Indice                 -                 Compilado por Beraldo Figueiredo                        -              Página Principal

 

117.3 - SATANISMO

 

117.1 - SATANISMO

117.2 - ANTON SVANDER LAVEY

117.3 - OUTROS TIPOS DE SATANISMO

117.4 - DIABO

117.5 - DICIONÁRIO DOS DEMÔNIOS

117.6 - PACTO COM O DEMÔNIO

117.7 - O ESPIRITISMO E O SATANISMO

 

 

117.1 - SATANISMO

O satanismo é uma seita centrada em torno de Satã ou outra entidade identificada como Satã, ou centrada nas forças da natureza, em particular da natureza humana, representada por Satã como um arquétipo. Ao contrário de muitas religiões e filosofias, o satanismo LaVey foca a sua atenção no avanço hedonista do indivíduo em vez de a focar na submissão a uma divindade (Exemplo: cordeiro de Deus, servo de Deus) ou a um conjunto de códigos morais, contudo existem outras formas de satanismos na sociedade contemporânea, diferentemente da formulação de LaVey

Origem do termo:

O termo Satan originou-se do judaísmo e se expandiu entre cristãos e seguidores do islamismo, chegando desse modo a disseminar-se entre diferentes culturas. Em hebraico o termo quer dizer adversário, opositor, se opondo, ir contra.

 

O termo satanismo foi utilizado pelas religiões abraâmicas para designar práticas religiosas que consideravam estar em oposição direta do deus abraamico.

 

Princípios do satanismo:

O satanismo é contra o modo de ser da crença católica, variantes das cristãs, ou qualquer outra em que se adore um Deus ou uma divindade exterior; ou é eleita uma pessoa para ser a representante viva de um Deus ou de uma Deusa ou dos deuses na Terra.

Em uma das linhas do satanismo cada ser vivo é o seu próprio Deus e governante, cada um é responsável pelos seus atos e o seu modo de ser. Cada um é o seu próprio sacerdote, salvador e Deus.

 

Alguns casos há efetivamente o culto a uma entidade espiritual, que pode ser denominada por satã ou receber outro nome.

 

Em outros casos, o que é rejeitado é a idéia de culto a algo externo à pessoa. O que se busca é a expressão da plena liberdade e responsabilidade da pessoa por si mesma. É por vezes considerado uma forma de ateísmo ou como uma forma de anti-cristianismo.

Outro aspecto é se o movimento utiliza-se de rituais, com caráter religioso próprio, ou se está fundamentado numa atitude filosófica e prática. O predomínio de um ou outro aspecto caracteriza diferentes movimentos satanistas.

 

117.2 - Anton Szandor LaVey:

 

Nome de nascimento era "Howard Stanton Levey". conhecido por Anton Szandor LaVey nasceu na cidade de Chicago, em 11 de abril de 1930 - Faleceu em 29 de outubro, 1997. Fundou a Igreja de Satã no ano de 1966 em San Francisco, Califórnia, EUA. Além de líder da primeira organização abertamente satânica da história, LaVey também trabalhou como músico, fotógrafo forense, ocultista e domador de feras em circos.

 

Esta é uma das poucas informações coerentes sobre sua vida. De resto, há um grande conflito em sua biografia. LaVey teria recebido ensinamentos ocultistas de sua avó cigana. Ainda teria viajado para a Alemanha ao lado de um tio, e trabalhado em circos, cabarés e até mesmo na Polícia de San Francisco. LaVey também teria vivido romances com as atrizes Marilyn Monroe e Jayne Mansfield.

 

Em 30 de abril de 1966, foi fundada a Igreja de Satã (Church of Satan) por Anton LaVey. Apesar de já haver grupos como o Hell Fire Club e o Abbey of Thelema, que cultivavam uma linha semelhante, a Igreja de Satã foi a primeira organização reconhecida como religião dedicada às filosofias satânicas, e considerada a precursora do satanismo moderno. É provável que o nome Church of Satan tenha sido adotado como uma forma de causar um impacto polêmico e chamar a atenção da imprensa. As "Missas Satânicas", que eram paródias das missas cristãs, possivelmente foram criadas com o mesmo objetivo. Portanto, seriam apenas recursos publicitários empregados por LaVey.

 

Assim, a Igreja de Satã recebeu uma atenção muito grande por parte da sociedade e da imprensa americana, logo atingindo uma notoriedade mundial. LaVey passou a ser considerado o Papa Negro e sua esposa Diane Hegarty, foi nomeada Suma Sacerdotisa.

 

Em 1º de fevereiro de 1967, ocorreu em San Francisco a cerimônia de casamento entre John Raymond, jornalista político, com Judith Case, filha de um conhecido advogado de Nova York. Apesar de não ser o primeiro casamento satânico realizado por Anton LaVey, a fama de John e Judith serem de famílias abastadas, despertou grande interesse e a cerimônia tornou-se um evento amplamente coberto pela imprensa.

 

Em maio do mesmo ano, LaVey conduziu o batismo de sua filha de três anos, Zeena. Foi o primeiro batismo satânico da história. Zeena vestia um manto vermelho e usava um medalhão com a imagem de Baphomet, enquanto seu pai recitava uma invocação que futuramente foi incluída no livro Satanic Rituals.

 

Em 1969, a Igreja já contava com 10 mil adeptos em todo o mundo. Anton LaVey publicou The Satanic Bible, que se tornaria a principal referência do Satanismo. Ainda seguiram-se The Compleat Witch em 1970 (posteriormente revisto e editado como The Satanic Witch) e em 1972, The Satanic Rituals.

 

A Igreja desenvolvia sua estrutura e hierarquia nas décadas de 70 e 80. Em 1984, Anton LaVey separa-se de Diane e sua filha Zeena ocupa a posição de Suma Sacerdotisa. Nesse período, as Missas Negras e outras cerimônias deixam de ser realizadas devido a intolerância de grupos cristãos.

Anton LaVey passa a administrá-la apenas através do Boletim Oficial The Cloven Hoof. Em 1988, este informativo foi extinto e algumas publicações independentes tornaram-se a forma de interagir os adeptos em diversas partes do mundo. Ainda houve um grupo que se desligou da Igreja e formou o Temple of Set (relativo à divindade egípcia Set).

Anton LaVey faleceu em outubro de 1997 devido a um edema pulmonar. Atualmente, a Igreja é presidida por Peter Gilmore.

Por: Spectrum  

 

Satanismo de LaVey

Satanismo

O Satanismo de LaVey é o nome dado à forma de Satanismo sistematizada por Anton LaVey na Bíblia Satânica e outras obras. Dentro deste Satanismo , Satã é visto como uma força da natureza que deve ser desenvolvida pelo seu praticante através das práticas da magia.

 

Os nove pecados satânicos:

1.Estupidez: "Satanistas devem aprender a ver através dos truques."

2.Pretensão: "Posturas vazias não estão de acordo com as regras capitais da Magia."

3.Solipsismo:

4.Auto-engano/auto-ilusão

5.Conformismo de massa

6.Falta de perspectiva

7.Negligência (ou esquecimento) dos ortodoxos passados

8.Orgulho contra produtivo

9.Falta de estética.

 

No satanismo, as pessoas não seguem nenhum tipo de livro religioso, como a Bíblia, da Igreja Católica. A Bíblia Satânica de Lavey é como um livro de base, para as pessoas conhecerem sobre o satanismo. Ainda assim, esse livro é cheio de falsas informações para "filtrar" as pessoas que são realmente dignas de se auto-denominarem "satanistas" (Lembrando que um dos pecados capitais do Satanismo é a Estupidez).

 

A Igreja de Satã (Inglês: Church of Satan) foi a primeira organização religiosa abertamente satânica, fundada por Anton Szandor LaVey, intitulado pelos seus seguidores como "O Papa Negro".

Grupos satanistas já existiam nos Estados Unidos e no Reino Unido em 1950, mas foi em 30 de abril de 1966, quando LaVey anunciou a criação da Igreja, que foi reconhecida a primeira organização religiosa dedicada às filosofias satânicas. É provável que o nome Igreja de Satã tenha sido adotado como forma de causar impacto e chamar a atenção da imprensa, bem como a realização das Missas Satânicas, que eram paródias das missas cristãs e voltadas à sociedade de Hollywood. Também há a crença de que, além da provocação, o nome tenha sido escolhido por representar o não-espiritual, a carne e também o homem-deus (auto-realizado). O Satanismo de LaVey é em sua essência uma filosofia humanista e anticristã, principalmente em relação à repressão sexual e ao sentimento de culpa cristão.

 

O satanismo não prega o culto a Satã como o demônio descrito pelas religiões monoteístas, mas sim por seu significado. A palavra Satã significa "adversário" e foi adotada pelos satanistas como meio de representar a oposição aos dogmas cristãos estabelecidos.

 

Neo-satanismo:

No neo-satanismo, Satanás (não existe diabo) não é visto como uma entidade viva, mas sim como um símbolo de vitalidade, poder, virilidade, sexualidade e sensualidade. Satanás é visto como uma força da natureza, não uma divindade viva. O conceito a respeito de Satanás não tem nada que ver com o inferno, demônios, tortura sádica ou o Mal. Satanás não passa de representações para sentimentos naturais humanos.

Já no satanismo, não existe o culto ao diabo. O satanismo é uma filosofia de vida, a palavra Satã significa opositor (opositor a Deus no caso do cristianismo). Logo, o satanismo clássico é uma filosofia de pensar e agir

 

117.3 - OUTROS TIPOS DE SATANISMO:


 

 

Luciferanismo:

O Luciferanismo pode ser considerado uma derivação da filosofia empregada no Satanismo. Seus seguidores não cultuam Lúcifer (Lúcifer é visto como um Anjo, e não como a personificação do mal no cristianismo), mas o vêem como uma referência para alcançar a Iluminação Espiritual. Sendo que a origem de seu nome significa Portador da Luz. Mais sobre LÚCIFER NESTE LINK.

 

Satanismo Gótico:

Neste caso, o termo Gótico é sinônimo de Medieval. Esta variação faz parte apenas das lendas criadas na Idade Média pela Igreja Católica para atemorizar os cristãos e servir de acusação nos processos inquisitórios. O caso das Bruxas de Salém em 1692, é um exemplo. Nesta variação lendária do Satanismo, seus adeptos sacrificavam crianças e animais em rituais de magia destrutiva.

 

Dabblers Satânicos:

Está principalmente associada aos modismos adolescentes. Seus adeptos ensaiam rituais esporádicos de magia utilizando-se do sacrifício de pequenos animais. É essencialmente uma forma de anticristianismo, onde os Dabblers (aficionados) adoram o demônio conhecido no cristianismo e se camuflam sob uma condição que julgam satânica. Igualmente chamado de Devil Worshippers (Adoradores do Demônio), também está associado a delinqüentes que alegam cometer os crimes motivados por Satã.

 

Satanismo Religioso:

É a forma mais difundida de Satanismo. Possui dogmas e a bíblia satânica. Também abriga aspectos místicos e cerimoniais, como batizado e casamento, que o caracterizam como uma religião. Porém, não há uma divindade cultuada nem conceitos sobre céu e inferno, bem e mal ou deus e diabo. A Church of Satan e o Temple of Set são exemplos do satanismo religioso.

 

BAPHOMET, Pentagrama e a Cruz Invertida:

 

Em meio às diversas polêmicas que compõem o tema do satanismo, alguns pontos não ficam totalmente esclarecidos. Por exemplo, a representação de uma cabra com corpo humano encontrada nos cultos do satanismo religioso é denominada Baphomet, que já era conhecida desde os tempos pré-cristãos.

Portanto, não possui nenhuma relação com o demônio conhecido no cristianismo. Para os satanistas, Baphomet é uma energia da natureza que os motiva a conseguir seus objetivos . Neste caso, a cabra com corpo humano e asas simboliza força, fertilidade e liberdade, características muito valorizadas pelos povos pagãos.

 

O pentagrama é um símbolo encontrado originalmente nas culturas pré-cristãs com diversos significados. No caso do satanismo religioso, é utilizado com duas pontas voltadas para cima, simbolizando a face de Baphomet (bode).

 

A origem da cruz invertida nos remete a São Pedro, que não se julgava digno de morrer como Jesus e pediu para ser crucificado de cabeça para baixo. Este símbolo é encontrado na Basílica do Vaticano, no trono ocupado pelo Papa, etc.

Porém, a Cruz invertida também foi adotada por grupos que se intitulam satanistas ou anticristãos.

 

FAUNOS:

 

Baphomet, vem de longe (antes da era Cristã), visualmente pode estar relacionado ao Deus(Grego), os latinos chamavam-no também de Fauno e Silvano.

Fauno era uma divindade romana dos campos, bosques, pastores e da profecia.

 

Sua aparência lembrava bastante Pã (Grécia), com chifres curtos enroscado (carneiro, bode), orelhas pontudas e pés com cascos grossos, barba rala, cavanhaque em algumas pinturas.

 

Ser da natureza, supostamente um elemental. Da mesma categoria do nossa Saci Pererê.


Há ainda antigas descrições que mostram Fauno com as pernas e a cauda de um gamo e uma pele suave no corpo, com braços e face de um bonito jovem. A ele atribui-se a criação da charamela, um tipo de flauta.
 

 

 

Fontes:

  • Wikipédia,

  • Spectrum, http://www.spectrumgothic.com.br/ocultismo/crencas/satanismo.htm

  • A Bíblia Satânica - Anton Szandor LaVey,

  • Fui Um Deles - F. Carvalho (Conjunto de informações que questionam a vida de LaVey).

  • Gato Místico.

 

117.4 - DIABO

Diabo (do latim diabolus, por sua vez do grego antigo διάβολος, transl. diábolos, "aquele que separa") é o nome mais comum atribuído à entidade sobrenatural maligna da Tradição judaico-cristã, o Satanás.

 

É a representação do mal, com sua suposta forma original de um anjo Querubim, um anjo de alto escalão da hierarquia angelical, que foi expulso dos Céus por nele se encontrar o princípio da corrupção universal.

 

Com seu parecer ainda desconhecido, muitas são as tentativas de reproduzi-lo. O mais popular o levaria a ter uma cor vermelha, com feições humanas, mas com chifres, rabo pontiagudo e um tridente na mão, para remeter a um cetro.

 

Alguns acreditam que este parecer foi criada, sobretudo, pela Igreja Católica.

 

Tal opinião alega que, como ela poderia perder seus fiéis para o paganismo, apropriou-se de um elemento de cada deus pagão e reuniu-os, para que toda vez que um de seus fiéis olhasse para uma divindade sentisse medo, associando-a a Satanás[carece de fontes?]. Assim a perda de fiéis diminuiu notavelmente.[carece de fontes?]

Outra forma também comum quanto ao parecer corresponde a de um ser metade humano, metade bode, com o pentagrama invertido inscritos no corpo (imagem de Baphomet), embora não tenha ligação com Baphomet, que foi a imagem iniciada pela Igreja Católica.

Fonte: Wikipédia

 

117.5 - DICIONÁRIO DE DEMÔNIOS:

 

A

Abaddon - (hebreu) o destruidor.
Adramelech - demônio sumeriano.
Ahpuch - demônio maia.
Ahriman - demônio mazdeano
Amon - deus egípcio da vida e reprodução, com cabeça de carneiro
Apollyon - sinônimo grego para Satan, o arquidemonio.
Asmodeus - Asmodeus é tido como um dos cinco príncipes do inferno. Asmodeus (também Asmodai) é o demónio do sexo e da Luxúria, podendo tanto desunir como unir casais. Na Bíblia (Livro de Tobias) é este o demónio responsável pela morte dos noivos de Sara
Certas teses demonológicas advogam que Asmodeus é filho de Adão e Lilith, sendo que foi gerado quando Lilith ainda era esposa de Adão e ambos viviam no paraíso. Mais tarde Lucifer veio a possuir Eva (a segunda mulher de Adão), e desse segundo relacionamento sexual nasceu Caim. Caim e Asmodeus são por isso os primeiros primogénitos da história humana, ambos condenados aos domínios infernais.
Astaroth -  Este demônio encontra-se referido na obra de Salomão, assim como no Dictionnaire Infernal.
Astaroth é um demônio da primeira e mais alta hierarquia, que influi sobre os pecados da preguiça e vaidade.
Este demónio possui também a capacidade de ensinar ciências matemáticas, assim como de revelar tesouros escondidos.
Astaroth pode também responder a todas as perguntas que se lhe colocarem, se formuladas de acordo com os devidos procedimentos ritualisticos.

Astarte - Rainha dos espítos mortos, esposa de Ashtaroth.
Azazel - (hebreu) instruiu os homens a criarem armas de guerra, introduziu os cosméticos.
 

B

Baalberith - senhor canaanita da Convenção, que se tornou mais tarde um demônio.
Balaam - demônio grego da avareza e cobiça.
Baphomet - adorado pelos Templários como símbolo de Satan.
Bast - deusa egípcia do prazer representada pelo gato.
Beelzebuth - (hebreu) senhor das moscas, tomada do simbolismo do escaravelho.
Behemoth - personificação hebraica de Satan na forma de um elefante.
Beherit - nome sírio para Satan.
Bile - deus celta do inferno.
 

C

Chemosh - deus nacional de Moabites, mais tarde um demônio.
Cimeries - monta um cavalo negro e rege a África.
Coyote - demônio do índio americano.

Clauneck - Demônio dos tesouros.
Clisthert - Demônio que transforma o dia em noite.
Colopatiron - Ajusta as prisões abertas.

Cresil - Demônio das impuresas.

D

Dagon - demônio filisteu vingativo do mar.
Damballa - deusa serpente do Vodu.

Dantalian - Um dos 72 espíritos de Salomão.
Demogorgon - nome grego para demônio, diz-se que não seria conhecido pelos mortais.
Diabolus - (grego) "fluindo para baixo".
Dracula - nome romeno para demônio.  Vampiro, príncipe da noite e das trevas


E

Eblis - Deus do fogo, o arcanjo"Lúcifer".

Emma-O - regente japonês do inferno.

Euronymous - príncipe grego da morte.


F

Fenriz - filho de Loki, descrito como um lobo.

Feurety - Cuida do fogo do palácio de Satanaz.
Furfor - Contador do inferno.


G

Geryon - Centauro guardião do inferno.
Guland - Causa todos os males.

Gorgo - diminutivo de Demogorgon, nome grego para demônio.
 

H

Haborym - sinônimo grego para Satan.
Hades - Deus grego dos Inferno.

Hecate - deusa grega do mundo subterrâneo e feitiçaria.
 

I

Ishtar - deusa babilônica da fertilidade.

 

J
Jezebedth - Demônio da falsidade.
 

K

Kali - (hindu) filha de Shiva, alta sacerdotisa de Thuggees.
 

L

Leviathan - (hebreu), a serpente.
Lilith - demônio feminino hebraico, primeira mulher de Adão que lhe ensinou as cordas.
Loki - demônio teutônico.

Lúcifer: Diabo, satanás, representa a oposição a Deus pela bíblia cristã, pelos hebreus. Significa literalmente estrela da manhã.
 

M

Mammon - deus aramaico da riqueza e do lucro.
Mania - deusa etrusca do inferno.
Mantus - deus etrusco do inferno.
Marduk - deus da cidade de Babilônia.
Mastema - sinônimo hebreu para Satan.
Melek Taus - demônio yesidi.
Mephistopheles - (grego) quem evita luz, Faustus.
Metzli - deusa azteca da noite.
Mictian - deus azteca da morte.
Midgard - filho de Loki, descrito como uma serpente.
Milcom - demônio amônia.
Moloch - demônio fenício e canaanita.
Mormo - (grego) rei dos Ghouls, consorte de Hecate.
 

N

Naamah - demônio feminino grego da sedução.
Nergal - deus babilônico do Hades.
Nihasa - demônio do índio americano.
Nija - deus polaco do mundo subterrâneo.
 

0

O-Yama - nome japonês para Satan.
 

P

Pan (Pã) - Deus grego da luxúria, depois relegado ao demonismo.
Plutão - deus romanodo mundo subterrâneo (o mesmo Hades dos gregos).
Proserpine - rainha grega do mundo subterrâneo.
Pwcca - nome Gales para Satan.
 

R

Rimmon - demônio sírio adorado em Damasco.
 

S

Sabazios - demônio frigio, identificado com Dyonisus, adorado como serpente.
Saitan - equivalente enoquiano de Satan.
Sammael - (hebreu) "Veneno de Deus".
Samnu - demônio da Ásia Central.
Sedit - demônio do índio americano.
Sekhmet - deusa egípcia da vingança.
Set - demônio egípcio.
Shaitan - nome árabe para Satan.
Shiva - Na tradição hindu, Shiva é o destruidor, que destrói para construir algo novo, motivo pelo qual muitos o chamam de "renovador" ou "transformador".
Supay - Deus inca do mundo subterrâneo.

 

T

T'an-mo - contraparte chinesa para demônio, cobiça, desejo.
Tchort - nome russo para Satan, "Deus Negro".
Tezcatlipoca - nome azteca do inferno.
Thamuz - deus sumeriano que mais tarde foi relegado ao demonismo.
Thoth - deus egípcio da magia.
Tunrida - demônio feminino escandinavo.
Typhon - personificação grega de Satan.
 

Y

Yaotzin - Deus azteca do inferno.
Yen-lo-Wang - regente chinês do inferno.

 

V
Verin - Demônio da impaciência.

Z
Zeernebooch - (alemão), monarca do império da morte.

 

Fonte: Coletânea de diversas obras.

 

117.6 - PACTO COM O DEMÔNIO

As histórias de pactos entre humanos e as forças do Mal são tão comuns no passado longínquo como hoje em dia. A forma de se realizar esses "contratos" que envolvem nossa alma imortal certamente mudou com o tempo, mas a figura do demônio continua sendo muito atraente para algumas pessoas.

Alex Alprim e Gilberto Schoereder

 

Na maioria das histórias populares sobre pessoas que fizeram o famoso pacto com o demônio, os humanos sempre se dão mal. Com exceção de

alguns pequenos contos, mais humorísticos do que outra coisa, o Mal sempre leva a vantagem, seja escrevendo aquelas letras miúdas num contrato, seja não contando toda a verdade a respeito de como ele vai "cumprir" o pacto. E, mesmo quando nada disso exista, a pessoa já sabe que, ao final do contrato, ela vai ter que pagar entregando sua alma imortal e passando a eternidade em sofrimento. De uma forma ou de outra, o final da história é sempre desfavorável aos mais fracos: nós.

Então, por que essas histórias - e as tentativas reais de se pactuar com o Mal - atraem tanto a humanidade ao longo do tempo? Para algumas pessoas, pode ser devido à facilidade de se obter agora, já, uma felicidade que as forças do Bem geralmente prometem para um futuro etéreo, distante, pós-morte e, portanto, invisível e mais difícil de ser visualizado.

Até onde se sabe, as tentativas de se comunicar e conhecer o mundo invisível, ou espiritual, datam do início da humanidade. O homem primitivo já procurava, de forma intuitiva, obter o conhecimento de forças que se encontravam além de sua compreensão e identificação imediata. Pode-se chamar de forças espirituais, sobrenaturais, divinas, demoníacas; o que se quiser. Para escapar da decadência da idade, das doenças, das incertezas do destino, para superar as limitações físicas e mentais e garantir sua sobrevivência no dia-a-dia, os primeiros seres humanos buscavam favores das divindades utilizando sacrifícios e rituais que invocavam as forças invisíveis que porventura estivessem agindo em cada. caso.

No reinado de Luís XIV, vários nobres participaram de rituais de sangue, com assassinato de centenas de crianças.

Mas não era uma adoração unicamente inocente.

Já se acreditava na existência de uma força benigna e de outra maligna, esta última agindo nas sombras e capaz de prejudicar as pessoas.

 

COM O SURGIMENTO DAS PRIMEIRAS SOCIEDADES ORGANIZADAS, as prioridades mudaram. O que era apenas uma questão de sobrevivência passou a abrigar outros pensamentos e desejos, como o de obter poder e de se sobressair nos clãs. Assim, a tentativa de contato com as forças espirituais ganhou novos contornos: o Mal deixou de ser necessariamente um inimigo, e se tornou um eventual aliado poderoso.

Essa crença do homem na existência do Mal está presente em todas as eras da humanidade. No Egito antigo e na Mesopotâmia, surgiram hordas de gênios e de forças demoníacas; elas faziam parte de todas as atividades diárias e prejudicavam o homem fazendo-o adoecer e trazendo a infelicidade para sua vida.

No entanto, foi apenas na Pérsia, com o Zoroastrismo, que o Mal se personificou e ganhou um nome e uma face: Angra-Manyu, que se contrapunha à face do Bem, Ahura-Mazda. Ambos devem lutar até o fim dos tempos pela supremacia cósmica.

Na Bíblia - que sofreu forte influência do Zoroastrismo - temos a menção de uma força maligna personificada na queda do anjo Lúcifer (Luz da Manhã), que depois se torna Satanás (O Adversário). Segundo os estudos bíblicos, sua queda foi resultado da recusa, por orgulho, em adorar o homem como teria sido ordenado por Deus; ele acreditava que os homens é que deveriam adorar os anjos, e não o contrário. Também caíram os anjos que o apoiaram, formando assim as hostes demoníacas.

Satanás luta contra as obras divinas procurando destituir a humanidade de sua natureza divina e tentando provar que o homem é indigno da deferência exigida por Deus. O Mal é identificado e suas ações são combatidas numa luta eterna, semelhante àquelas que os homens primitivos travavam no princípio de suas buscas espirituais: tudo o que prejudicava humanidade era fruto do Mal e a luta contra suas ações envolvia os homens de fé.

No Gênesis, Adão e Eva são tentados e expulsos do Paraíso pelas ações de Satanás. Ele é a força que instiga a queda, a inveja, o medo, a infelicidade, um Adversário dedicado a sobrepujar o homem e, em última instância, destruí-lo. Mas na visão judaico cristã, existe a garantia de que, no fim dos tempos, o Mal será sobrepujado e o homem e o Bem vencerão.

NA IDADE MÉDIA, O DEMÔNIO ESTAVA EM TODOS OS LUGARES; sua presença era sentida debaixo de cada pedra, em cada sombra. É como se, na verdade, Deus estivesse perdendo a guerra contra o Mal. Os monges cristãos, principalmente os anacoretas do deserto, relatavam encontros com tais entidades. Surgiam descrições detalhadas das hordas demoníacas e de suas atribuições. O cristianismo se expandia pela Europa e entrava em choque com as crenças pagãs locais, em alguns casos, crenças milenares.

 

Tudo o que não podia ser transformado em culto e objeto cristão era creditado ao demônio. As bruxas, ou melhor, as mulheres sábias, passaram a ser consideradas servas das forças malignas. Não importava se curavam doentes ou se ajudavam na fertilidade das plantações; todas eram perseguidas como tendo feito um pacto com o demônio e sofriam torturas e a morte, geralmente na fogueira.

Os deuses pagãos europeus ganharam espaço ao lado dos anjos caídos nos exércitos demoníacos. A Igreja usou a figura do deus Cernunnos - figura clássica do Deus Co mudo - como representação básica do demônio. Satanás já não era um anjo furioso e belo, mas sim, um ser zoomórfico, um bode que mesclava a aparência bestial com a humana.

 

O homem da Idade Média temia o demônio, mas reconhecia nele o poder e chegava a lhe pedir favores, ainda que sempre temendo ser descoberto pelos padres e submetido ao julgamento da Igreja. Contudo, sua vida diária era atribulada, cheia de inseguranças, medo e dor. A fome e as doenças atingiram . níveis assustadores; as guerras eram constantes e a falta de esperança no futuro era generalizada.

Os feudos lutavam entre si e a população assumia os riscos e o peso de sustentar guerras que duravam gerações. Como os antigos deuses faziam parte das hostes demoníacas, os camponeses não podiam recorrer a eles para lhes garantir a colheita e escapar do universo opressivo em que viviam. Com isso, surgiram condições para se desenvolver uma nova forma de bruxaria e de culto, que invocava as forças do diabo e de suas hostes para extravasar suas frustrações, ter prazeres que lhes eram negados e escapar das opressões.

 

Enquanto no sabá da bruxaria tradicional as celebrações tinham como objeto a Deusa e uma estrutura ritualística matriarcal ligada à adoração dos deuses da natureza e da terra sem menção ao inferno ou ao pecado e à danação eterna - nos cultos ao diabo era clara a oposição à Igreja.

Havia uma negação das verdades cristãs, um rompimento com os dogmas religiosos e uma aceitação da via demoníaca como forma de conquistar as metas e objetivos, fossem individuais ou coletivos. O batismo cristão era renegado, os envolvidos no culto ganhavam um batismo em nome do Diabo, e uma marca do seu compromisso.

DURANTE o SABÁ SATÂNICO, EM MEIO A COMIDAS E DANÇAS, consumia-se grande quantidade de bebidas, o que fazia aflorar desejos reprimidos, embalados por ritmos crescentes. Geralmente, terminavam em orgias que culminavam com missas oficiadas de forma a serem paródias dos cultos católicos.

Na alta Idade Média (do século 5 ao século 10), a figura do diabo, os cultos e as liturgias - já muito distantes dos sabás tradicionais das bruxas - atingiram seu auge, com grande número de pessoas participando ativamente. Com a notoriedade dos rituais, a Igreja Católica intensificou os tribunais inquisitórios.

Já na baixa Idade Média (do século 10 ao século 15), as perseguições religiosas levaram essas práticas a quase desaparecem. Mas o comércio, que estava em decadência no período anterior, ressurge, e as trocas comerciais estimulam o intercâmbio entre o Oriente e a Europa. Um grande fluxo de estudiosos, magistas e alquimistas transitam pelos feudos e reinos. Surgem os grimórios - livros que incluem fórmulas mágicas para várias aplicações - e as práticas satânicas sobrevivem nos porões dos castelos.

 

No reinado de Luís XIV (1638-1715), os salões da nobreza se tornaram palco de eventos que figuraram entre os mais hediondos da história da França. Embora existisse a proibição dos rituais, as autoridades fingiam não ver. Vários nobres - entre os quais a principal amante do rei - cometiam atos hediondos, como o assassinato de centenas de crianças em rituais de magia, usando seu sangue nas missas e rituais diabólicos; heresias contra símbolos católicos e o envenenamento de rivais, fosse por meio de pós e ungüentos ou pelo uso de feitiços malignos.

Durante as missas negras, o sacrifício de crianças, as orgias e assassinatos eram a regra. Feiticeiros, clérigos apóstatas e supostos magos cometiam crimes e angariavam seguidores com ameaças e chantagens. O próprio rei chegou a sofrer com a situação; ele e sua preferida, Mme. Fontages, foram ameaçados de morte. Posteriormente, o rei tomou medidas duras e impôs controles para evitar que tais práticas continuassem a prosperar, estabelecendo penas e castigos que atingiam até mesmo aqueles que lhe eram próximos.

Com o clima de denúncias e delações que se estabeleceu, os cultos coletivos se tornaram perigosos e diminuíram. Mas os nobres e membros da burguesia nascente continuaram a buscar outras vias para vencer as adversidades e obter poder. Alimentados pela ambição e pela inveja, buscaram o pacto com o diabo, pois a união com as forças demoníacas é uma promessa de que tudo isso será conseguido de forma rápida e infalível, resultando num domínio mágico do universo visível e invisível.

No entanto, falar dos pactos entre Satanás e os homens pode resultar em graves erros de julgamento de natureza moral e ética, pois vários relatos desses pactos eram baseados em mentiras ou eram frutos do interesse da Igreja na luta contra as crenças pagãs. Ainda assim, o mágico e o fantástico continuam a se insinuar nas histórias. A mais conhecida delas, Fausto, de Goethe (1749-1832), veio a influenciar todas as histórias subseqüentes.

FAUSTO É UMA FIGURA CONTROVERSA. HÁ os QUE ACREDITAM QUE ele teria sido uma pessoa real e não apenas um personagem, e que teria firmado um pacto com as forças demoníacas. Afirma-se que existiu um Fust que viveu na Alemanha e que teria sido sócio de Johan Gutenberg (c. 1400-1468), mas nem todos os pesquisadores dessa época da história confirmam essa afirmação.

A lenda diz que Fausto, estando em péssima situação financeira e com seu pai extremamente doente, pensou que faria qualquer coisa para salvar o pai e sair da miséria, até mesmo vender sua alma imortal ao diabo. Nesse instante, um cão que sempre o acompanhava começou a uivar e a se transformar no demônio. Com um giz, Fausto traçou um círculo de proteção à sua volta e recitou uma conjuração, obrigando o demônio a se manifestar.

Quem lhe apareceu foi Mefistófeles, o mais importante dos anjos caídos a seguir a Satanás, e o mais temido dos chefes infernais. O pacto que Mefistófeles lhe apresenta é o agora já clássico: oferece saúde, riqueza e poderes sobrenaturais em troca de sua alma imortal, num contrato com duração de 24 anos. Assim, Fausto teve tudo o que desejava, mas se apaixonou por uma mulher que recusou suas investidas. Mefistófeles viu seus planos perturbados por esse amor e tentou fazer com que Fausto se esquecesse dela trazendo, do passado, mulheres lindas e famosas como Helena de Tróia e Cleópatra. Mas ele não se esqueceu de seu amor e acabou conquistando-a. Quando o tempo do contrato venceu, Fausto tentou fugir de Mefistófeles, mas sem sucesso: sua alma foi consumida e enviada para o inferno.

Outra história famosa de pacto é a de São Cipriano, figura conhecida de qualquer estudante de ocultismo, com seu livro que reuniria centenas de feitiços e fórmulas de feitiçaria, assim como informações para conjurar e estabelecer um pacto com o demônio.

Cipriano, o Feiticeiro, nasceu na Antioquia, por volta de 250 d.C. Recebeu uma educação profunda nos mistérios das ciências antigas e ocultas. Estudou todos os ramos da magia que estavam ao seu alcance, diz-se que manteve contato com diversas forças espirituais e demônios. As informações a seu respeito também dizem que ele teria aprendido tudo com a famosa bruxa de Évora, que lhe deixou vários manuscritos que, posteriormente, iriam se tornar seu livro mais conhecido, o Capa Preta.

Cipriano teria feito um pacto com o demônio para ampliar seus poderes, conjurando espíritos, construindo castelos em pleno ar e sendo servido por potências infernais, aterrorizando os governantes. Cipriano se converteu ao cristianismo depois de tentar, sem sucesso, usar sua arte diabólica para conquistar o amor de uma mulher, em nome de um jovem que o procurara. Cipriano descobriu que a mulher tinha se convertido ao cristianismo e que o Deus dos cristãos era também o senhor do demônio e, assim, não havia como vencê-lo.

Depois de convertido, São Cipriano foi preso pelo imperador romano Diocleciano, sendo torturado e morto, tornando-se um mártir cristão.

capacidade para tal, mas principalmente por não perceber exatamente onde se encontra a tal da felicidade, em que ela consiste. o

Aquilo que, em tempos passados, era uma busca ocasional pelo poder e por riquezas, se transformou numa obsessão. O mundo moderno - com sua enxurrada de produtos e comportamentos que são apresentados diariamente às o deus Cernunnos pessoas como coisas indispensáveis às suas vidas - criou uma necessidade de se estabelecer pactos de várias espécies.

Se for possível definir o Mal de uma forma mais abrangente, entendendo-o como sendo alguns ingredientes da vida moderna como a política, os absolutamente necessários 15 minutos de fama, a necessidade compulsiva de consumir, de ser melhor, de se destacar custe o que custar, então será possível dizer que os pactos com o Mal estão mais presentes do que nunca, e as formas de se realizar esses pactos deixaram de ser tão facilmente detectadas, O próprio demônio já não é tão facilmente identificável; ele tem assumido muitas caras, diferentes atitudes aparentemente inocentes, embaladas de forma atraente.

Nas casas dos prováveis pactuantes modernos, provavelmente não vamos encontrar pentagramas desenhados no chão, velas, livros negros de orações para os demônios e outros objetos que, no passado, eram necessários para estabelecer essa ligação com o lado sombrio e negativo do mundo invisível. Hoje, essa ligação é quase direta, porque é possível entender que esse lado sombrio já não é tão invisível quanto já foi, e já não está tão distante do nosso mundo quanto já esteve.

A dimensão paralela do Mal já estabeleceu bases sólidas em nossa própria dimensão, e age a partir dela. Qualquer pacto pode ser feito diretamente com os representantes do demônio em nosso planeta.

Na verdade, a pessoa pode estar fazendo esse pacto até mesmo sem saber. Os representantes do demônio na Terra são muitos, bastante atuantes e facilmente identificáveis para aqueles que têm olhos para ver.

Retirado na integra da Revista SEXTO SENTIDO - Ano 5 - Número 53 

ARTISTAS ACUSADOS DE VENDER A ALMA AO DIABO:


Xuxa x Igreja Universal

A Rainha dos Baixinhos está movendo um processo contra o jornal “Folha Universal” da Igreja Universal do Reino de Deus – pedindo uma indenização de 3 milhões de reais por danos morais – que traz uma reportagem sobre um suposto pacto que Xuxa teria feito com o demo, belzebu, demônio (ele tem vários nomes).
“Contrato com o diabo” é o nome da manchete que diz que Xuxa vendeu sua alma ao diabo pela incrível quantia de 100 milhões de dólares.
Que coisa doida, a muito tempo “eles” falam que a Xuxa fez trato com o capeta, (se passar próximo a “loja” dá para escutar, eles gritam paca) mas deram mole e publicaram isso no jornal.
Será que eles realmente acham a Xuxa fez pacto com o diabo? Está certo que as crianças que ela “aturou” durante anos eram uns capetinhas, mas não quer dizer que ela fez um tato com eles.
Assessoria de imprensa da Rainha dos Baixinhos confirmou a ação, mas disse que ela não quer se pronunciar sobre o caso antes que o processo seja concluído.
Mas afirma que “respeita todas as religiões, tem fé e amor a Deus e toda sua vida foi voltada para fazer o bem, a exemplo do trabalho que desenvolve na fundação que leva o seu nome.”
Fala a verdade, alguém ai acredita no capeta?
Fonte: Babado

CONCLUSÃO DA JUSTIÇA:
Justiça do Rio condenou a Editora Gráfica Universal, da igreja do bispo Edir Macedo, a pagar a Xuxa Meneghel R$ 150 mil de danos morais por associá-la ao satanismo. A Universal poderá recorrer da sentença.

Em agosto de 2008, a Folha Universal, de responsabilidade da editora da igreja, publicou um longo texto dando crédito a Josué Yrion, folclórico pastor brasileiro radicado nos Estados Unidos, segundo o qual a apresentadora da TV Globo vendeu sua alma para o diabo por U$ 100 milhões (R$ 168 milhões) para obter sucesso.

Na capa, o jornal abriu uma foto de Xuxa sob o título “Pacto com o Mal?”, conforme reprodução acima. Em uma página interna, publicou a foto de um homem de costas representando o demônio, com o título “Contrato com o Diabo”.

Em um vídeo postado no Youtube, e citado pela Folha Universal, Yrion diz coisas como a palavra Xuxa é composta por duas entidades do candombé (Exu e Orixa), que apresentadora doa sangue duas vezes por ano à Igreja do Satanás (em São Francisco, EUA) e que a boneca que leva o nome dela matou no Brasil uma menina.

A publicação da Igreja Universal ressalta que “Yrion parece conhecer do que fala”.

Para reforçar o tal pacto com o diabo, ela recorreu a outro vídeo em que a apresentadora canta “Cãozinho Xuxo”, música que, tocada de trás para frente, seria uma invocação ao diabo. Legendas induzem a essa interpretação.

 

Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2011/01/10/xuxa-ganha-indenizacao-de-jornal-por-dizer-que-ela-e-satanista.jhtm

 



ARTISTAS E BANDAS ASSOCIADAS AO PACTO COM O DEMÔNIO:
O primeiro estilo musical a sofrer acusação de envolvimento com ligações demoníacas foi o blues.
Muitas histórias sobre músicos ou bandas que teriam vendido suas almas ao diabo, bem ao estilo de Goethe.
Uma famosa lenda envolve Robert Johnson falecido em 1938 guitarrista e cantor americano do R&B. O caso que virou lenda diz que o cantor, depois de haver tentado varias vezes e sem sucesso uma carreira como músico, resolveu trocar sua alma pela fama. O mistério da história é que em menos de um 1 ano ele já era chamado de rei do Blues vendendo mais de um milhão de cópias. Seu pacto, tocar a meia noite em uma encruzilhada, até se encontrar com o Lúcifer/Satanás/Capiroto. GEROU O FILME A ENCRUZILHADA.


Trecho da musica Me and the devil blues

Hoje de manhã cedo
quando você bateu na minha porta
E eu disse "Olá, Satan, acho que é hora de ir"
Eu e o demônio andávamos lado a lado
Eu vou bater em minha mulher até ficar satisfeito
Ela diz que não sabe porque aquilo
Vou tratar ela como um cachorro
Deve ser aquele velho demônio
tão enterrado no chão
Você pode enterrar meu cadáver
na beira da estrada
Então meu velho demônio pode
pegar um ônibus e dirigir



Já no Rock temos vários outros exemplos, bandas como Black Sabbath, a bruxa do rock Alice Cooper, AC/DC,
Marylin Manson e Deicide
são os que tem as histórias mais famosas:


 

 

Black Sabbath: Um dos primeiros grupos de ‘heavy metal’ da história e o primeiro a adotar publicamente temática e visual satânicos. Foi formado em 1968, varias letras da banda retratam o ocultismo.









Alice Cooper: Vincent Furnier seu verdadeiro nome segundo ele próprio foi sugerido em uma sessão coma "a tábua de ouija" quase a mesma brincadeira do compasso ou jogo do copo
O espirito da Tábua teria lhe indicado seu nome artistico.
O visual do ROCKSTAR e sua maquiagem viriam sua marca registrada.







 

 

 

AC/DC: Formada em 1973, na Austrália a banda AC/DC é mais uma lenda de alma vendida ao demonio. Há malucos que dizem que o nome da banda significa
Anti Crist/ Death Christ.
Na capa de “Highway to Hell” de 1979, Angus Young está com chifres de demônio.










Marilyn Manson: Pouco antes da morte de Lavey fundador de uma igreja satânica e escritor de livros sobre magia e oultismo inclusive a "Bíblia Satânica" nomeou Marilyn como sacerdote satânista, tanto que é chamado também de "Reverendo"
Manson nega o pacto e não se intitula satanista apenas considera os mandamentos satanicos válidos.











Deicide: Banda americana que foi formada em 1987 tem como referencia o nome de :"dei" que significa "Deus", e "cide" significando "Aquele que mata". Assim "deicide" significa "Aquele Que Mata Deus".
As pertubantes letras e sua oposição a religiões causam muitos boatos divulgados distorcidamente na mídia.








Sendo verdade ou não, vale lembrar que cada um desses acima alcançou dinheiro e fama, mas por essas ligações com o capeta eles perderam alguns fãs, o que é uma pena, já que muitas que muitas bandas afirmam que só buscam este tipo de ligação com Satanás por puro marketing .

 

Fonte:http://www.clubedoscanalhos.com/2011/04/artistas-e-bandas-e-suas-historias-de.html

 

 

PINTURAS E IMAGENS MALDITAS:

O Retrato de Dorian Gray (Dorian Gray, 2009) seria um bem-vindo retorno do jovem eterno ao cinema, mas o filme do diretor londrino Oliver Parker também não faz justiça ao único romance de Oscar Wilde (1854-1900).

Frase atribuída a Wilde: todo autor, em seu primeiro romance, coloca-se como Cristo ou Fausto no lugar do personagem. A história de Dorian Gray - rapaz da alta sociedade inglesa no século 19 que tem seu retrato pintado por um artista e, encantado com a sua própria beleza na tela, pede em voz alta que nunca envelheça - tem as características de um pacto faustiano com o diabo. O teor religioso, porém, é marginal no livro. O Fausto de Goethe só serve a Wilde como um arquétipo.

Este "Retrato de Dorian Gray" é curioso. Um jovem que se envaidece de si mesmo, que se torna amante de si mesmo e da arte abstrata e pura, e que em seu nome de inanidades sociais, insensibiliza, diagnóstica e se auto-desculpa. Não há redenção naquele jovem, mesmo quando acaba por querer mudar de vida, já que o faz pelo fato novidade, pelo amor ao novo, à arte de viver... Cheia de ilustrações que ele já quase tinha esgotado numa vida sensaborona e sem interesse humano do que a vilanização do ser...

O romance, de forte cariz estético, conta a história fictícia de um homem jovem chamado Dorian Gray na Inglaterra aristocrática e hedonista do século XIX, que torna-se modelo para uma pintura do artista Basil Hallward. Dorian tornou-se não apenas modelo de Basil pela sua beleza física (um "Adônis que se diria feito de marfim e pétalas de rosa"), mas também tornou-se uma fonte de inspiração para outras obras e, implicitamente no texto, uma paixão platônica por parte do pintor. Mas o seu retrato, que Basil não quer expôr por ter colocado "muito de mim mesmo", foi sua grande obra-prima.

No entanto, segundo Henry, a beleza é efêmera. Até mesmo a inteligência lhe é prejudicial: "a beleza, a verdadeira beleza, acaba onde principia a expressão inteligente", enquanto que "a beleza é uma forma de gênio... mais elevada que o gênio, pois dispensa explicação". Dorian foi seduzido pelas palavras de Henry e pela tristeza de seu destino: "o senhor dispõe só de alguns anos para viver deveras, perfeitamente, plenamente. Quando a mocidade passar, a sua beleza ir-se-á com ela; então o senhor descobrirá que já não o aguardam triunfos, ou que só lhe restam as vitórias medíocres que a recordação do passado tornará mais amargas que destroçadas.".

Ao ver-se em seu retrato finalmente pronto, exaspera-se:

"Eu irei ficando velho, feio, horrível. Mas este retrato se conservará eternamente jovem. Nele, nunca serei mais idoso do que neste dia de junho... Se fosse o contrário! Se eu pudesse ser sempre moço, se o quadro envelhecesse!... Por isso, por esse milagre eu daria tudo! Sim, não há no mundo o que eu não estivesse pronto a dar em troca. Daria até a alma!" .

Fonte: Wikipedia e omelete.com

 

A LENDA DO QUADRO DO DIABO (QUADROS DE CRIANÇAS)
Posted on 27/02/2007, 2:37, by Hiro.
 

Eis que por acaso, devido ao tópico sobre pinturas em veludo negro, algumas almas gentis vindas de Portugal me escreveram informando mais sobre quadros de crianças chorando. Parece que eles foram muito, muito populares nas terrinhas de Cabral, mais até que no Brasil. Toda casa tinha um, era um ítem de decoração obrigatório como um galo de Barcelos ou paliteiro de porcelana
É impossível falar desses quadros sem falar da fama horrenda que os cerca. Graças aos correspondentes de Portugal, essa história ficou mais evidente. Fiquei curioso e procurei através dos links que eles me enviaram (são vários) como seria o danado do quadro amaldiçoado pra postar aqui.

E qual não foi minha surpresa em descobrir que TODOS os quadros de criança chorando são considerados do mal? Que todos os quadros com crianças chorando trazem tragédias pra casa, que trazem doenças e o diabo dança na mesa de jantar…essa lenda urbana não é brasileira, ela é comum em todos os países latinos e alguns outros da Europa, como Holanda e República Tcheca.

Todos eles dizem que se virar o quadro ao contrário, olhar a imagem em um espelho ou mesmo procurar atentamente você vai encontrar a cara do chifrudo!
Não é o que diz o ditado? Que o diabo mora nos detalhes? Hahaha!

Imaginem! Pintores fazendo pacto com o diabo! E pensava que a gente só fazia isso quando negociava valor de uma ilustração com o diabo do editor ou do art buyer.

A lenda urbana completa dizia que o Quadro do Menino Chorando, quando virado ao contrário, surgia a imagem do demônio. Não poderia ser queimado, senão liberaria o mofento. Nem poderia ser jogado no lixo, pois o quadro daria um jeito de retornar ao dono (!!!). O único jeito de se livrar do quadro era jogá-lo num rio que corresse para o sul e não olhar para trás!

Outras versões dizem que os quadros (todos!) foram pintados por um sujeito que pertencia à uma sociedade secreta em Barcelona que sacrificavam crianças para terem imortalidade!!

Algumas pessoas diziam que os quadros mudam de feição à meia-luz, outros dizem que os olhos dos meninos seguem você para onde você vai!

Na Inglaterra houve uma coisa parecida com histeria coletiva e até queimaram esses quadros em público,como se fosse um bota-fora anti-demônico. Se é verdade que queimando libera o capeta, foi depois disso (1985) que surgiu Margareth Tatcher.
Ok, “The Sun” não é a fonte de informação mais confiável, mas o tema permite….

Quer ver outra coisa bizarra relacionada com os quadros do diabo? Um fotograma de um vídeo de uma casa onde aconteceu combustão espontânea…com um quadro desses no fundo.


Botar fogo na casa e jogar a culpa numa criança bidimensional é de uma imaturidade atroz….e por mim o sujeito ainda colocou a imagem do quadro com ajuda de um Photoshop. “Ó mãe, o menino do quadro mandou botar fogo na casa”.

Agora, pra coisa ficar ainda mais estranha, encontrei um site muito, muito bizarro. O nome já diz tudo: Crying Boy Fan Club!!!

Já não bastasse o clamor brega das pinturas, a fama demoníaca encapada sob criancinhas soltando lagriminhas, agora existe um clube de adoradores de quadros de criança chorando! E ainda é holandês (você não vai conseguir clicar nada lá, parece que ainda tá em construção, a não ser um quadrado estranho que quando clicado dá uma mensagem de erro. Isso sim dá uma sensação ruim pra diabo na gente.

São 2 da manhã e vou parando por aqui senão EU vou começar a ver crianças chorando no corredor de casa (como em O Iluminado). Brrr!!!

Fonte:

http://www.hiro.art.br/widonid/2007/02/27/a-lenda-do-quadro-do-diabo/


ESPIRITISMO (ALLAN KARDEC):

O QUE PENSA O ESPIRITISMO SOBRE O PACTO COM O DEMÔNIO:

 

117.7 - O ESPIRITISMO E O SATANISMO

 

LIVRO DOS ESPÍRITOS - página 100 questão 131
Se houvesse demônios, seriam obra de Deus. Mas, porventura, Deus seria justo e bom se houvera criado seres destinados eternamente ao mal e a permanecerem eternamente desgraçados?

 

Se há demônios, eles se encontram no mundo  inferior em que habitais e em outros semelhantes. São esses homens hipócritas que fazem de um Deus justo um Deus mau e vingativo e que julgam agradá-lo por meio das abominações que praticam em seu nome.

A palavra demônio não implica a idéia de Espírito mau, senão na sua acepção moderna, porquanto o termo grego daïmon, donde ela derivou, significa gênio, inteligência e se aplica aos seres incorpóreos, bons ou maus, indistintamente. Por demônios, segundo a acepção vulgar da palavra, se entendem seres essencialmente malfazejos.

 

Como todas as coisas, eles teriam sido criados por Deus. Ora, Deus, que é soberanamente justo e bom, não pode ter criado seres prepostos, por sua natureza, ao mal e condenados por toda a eternidade. Se não fossem obra de Deus, existiriam, como Ele, desde toda a eternidade, ou então haveria muitas potências soberanas. A primeira condição de toda doutrina é ser lógica. Ora, à dos demônios, no sentido absoluto, falta esta base essencial.

 

Concebe-se que povos atrasados, os quais, por desconhecerem os atributos de Deus, admitem em suas crenças divindades maléficas, também admitam demônios; mas, é ilógico e contraditório que quem faz da bondade um dos atributos essenciais de Deus suponha haver Ele criado seres destinados ao mal e a praticá-lo perpetuamente, porque isso equivale a Lhe negar a bondade. Os partidários dos demônios se apóiam nas palavras do Cristo. Não seremos nós quem conteste a autoridade de seus ensinos, que desejáramos ver mais no coração do que na boca dos homens; porém, estarão aqueles partidários certos do sentido que ele dava a esse vocábulo? Não é sabido que a forma alegórica constitui um dos caracteres distintivos da sua linguagem?

 

Dever-se-á tomar ao pé da letra tudo o que o Evangelho contém? Não precisamos de outra prova além da que nos fornece esta passagem: "Logo após esses dias de aflição, o Sol escurecerá e a Lua não mais dará sua luz, as estrelas cairão do céu e as potências do céu se abalarão. Em verdade vos digo que esta geração não passará, sem que todas estas coisas se tenham cumprido."

Não temos visto a Ciência contraditar a forma do texto bíblico, no tocante à Criação e ao movimento da Terra? Não se dará o mesmo com algumas figuras de que se serviu o Cristo, que tinha de falar de acordo com os tempos e os lugares? Não é possível que ele haja dito conscientemente uma falsidade. Assim, pois, se nas suas palavras há coisas que parecem chocar a razão, é que não as compreendemos bem, ou as interpretamos mal.

Os homens fizeram com os demônios o que fizeram com os Anjos.

 

Como acreditaram na existência de seres perfeitos desde toda a eternidade, tomaram os Espíritos  inferiores por seres perpetuamente maus. Por demônios se devem entender os Espíritos impuros, que muitas vezes não valem mais do que as entidades designadas por esse nome, mas com a diferença de ser transitório o estado deles.

 

São Espíritos imperfeitos, que se rebelam contra as provas que lhes tocam e que, por isso, as sofrem mais longamente, porém que, a seu turno, chegarão a sair daquele estado, quando o quiserem. Poder-se-ia, pois, aceitar o termo demônio com esta restrição. Como o entendem atualmente, dando-se-lhe um sentido exclusivo, ele induziria em erro, com o fazer crer na existência de seres especiais criados para o mal. Satanás é evidentemente a personificação do mal sob forma alegórica, visto não se poder admitir que exista um ser mau a lutar, como de potência a potência, com a Divindade e cuja única preocupação consistisse em lhe contrariar os desígnios. Como precisa de figuras e imagens que lhe impressionem a imaginação, o homem pintou os seres incorpóreos sob uma forma material, com atributos que lembram as qualidades ou os defeitos humanos. É assim que os antigos, querendo personificar o Tempo, o pintaram com a figura de um velho munido de uma foice e uma ampulheta. Representá-lo pela figura de um mancebo fora contra-senso. O mesmo se verifica com as alegorias da fortuna, da verdade, etc. Os modernos representaram os Anjos, os puros  Espíritos, por uma figura radiosa, de asas brancas, emblema da pureza; e Satanás com chifres, garras e os atributos da animalidade, emblema das paixões vis. O vulgo, que toma as coisas ao pé da letra, viu nesses emblemas individualidades reais, como vira outrora Saturno na alegoria do Tempo.

OBREIROS DA VIDA ETERNA – Francisco Cândido Xavier – André Luiz - página 232
As igrejas dogmáticas da Crosta Terrena possuem erradas noções acerca do diabo, mas, inegàvelmente, os diabos existem. Somos nós mesmos, quando, desviados dos divinos desígnios, pervertemos o coração e a inteligência, na satisfação de criminosos caprichos...


OPINIÃO DO ESPIRITISMO SOBRE O PACTO:

LIVRO DOS ESPÍRITOS:  questão 549

 

Não há pactos. Há, porém, naturezas más que simpatizam com os maus Espíritos.

Por exemplo: queres atormentar o teu vizinho e não sabes como hás de fazer. Chamas então por Espíritos inferiores que, como tu, só querem o mal e que, para te ajudarem, exigem que também os sirvas em seus maus desígnios. Mas, não se segue que o teu vizinho não possa livrar-se deles por meio de uma conjuração oposta e pela ação da sua vontade.

 

Aquele que intenta praticar uma ação má, pelo simples fato de alimentar essa intenção, chama em seu auxílio maus Espíritos, aos quais fica então obrigado a servir, porque dele também precisam esses Espíritos, para o mal que queiram fazer. Nisto é que consiste o pacto.


O fato de o homem ficar, às vezes, na dependência dos Espíritos inferiores nasce de se entregar aos maus pensamentos que estes lhe sugerem e não de estipulação quaisquer que com eles faça. O pacto, no sentido vulgar do termo, é uma alegoria representativa da simpatia existente entre um indivíduo de natureza má e Espíritos malfazejos.

 

LIVRO DOS ESPÍRITOS - questão 550

São apenas lendas, as estórias em que figuram indivíduos que teriam vendido suas almas a Satanás para obterem certos favores.

Todas as fábulas encerram um ensinamento e um sentido moral. O vosso erro consiste em tomá-las ao pé da letra. Isso a que te referes é uma alegoria, que se pode explicar desta maneira: aquele que chama em seu auxílio os Espíritos, para deles obter riquezas, ou qualquer outro favor, rebela-se contra a Providência; renuncia à missão que recebeu e às provas que lhe cumpre suportar neste mundo. Sofrerá na vida futura as conseqüências desse ato. Não quer isto dizer que sua alma fique para sempre condenada à desgraça. Mas, desde que, em lugar de se desprender da matéria, nela cada vez se enterra mais, não terá, no mundo dos Espíritos, a satisfação de que haja gozado na Terra, até que tenha resgatado a sua falta, por meio de novas provas, talvez maiores e mais penosas. Coloca-se, por amor dos gozos materiais, na dependência dos Espíritos impuros. Estabelece-se assim, tacitamente, entre estes e o delinqüente, um pacto que o leva à sua perda, mas que lhe será sempre fácil romper, se o quiser firmemente, granjeando a assistência dos bons Espíritos.

Fontes:

http://www.guia.heu.nom.br/demonios.htm

http://www.guia.heu.nom.br/pactos.htm






 

   

Indice                 -                 Compilado por Beraldo Figueiredo                        -              Página Principal