Guiana, Guiana Francesa, Guiné-Bissau, Haiti, Holanda, Honduras, Índia, Inglaterra, Irlanda, Irlanda do Norte, Israel, Itália, Japão, Malawi, México, Moçambique, Nepal, Nicarágua, Nigéria, Nova Zelândia, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, República Democrática do Congo, República do Congo, República Dominicana, Russia, São Tomé e Príncipe, Síria, Suíça, Suriname, Uruguai, Venezuela e Zimbábue.

A Congregação Americana

A partir da Assemblea Cristiana de Chicago partiram, no período entre 1908 – 1909 cerca de vinte imigrantes italianos que foram anunciar sua fé a seus compatriotas residentes em outros estados americanos entre eles: Giácomo Lombardi, Giuseppe Beretta, Pietro Ottolini, Lucia de Francesco Menna, Umberto Gazzari, Michele Palma e Massimiliano Tosetto.

O resultado de tal empenho pode ser visto pelas informações estatisticas do movimento pentecostal em 1936: as igrejas italianas se espalhavam por todo E.U.A., com uma membresia total de 9.567 pessoas.[4]

Devido a crises doutrinárias, os anciães Louis Francescon e Massimiliano Tosetto (Niagara Falls, NY), com o auxílio de Michele Palma (Syracuse, NY) consideraram necessária à realização de uma Assembleia Geral dos anciães das igrejas ítalo-americanas. O local foi à igreja de Niagara Falls, NY, e a data 30 de abril a 01 de maio de 1927. Nele são elaborados e aceitos pelas comunidades os 12 artigos de fé (listados no tópico abaixo). Além de definir um credo doutrinário básico para as igrejas do movimento, o concilio também lançou as bases para uma organização eclesiástica.

Alterando seu caráter original, em 1928 é criada a "Unorganized Italian Christian Churches of U.S.A" permitindo que as igrejas locais se incorporem (se tornem pessoa jurídica) sob esse nome conforme as leis dos diversos estados. Ela funcionará como uma comunhão de igrejas autônomas cujos anciães se reunirão anualmente para tomar decisões e não como uma denominação.

Na década de 1940, o movimento sofre com as alterações doutrinárias até que em 1948 foi criada então, já com personalidade jurídica (incorporated) a Missionary Society of the Christian Church of North America, com sua sede em Pittsburg, Pennsylvania.

O Concilio Geral continuará sem personalidade jurídica até 1963, quando na convenção realizada em Philadelphia, Pennsylvania, sua incorporação foi aprovada. Surge então "The General Council of the Christian Church of North America", que hoje tem sua sede na cidade de Transfer, PA, como o nome "International Fellowship of Christian Assemblies".

Quanto a Assemblea Cristiana de Chicago, continuará sua existência de forma livre, não ligada a corrente principal do movimento, ficando sob a direção de Pietro Menconi, até seu falecimento em 1936. Após a reaproximação das facções em 1945 ela não retornará a comunhão oficial com as demais igrejas italianas (exceto entre 1963 e 1980 quando afiliou-se à Christian Church of North America) permanecendo até hoje independente como uma igreja multi-étnica. Um grupo dissidente dela em 1967 filia-se às Assemblies of God, sendo hoje conhecida como Belmont Assembly of God.

Nos anos 1980 foi criada a Christian Congregation in the United States, que agrupa membros diversos como brasileiros, portugueses, hispânicos e alguns oriundos de antigas congregações italianas. Essa denominação tem ainda pouca expressão, mesmo se comparada a organização dos anos 1930.

Doutrina

No ano de 1927, na cidade de Niagara Falls, NY, houve uma convenção da Congregação Cristã [5]quando foram definidos seus 12 Artigos de Fé:

1. Nós cremos na inteira Bíblia Sagrada e aceitamo-la como infalível Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo. A Palavra de Deus é a única e perfeita guia da nossa fé e conduta, e a Ela nada se pode acrescentar ou d’Ela diminuir. É, também, o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê. (II Pedro, 1:21; II Tim. 3:16-17; Rom. 1:16).

2. Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder, Criador de todas as coisas, em cuja unidade há três pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. (Ef. 4:6; Mat. 28:19; I João 5:7)

3. Nós cremos que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é a Palavra feita carne, havendo assumido uma natureza humana no ventre de Maria virgem, possuindo Ele, por conseguinte, duas naturezas, a divina e a humana; por isso é chamado verdadeiro Deus e verdadeiro homem e é o único Salvador, pois sofreu a morte pela culpa de todos os homens. (Luc. 1:27; João 1:14; I Pedro 3,18).

4. Nós cremos na existência pessoal do diabo e de seus anjos, maus espíritos, que, junto a ele, serão punidos no fogo eterno. (Mat. 25:41).

5. Nós cremos que o novo nascimento e a regeneração só se recebem pela fé em Jesus Cristo, que pelos nossos pecados foi entregue e ressuscitou para nossa justificação. Os que estão em Cristo Jesus são novas criaturas. Jesus Cristo, para nós, foi feito por Deus sabedoria, justiça, santificação e redenção. (Rom. 3: 24; I Cor. 1:30; II Cor. 5:17).

6. Nós cremos no batismo na água, com uma só imersão, em Nome de Jesus Cristo (Atos 2:38) e em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. (Mat. 28:18-19).

7. Nós cremos no batismo do Espírito Santo, com evidência de novas línguas, conforme o Espírito Santo concede que se fale. (Atos 2:4; 10:45-47 e 19:6).

8. Nós cremos na Santa Ceia. Jesus Cristo, na noite em que foi traído, tomando o pão e havendo dado graças, partiu-o e deu-o aos discípulos, dizendo: “Isso é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim”. Semelhantemente tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: “Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós”. (Luc. 22:19-20; I Cor 11:24-25).

9. Nós cremos na necessidade de nos abster das coisas sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da fornicação, conforme mostrou o Espírito Santo na Assembleia de Jerusalém. (Atos 15:28-29; 16:4 e 21:25).

10. Nós cremos que Jesus Cristo tomou sobre si as nossas enfermidades. “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da Igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados”. (Mat. 8:17; Tiago 5:14-15).

11. Nós cremos que o mesmo Senhor (antes do milênio) descerá do céu com alarido, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar nos ares e assim estaremos sempre com o Senhor. (I Tess. 4:16-17; Apoc. 20:6).

12. Nós cremos que haverá a ressurreição corporal dos mortos, justos e injustos. Estes irão para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna. (Atos 24:15; Mat. 25-46).

Práticas

Culto

O culto da Congregação Cristã no Brasil segue uma ordem pré-estabelecida, mas sem uma liturgia fixa, assim os pedidos de hinos, orações, testemunhos e a pregação da Bíblia são feitos de forma espontânea, baseados na inspiração do Espírito Santo. Os serviços são solenes com uma atmosfera formal; desse modo evitam-se manifestações individualizantes, mas preza-se a participação coletiva.

Há uma série de práticas no culto como o uso do véu pelas mulheres; o uso do ósculo santo na saudação entre irmãos e irmãs de per si; assento separado nas igrejas entre homens e mulheres; as orações são feitas de joelhos; podem haver até três orações no início do serviço e apenas uma no final, como agradecimento; também são permitidas até três pregações no mesmo culto, todavia, por tradição, decidiu-se que uma única pregação é suficiente, evitando-se, assim, que uma pregação se sobreponha à outra.[6]

O padrão de realização do Culto é igual em quaisquer de seus templos.

Organização

Segundo os estatutos da Congregação Cristã no Brasil suas atividades são conduzidas por um ministério organizado, servindo sem expectativas de receber salários[7], distribuído segundo as necessidades de cada localidade, constituído por anciãos, cooperadores do ofício ministerial e diáconos[8] . Somente os anciãos e diáconos são ministros ordenados (I Tim. 4:14)[9]

Para todos os cargos de ministério, auxiliares de jovens e menores, músicos oficializados, encarregados de orquestras e administradores, devem ser batizados conforme a doutrina seguida pela Congregação Cristã no Brasil e em todos os outros países (por imersão, Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo).

  • Ancião - responsável pelo atendimento da Obra, realização de batismos, santas ceias, ordenação de novos obreiros (anciães e diáconos), apresentação de Cooperadores do Ofício Ministerial e Cooperadores de Jovens e Menores, atendendimento das Reuniões para Mocidade, encarregado de conferir ensinamentos à igreja, cuidar dos interesses espirituais e do bem-estar da igreja, entre outras funções;atualmente o Ancião-Presidente é Jorge Couri; atende na sede localizada no bairro do Brás em São Paulo;

  • Diácono - responsável pelo atendimento assistencial e material à igreja. É auxiliado por irmãs obreiras chamadas de "Irmãs da Obra da Piedade". Assim como o ancião, atende a diversas congregações de sua região;

  • Cooperador do Ofício Ministerial - responsável pela cooperação nos ensinamentos e presidência dos cultos oficiais e das Reuniões de Jovens e Menores em uma determinada localidade (desde que não haja um Cooperador de Jovens e Menores responsável pelo atendimento dessa localidade), não podendo realizar batismos, Santa Ceia, Reuniões para Mocidade, Ordenações, dentre outras coisas que só cabem ao Ancião ou ao Diácono.

Além dos ministros previsto em estatuto acima citados, há outros cargos ou funções:

  • Cooperador de Jovens e Menores - responsável de atender as Reuniões de Jovens e Menores de sua comum congregação.

  • Músico - membro habilitado e depois de passar por testes musicais é oficializado para tocar nos cultos e demais serviços.

  • Encarregado de Orquestra - músico oficializado, designado para coordenar o ensino musical aos interessados e organizar ensaios musicais da Orquestra da Congregação. As "Examinadoras" são organistas mulheres, oficializadas, designadas para avaliar outras organistas aprendizes no processo de oficialização.

  • Auxiliar de Jovens e Menores - são jovens, homens ou mulheres solteiros, designados para preparar e organizar os recitativos das Reuniões de Jovens e Menores individuais ou em grupo e cuidar da ordem e da organização durante a reunião.

  • Administração - ministério material, constituído por Presidente, Tesoureiro, Secretário, Auxiliares da Administração, Conselho Fiscal e Conselho Fiscal Suplente. Os administradores são eleitos a cada três anos e o Conselho Fiscal anualmente, durante a Assembleia Geral Ordinaria. É permitida a recondução ao cargo.

Para construções de templos, utilizam-se, na maioria dos casos, de voluntariado mobilizado em esquema de mutirão. Para outros serviços das igrejas como portaria, limpeza, som, fundo bíblico sem fins lucrativos, etc. também são escolhidos dentre os membros, voluntários que não possuem expectativa de receber salário.

Segundo os seus Estatutos, a Congregação Cristã no Brasil não possui registro de membros, considerando que estes devem responder somente a Deus; não prega o dízimo e mantém-se pelo espírito voluntário dos seus membros, que contribuem com coletas anônimas e voluntárias e exercem seus ministérios sem a expectativa de receber dinheiro ou bens materiais. O exercente de qualquer cargo espiritual ou de administração se mantém através de seu trabalho ou meios próprios, uma vez que é vedada qualquer espécie de remuneração ou retribuição pelo exercício dessas atividades ou pela ministração de serviços espirituais ou sacramentos.[10]

As mudanças de caráter doutrinário na Congregação Cristã no Brasil são discutidas em assembleia anual e pelo Conselho de Anciães, que é formado pelos anciãos mais antigos no ministério (não necessariamente de idade). Nestas assembleias são considerados "Tópicos de Ensinamentos", os quais, tomados em reuniões e por oração, tratam de assuntos relacionados à doutrina, costumes e comportamento na atualidade.

A organização eclesiástica da Congregação Cristã no Brasil é uma forma adaptada do governo presbiteriano: um grupo de igrejas locais são reunidas em uma "região administrativa", normalmente correspondente a um município nos estados onde a igreja é maior e vários municípios onde a Congregação é menor, presidida por um conselho de anciãos e um corpo administrativo. As regiões administrativas são agrupadas em "regionais", que por sua vez se concentram nas "assembleias estaduais". O organismo máximo é a "Assembleia Geral" que ocorre na congregação do Brás anualmente sempre no mês de abril.

 

A Orquestra

A Congregação Cristã no Brasil possui uma orquestra de música sacra muito valorizada. Ela provê aos fiéis escolas musicais gratuitas e ensaios musicais em suas dependências.

Atualmente, são permitidos em sua orquestra os seguintes instrumentos:

Cordas:Violino, Viola, Violoncelo; Flauta transversal; palhetas: Oboé, Fagote, Clarinete, Clarone; Acordeon [11]; Saxofones: soprano curvo, soprano, alto, tenor, barítono [11], ; Trompete Pocket, Cornet, Trompa, Trombonito, Trombone, Saxhorn, Bombardino, Bombardão, Flugelhorn e Órgão, sendo esse último de liberdade de execução somente de mulheres e os demais instrumentos somente de homens, em outros países as mulheres possuem liberdade para executar os demais instrumentos.

O hinário da Congregação Cristã no Brasil é intitulado de "Hinos de Louvores e Súplicas a Deus" e encontra-se na sua quarta edição, datada de 1965, quando foram adicionadas novas melodias e poesias. Possui muitas melodias de autores norte americanos e italianos, com algumas poesias traduzidas e semi-traduzidas do inglês e do italiano. São 450 hinos e entre eles há especiais para Batismos, Santas Ceias, Funerais, 50 para as "Reuniões de Jovens e Menores", e sete coros.

O livro original chamava-se Inni e Salmi Spirituali, publicado no começo do século XX, pela Assemblea Cristiana Italiana de Chicago, Ill, USA.

Os hinários com notação musical seguem o modelo europeu, contendo as claves de Sol e de Fá, e estão escritos para instrumentos em Dó, Mi bemol e Si bemol.

Está em desenvolvimento uma nova edição do "Hinos de Louvores e Súplicas a Deus", após mais de 45 anos sem alterações em poesias e melodias. Prevê-se aumento de cânticos, alteração de numeração e facilitações nas partituras.

A Congregação Cristã não produz gravações de seus hinos, nem mesmo as autoriza.

Política

A Congregação Cristã no Brasil é uma organização religiosa apolítica, crendo na separação total entre Estado e religião.

Não mantém ligação, nem se manifesta de forma alguma em relação a causas ou partidos políticos, candidatos a cargos públicos, ou qualquer outra instituição ou organização, governamental ou não. Se algum membro de seu corpo ministerial aceitar cargos políticos, deverá renunciar ao seu cargo congregacional. Seus membros são doutrinados a não votar em candidatos que neguem a existência de Deus e a Sua moral.[7]

Mídia

A Congregação Cristã no Brasil não possui propaganda em meios de comunicação como rádio, televisão, imprensa escrita, ou qualquer outro tipo de propagação da sua doutrina que não seja o frequentar quaisquer de suas igrejas pelos interessados em conhecê-la, aliás ela não permite esta prática e não autoriza que nenhum dos seus trabalhos, sejam eles em cultos ou não, sejam gravados e reproduzidos. [12]

Fontes

  • ANDERSON, Robert Mapes. Vision of the disinheirited: The Making of American Pentecostalism. Nova Iorque, Oxford University Press, 1979.

  • TOPPI, Francesco. Luigi Francescon, 1ª ed., ADI – Media, Roma, 1997

  • WOMARKCK, David A. e TOPPI, Francesco. La Radici Del Movimento Pentecostale, 1ª ed., ADI – Media, Roma, 1989

  • DECARO, Louis: Our Heritage, 1ª ed., General Council Christian Church of North America, Transfer, 1977

  • CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL, Hinos de Louvores e Súplicas a Deus – Livro nº 4, Industrias Reunidas Irmãos Spina, São Paulo, 1965

  • ALVES, Leonardo M. "Christian Congregation in North America: Its Inception, Doctrine, and Worship". Dallas, 2006.

  • CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. "Estatutos". São Paulo, 2004.

  • CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL. "Relatório Anual 2007-2008". São Paulo, 2007.

  • FRANCESCON, Louis. "Histórico da Obra de Deus". Chicago, 1952.

  • FRESTON, Paul. "Breve história do pentecostalismo brasileiro". In: ANTONIAZZI, Alberto (coordenador). Nem anjos nem demônios: Interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis, 1994.

Notas e Referências

  1. Francescon, L. Fedele Testimonianza. Chicago: 1952

  2. Relatório anual 2006-2007. CCB

  3. IBGE, censo 2000 US CENSUS BUREAU. Census of Religous Bodies. 1936

  4. UICCNA. Atti del Convegno della Chiesa Italiana residenti negli Stati Uniti radunada in Niagara Falls, NY. Maio 1927

  5. CONGREGAÇÃO CHRISTÃ DO BRASIL Convenção São Paulo, 1936 p. 6

  6. CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL Estatuto, art. 8, § 1. São Paulo, 2004

  7. CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL EstatutoArt. 23 - O Ministério da CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL é composto de Anciães – que em seu conjunto formam o Conselho de Anciães – Cooperadores do Ofício Ministerial e Diáconos.

  8. CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL EstatutoArt. 24

  9. http://www.congregacaocrista.org.br/

  10. não será mais permitido o ingresso de novos músicos desse instrumento

  11. Congregação Cristã no Brasil. Página visitada em 11 de Junho de 2010.

 

Fonte originária: Wikipédia

 

 


 

108.2.6.4.3 - Igreja do Evangelho Quadrangular

A Igreja do Evangelho Quadrangular é uma denominação cristã evangélica pentecostal. É conhecida como a Igreja do Evangelho Quadrangular, a partir de 2000, teve uma adesão de mais de 8.000.000 de pessoas, com 66,000 igrejas em 144 países.[1] Em 2006, a sua membresia nos Estados Unidos era de 353,995 pessoas em 1,875 igrejas.[2]. Embora as suas congregações estejam concentradas ao longo da Costa Oeste, a denominação está bem distribuída pelos Estados Unidos.[3] Os estados com a maior taxa de adesão são: Oregon, Hawaii, Montana, Washington, e Califórnia.[3] A sede está em Los Angeles, Califórnia.

Fundação

Aimee Semple McPherson (1890-1944), uma evangelista conhecida como "Irmã Aimee", fundou a igreja do Evangelho Quadrangular em 1921. Los Angeles foi o centro das operações, o Angelus Temple foi inaugurado em Echo Park em 1 de janeiro de 1923, assentando 5.300 pessoas. McPherson foi uma celebridade, participando de eventos públicos, de modo que semanalmente nos domingos parava completamente as ruas de Los Angeles, juntamente com o prefeito e estrelas de cinema, diretamente para o Angelus Temple. Ela construiu o templo, e o L. I. F. E. Bible College na porta ao lado, no canto noroeste das terras que possuía no centro da cidade.

O status de celebridade de McPherson continuou até depois de sua morte, em biografias como a de 1976 Hallmark Hall of Fame, o drama The Disappearance of Aimee e o filme independente de 2006 Aimee Semple McPherson retratando a sua vida, particularmente seu desaparecimento em Maio-Junho de 1926 e a controvérsia jurídica que se seguiu.[4][5]

Após a Irmã Aimee

Seu filho, Rolf K. McPherson, tornou-se presidente e líder da igreja após a morte de Aimee Semple McPherson em 1944, cargo que ocupou durante 44 anos.[6] Sob sua liderança, a denominação passou de cerca de 400 igrejas à mais de 10.000. A Igreja Quadrangular formou a Fraternidade Pentecostal da América do Norte em 1948 em Des Moines, Iowa, em uma aliança com as Assembleia de Deus, a Igreja de Deus (Cleveland), a Open Bible Standard Churches, a Igreja Internacional Pentecostal de Santidade e outros.

Angelus Temple, construído por Aimee Semple McPherson e dedicado em 1° de Janeiro de 1923. O templo está defronte do Echo Park, próximo do centro de Los Angeles, California.

Em 31 de maio de 1988, o Dr. John R. Holland se tornou o terceiro presidente da Igreja, uma posição que ocupou até Julho de 1997.[6] Em 1994, 46 anos após a fundação da Irmandade Pentecostal, foi reorganizada como Igrejas Pentecostais/Carismáticas da América do Norte, depois de combinar com organizações afro-americanas, mais significativamente a Igreja de Deus em Cristo.

Dr. Harold Helms serviu como presidente interino de julho de 1997 até julho de 1998, ele foi seguido pelo Dr. Paul C. Risser, que se tornou presidente em 16 de abril de 1998, na 75° convenção anual da igreja.[7]

Em outubro de 2003, sob a posse de Risser, a igreja vendeu a estação de rádio de Los Angeles KFSG-FM para o Sistema de Radiodifusão Espanhol por $250 milhões.[8] A liderança de Risser levou a outra controvérsia de alto nível para a igreja, quando sem a participação da mesa de diretores da denominação e do conselho de finanças, os fundos da igreja foram investidos em empresas cujo alvo era a "comunidade evangélica unida", mas acabaram por ser esquemas de Ponzi.[9] Risser renunciou a sua posição de liderança em março de 2004.

Jack W. Hayford é o presidente da Igreja Internacional do Evangelho Quadrangular desde 1° de outubro de 2004. Hayford é fundador de A Igreja no Caminho em Van Nuys, Califórnia e ministérios Caminho Vivo. Ele, junto com os Pastores Roy Hicks, Jr em Eugene, Oregon, Jerry Cook em Gresham, Oregon, Ronald D. Mehl da Igreja Quadrangular de Beaverton, em Beaverton, Oregon, e John Holland em Vancouver, British Columbia, foram creditados pela igreja com o estabelecimento de um plano de crescimento da denominação.[10]

A denominação Quadrangular, sob a liderança de Hayford, está em "conversas missionárias" com o movimento emergente, sendo parte de um esforço para a "Multiplicação da Igreja" .[11] "Multiplicação da Igreja", também apoia o movimento de igrejas domésticas através de recursos que sustentam a expansão da "Rede Quadrangular de Igrejas Simples."[12]

Doutrina da Igreja

A igreja Quadrangular acredita no seguinte:[13]

  • A Bíblia como palavra inspirada por Deus

  • A Trindade

  • A morte expiatória de Cristo pelos pecadores

  • Salvação através da graça de Deus no Senhor Jesus Cristo

  • A necessidade de sincero arrependimento e aceitação de Cristo

  • O novo nascimento (Santificação)

  • O crescimento diário através do poder, oração, amor e serviço

  • Batismo por imersão

  • Comunhão/ Ceia do Senhor

  • O batismo no Espírito Santo

  • Os dons e fruto do Espírito Santo

  • Cura divina

  • O retorno iminente de Jesus Cristo

  • Julgamento Final

  • Evangelismo enfatizado no discipulado

  • dízimo e ofertas

  • Moderação - A moderação dos cristãos deve ser óbvia a outros e que o nosso relacionamento com Jesus nunca deve conduzir pessoas a fanatismos extremos; suas vidas devem ter como modelo a vida de Cristo em retidão, em equilíbrio, em humildade, e em sacrifício próprio.

  • Relação com a Igreja - é um dever sagrado para se identificar com uma congregação de crentes para adorar a Deus, observar as ordenanças de Cristo, exortar e apoiar os outros, o trabalho para a salvação dos outros e trabalhar juntos para o avanço no Reino do Senhor.

  • Governo Civil - governo civil está pela nomeação divina e as leis civis devem ser respeitadas em todos os momentos, exceto nas coisas contrárias à vontade de Deus.

  • Céu - céu é a habitação da glória do Deus vivo e eterno lar dos crentes nascidos de novo.

  • Inferno - inferno é um lugar de escuridão, a mais profunda tristeza e fogo inextinguível, que não estava preparado para o homem, mas para o diabo e seus anjos, e ele vai se tornar o lugar de separação eterna de Deus para todos os que rejeitam a Cristo como Salvador.

  • A Quadrangular enfatiza um relacionamento de todo o coração com Deus, um meio de falar com Deus através da oração, meditação e jejum, junto com o serviço social por meio de Cristo.

América do Norte

Nos Estados Unidos, a igreja está dividida em distritos e, em seguida, em divisões e, finalmente, igrejas individuais. A Autoridade Geral supervisiona o escritório nacional e supervisores de distrito, e os supervisores distritais supervisionam superintendentes divisionários que supervisionam as igrejas individuais dentro da região local. Glenn C. Burris, Jr., atualmente (2004) serve como Supervisor Geral.

Um certo número de instituições de ensino estão filiados à Igreja Quadrangular. Entre estes estão Life Pacific College, anteriormente "L. I. F. E. Bible College", em San Dimas, Califórnia e o Pacific Life Bible College em Surrey, British Columbia.

Igreja do Evangelho Quadrangular do Canadá

D. Anna Britton, um graduado da L.I.F.E. Bible College, em Los Angeles, mudou-se para Vancouver, BC em 1927, com sede L.I.F.E. Bible College do Canadá em 1928 e brotou um pequeno grupo de crentes em uma congregação de cerca de 1.000 pessoas, conhecida como Igreja do Evangelho Quadrangular Kingsway. Sua visão a levou para estender o Evangelho Quadrangular às três províncias do oeste do Canadá, sobre o qual ela trabalhou como supervisora por muitos anos. Outros supervisores do Canadá Western District foram, BA McKeown, Clarence Hall, Warren Johnson, Guy Duffield, Charles Baldwin, Harold Wood, Hicks Sr. Roy e John Holland.

Victor Gardner tornou-se Supervisor do Canadá Western District, em 1974. Eventualmente, a fim de dar cumprimento à legislação canadense, o Canadá Western District necessitou registrar todas as propriedades em nome de uma empresa canadense e que ganhasse controle de todas as finanças também. Victor Gardner liderou o desenvolvimento da Constituição e dos estatutos, o Manual de Administração e supervisionou a transferência de todos os documentos legais para 5 de março de 1981, a Igreja do Evangelho Quadrangular do Canadá (FGCC) passou a existir.[14] Vic e Dorothy Gardner se aposentaram em 1992, passando sobre os deveres pastorais de sua igreja, Igreja Quadrangular Sunshine Hills, ao seu filho Tom Gardner e sua esposa Lottie Gardner.

Tim Peterson foi Presidente da FGCC 1992-2007. Sua esposa, Laurene, também trabalhou no Instituto Nacional de FGCC e juntos supervisionaram a criação de uma estrutura empresarial saudável e desenvolveram equipes nacionais.

Barry Buzza, que inplantou a maior Igreja do Evangelho Quadrangular no Canadá, Igreja Northside, uma igreja de três campus no Tri-Cities (Coquitlam, e duas em Port Coquitlam) na área metropolitana de Vancouver em British Columbia, foi eleito presidente em 1° de julho 2007. Sua posse teve lugar no Centro de Convenções FGCC numa quinta-feira, 25 de outubro de 2007 na Pattison Chandos Auditorium, em Surrey, British Columbia.

Nigéria

A igreja tem uma presença majoritária na Nigéria, iniciando a sua missão em torno de 1950.[15] Ela está presente em Lagos.[15]

História no Brasil

Fundada em São João da Boa Vista - SP, a 15 de novembro de 1951, pelo missionário da Foursquare Church Gospel, Pastor Harold Edwin Williams, auxiliado pelo Pastor Jesus Hermirio Vasquez Ramos. O primeiro natural de Los Angeles e o segundo natural do Peru.

A obra começou numa casa na cidade de Poços de Caldas, junto com uma escola de inglês, indo depois para São João da Boa Vista, onde foi construído pelos fundadores um pequeno templo .

Em 1952, vieram para a capital de São Paulo realizar campanhas evangelísticas a convite de um pastor da Igreja Presbiteriana do Cambuci e pouco tempo depois foram para uma tenda de lona no mesmo bairro. De lá foram para o bairro da Água Branca e então para o salão da Rua Brigadeiro Galvão, 713.

A tenda passou então a viajar pelo Estado de São Paulo como a tenda número um, enquanto nos salões da rua Brigadeiro Galvão as senhoras da igreja começaram a ajudar um irmão que havia trabalhado muito tempo com um circo e que as ensinou a costurar tendas.

As tendas compradas ou fabricadas na própria igreja saíram peregrinando por lugares como Casa Verde, Americana, Limeira, Vitória, Curitiba e vários outros. Numa onda contagiante, o movimento crescia e cada tenda dava origem a um novo núcleo que se constituía em uma nova igreja.

Na década de 1960, já sob a liderança do Pastor George Russell Faulkner, estabeleceu-se a meta de levar a mensagem a cada capital de Estado, sendo depois espalhada nos outros municípios. As tendas passavam e deixavam uma nova comunidade formada. Os finais das décadas de setenta e oitenta foram marcados pelo evangelismo dinâmico e pela construção de grandes e belos templos.

Em 1997, a igreja contava com 5.530 templos e obras novas (que estão funcionando em 2.026 templos, 1.778 salões e 1.726 tabernáculos de madeira), além de 4.000 congregações e pontos de pregação, que funcionam sob a responsabilidade das igrejas locais.

Ao todo eram 2.887 ministros, 1.488 aspirantes e 10.648 obreiros credenciados (deste total de 15.023 membros do ministério, 5.951 eram mulheres). Trabalhavam ainda 38.000 diáconos e diaconisas, com um total de aproximadamente 1.600.000 (um milhão e seiscentos mil) membros.

A Igreja Quadrangular Internacional está hoje em mais em cem países (desde 1944 o Sol brilha ininterruptamente sobre a bandeira Quadrangular, pois ela está em todos os continentes). Só a igreja brasileira já tem nove missionários em sete desses países.

Para preparar pessoas para esse ministério, a igreja conta com os Institutos Teológicos Médios, Básicos (com mais de 4.500 alunos e 1.200 professores), cursos preparados pela Secretaria Geral de Educação e Cultura, além de vários livros e publicações evangélicas de qualidade preparadas pela Editora e Publicadora Quadrangular George Russell Faulkner, situada em São Paulo - SP.

Os símbolos da Igreja do Evangelho Quadrangular são

  • Escudo
    Inspirado na visão de Ezequiel (Ezequiel 1:1-28): acima, rosto de homem; à direita, rosto de leão; à esquerda, rosto de boi; abaixo, rosto de águia; ao centro, a Bíblia aberta e o número 4 sobre ela, simbolizando os quatro evangelhos.

  • Emblema
    As figuras representam cada um dos quatro pontos da doutrina da Igreja do Evangelho Quadrangular, respectivamente: a cruz, a pomba, o cálice e a coroa.

  • Bandeira
    Inspirada no peitoral dos sacerdotes de Israel (Êxodo 28:4-28), a bandeira tem quatro faixas: púrpura (roxo), azul-claro, ouro (amarelo) e escarlate (vermelho). No canto superior esquerdo há um quadrado azul-escuro e ao centro deste, um quadrado branco com uma cruz vermelha, e sobre a cruz azul o número 4 em dourado.

Emblema

 

A Cruz representa a salvação

 

A Pomba representa o Espírito Santo.

O Cálice representa a santidade divina.

A Coroa representa a segunda vinda de Jesus Cristo.

 

 

1. Jesus Cristo, o Salvador

  • Enviado por Deus para salvar o mundo (Romanos 3:23)

  • O Rosto do Homem: Jesus Cristo, o Salvador

  • Evangelho: Lucas

  • Jesus é representado como "Filho do homem"

  • Símbolo da salvação: a cruz (Colossense 1:20)

  • Cor simbólica da bandeira: Escarlate (vermelha)

  • Versículo-chave: Lucas 19:10 - "Porque Ele veio buscar e salvar o que se havia perdido"

2. Jesus Cristo, o Batizador no Espírito Santo

  • Dando poder e unção do Espírito Santo (Atos 1:5;8)

  • O rosto de Leão: Jesus Cristo, o Batizador no Espírito Santo

  • Evangelho: João

  • Jesus é representado como "Filho de Deus"

  • Símbolo do batismo no Espírito Santo: a pomba (Mateus 3:16)

  • Cor simbólica da bandeira: Ouro (amarelo)

  • Versículo-chave: João 1: 32-33 - "Esse é o que batiza com o Espírito Santo"

3. Jesus Cristo, o Grande Médico

  • Tocando os enfermos com poder curador (Mateus 8:17)

  • O rosto de Boi: Jesus Cristo, o Grande Médico

  • Evangelho: Marcos

  • Jesus é representado como "servo"

  • Símbolo da cura divina: o cálice (I Coríntios 10:16)

  • Cor simbólica da bandeira: Azul-claro

  • Versículo-chave: Marcos 10:45 - "Porque o filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir"

4. Jesus Cristo, o Rei que Voltará

  • Vindo como o Rei dos Reis (I Tessalonicenses 4:16-18)

  • O rosto de Águia: Jesus Cristo, o Rei que Voltará

  • Evangelho: Mateus

  • Jesus é representado como "O Rei"

  • Símbolo da Segunda Vinda: a coroa (Apocalipse 14:14 / 19:12)

  • Cor simbólica da bandeira: Púrpura (roxa)

  • Versículo-chave: Mateus 26:24 - "Vereis o Filho do Homem assentado sobre as nuvens do céu"

Referências

  1. 2009 Annual Statistics Foursquare.org

  2. 2008 Yearbook of American & Canadian Churches. The National Council of Churches. Página visitada em 2009-12-16.

  3. 2000 Religious Congregations and Membership Study. Glenmary Research Center. Página visitada em 2009-12-16.

  4. The Kidnapping of Aimee Semple McPherson, de "Los Angeles: Passado, Presente & Futuro" projeto do website da University of Southern California libraries

  5. Aimee Semple McPherson Wins Best Independent Film. Press release. prweb.com (2006-04-16). Página visitada em 2008-08-05. "Church officials, led by ICFG President Jack Hayford, released press statements calling the film "misleading" for exploring Aimee's human struggles."

  6. Our History. Victoria Foursquare Church website. Página visitada em 2008-08-05.

  7. September 13-15, 2002 Retreat Details. foursquarenwmensretreat.org. Página visitada em 2008-08-05.

  8. Popular evangelist elected to head Foursquare Church. San Francisco Chronicle (2004-06-05). Página visitada em 2008-08-05.

  9. Foursquare sinner forgiven: Former president's investing may have cost church $15 million. San Francisco Chronicle (2004-06-03). Página visitada em 2008-08-05.

  10. History: 1944-Present. Church's official website. Página visitada em 2007-08-30.

  11. Church Multiplication: Missional Conversation. Página visitada em 2008-08-05. "A conversa missionária surgiu como resultado de muitos seguidores de Jesus re-pensando e re-imaginando o que seria a igreja no século XXI. Damos as boas vindas a esta conversa, e como o Espírito conduz, convidando todos a aprender e contribuir com o que acreditamos que irá moldar o futuro profético da igreja."

  12. Church Multiplication: Simple Church. Página visitada em 2008-08-05. "O principal propósito deste site será dar-lhe um lugar para se conectar com outras pessoas que estão ouvindo o chamado de Deus para explorar o mundo das igrejas simples e, também, para para lhe fornecer um número crescente de recursos pertinentes à jornada das igrejas simples."

  13. Doutrina: A Declaração de Fé da Quadrangular. Portal da Igreja Quadrangular. Página visitada em 2010-12-11.

  14. The Canadian Foursquare Church

  15. Dictionary of African Christian Biography

  • Blunt, D.R. (2008). Religion and Mental Health: Perceptions and Referral Attitudes of the International Church of the Foursquare Gospel Ministers in California Toward Counseling and Psychology.

  • Foursquare Gospel Publications. The Foursquare Church Annual Report 2006.

  • Glenmary Research Center. Religious Congregations & Membership in the United States (2000).

  • Mead, Frank S., Samuel S. Hill, and Craig D. Atwood. Handbook of Denominations in the United States.

  • Melton, J. Gordon (Ed.). Encyclopedia of American Religions.

  • Van Cleave, Nathaniel M. The Vine and the Branches: A History of the International Church of the Foursquare Gospel.

 

Fonte originária: Wikipédia

PENTECOSTES

Pentecostes (em grego antigo: πεντηκοστή [ἡμέρα], pentekostē [hēmera], "o quinquagésimo [dia]") é uma das celebraçőes importantes do calendário cristão, e comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo. O Pentecostes é celebrado 50 dias depois do domingo de Páscoa. O dia de Pentecostes ocorre no décimo dia depois do dia da Ascensão de Jesus.

Pentecostes é histórica e simbolicamente ligado ao festival judaico da colheita, que comemora a entrega dos Dez mandamentos no Monte Sinai cinquenta dias depois do Êxodo. Para os cristāos, o Pentecostes celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e seguidores de Cristo, através do dom de línguas, como descrito no Novo Testamento, durante aquela celebração judaica do quinquagésimo dia em Jerusalém. Por esta razão o dia de Pentecostes é às vezes considerado o dia do nascimento da igreja. O movimento pentecostal tem seu nome derivado desse evento.

Religião Mosaica:
O Pentecostes é o nome de uma festa do antigo calendário bíblico, (Ex 23.14-17; 34.18-23). Originalmente, essa festa é referida com vários nomes:


Festa da Colheita ou Sega - no hebraico hag haqasir. Por se tratar de uma colheita de grãos, trigo e cevada, essa festa ganhou esse nome.(Ex 23.16).
Festa das Semanas - no hebraico, hag xabu´ot. A razão desse nome está no período de tempo entre a Páscoa e esta festa, que é de sete semanas. Esta festa acontece cinquenta dias depois da Páscoa, com a colheita da cevada; o encerramento acontece com a colheita do trigo (Ex 34.22; Nm 28.26; Dt 16.10).
Dia das Primícias dos Frutos - no hebraico yom habikurim. Este nome tem sua razão de ser na entrega de uma oferta voluntária, a Deus, dos primeiros frutos da terra colhidos naquela sega (Nm 28.26). Provavelmente, a oferta das primícias acontecia em cada uma das três tradicionais festas do antigo calendário bíblico. Na primeira, Páscoa, entregava-se uma ovelha nascida naquele ano; na segunda, Colheita ou Semanas, entregava-se uma porção dos primeiros grãos colhidos; e, finalmente, na terceira festa, Tabernáculos ou Cabanas, o povo oferecia os primeiros frutos da colheita de frutas, como uva, tâmara e figo, especialmente.
Festa de Pentecostes. As razões deste novo nome são várias: (a) nos últimos trezentos anos do período do Antigo Testamento, os gregos assumiram o controle do mundo, impondo sua língua, que se tornou muito popular entre os judeus. Os nomes hebraicos - hag haqasir e hag xabu´ot - perderam as suas atualidades e foram substituídos pela denominação Pentecostes, cujo significado é cinquenta dias depois (da Páscoa). Como o Império Grego passou a ter hegemonia em 331 a.C., é provável que o nome Pentecostes tenha ganhado popularidade a partir desse período.

Pentecostalismo:
Pentecostes é o símbolo do Cenáculo, onde os Apóstolos se reuniram, pela primeira vez, à espera do Espírito Santo. No Cenáculo, desde a fundação, a comunidade cristã aí se reúne, para ser conduzida pelo Sopro Inspirador, compartilhando o amor em Cristo. Atualmente o 50.º dia após a Páscoa é considerado pelos cristãos o dia de Pentecostes. Pentecostes é quando o Espírito Santo visita os apóstolos e desce sobre eles, na forma de fogo (mera representação). A partir daí os apóstolos passam a pregar o Evangelho em línguas estranhas: Há ação do Espírito Santo no ser humano sempre que este se converte dos seus pecados, pelo arrependimento, e passa a crer em Jesus Cristo como único e suficiente Senhor e Salvador, pedindo a Deus que lhe revista e encha do Espírito Santo. Tal experiência é chamada de batismo no Espírito Santo. Isto tem ocorrido durante toda a história do cristianismo, sendo enfatizado, especialmente, em meados do século XX com o surgimento das primeiras Igrejas Pentecostais, as quais enfatizam os dons do Espírito, e também pelos membros da Renovação Carismática Católica (RCC) que, seguindo a doutrina e as diretrizes de sua Igreja, fazem o mesmo.

Bibliografia:
Bíblia

   

Indice - compilado por Beraldo Figueiredo

Página Principal