Índice Projeciologia  -  Índice do Site Principal - Compilado por Beraldo Lopes Figueiredo                Página Projeciologia   -   Página Principal

04 - FASE PRÉ-PROJETIVA DA CONSCIÊNCIA              

ÍNDICE:

04.1 - Fases Pré-Projetiva

04.1.01 - Preparação

04.1.02 - Entorpecimento Físico

04.1.03 - Balonamento

04.1.04 - Catalepsia Astral

04.1.04.1 - Narcolepsia Projetiva

04.1.04.2 - Medicina explica

04.1.05 - Estado Vibracional

04.1.06 - Sons Intracranianos

04.1.07 - Hipnagogia

04.1.08 - Pré-Decolagem

04.1.09 - Estado Transicional

04.1.10 - Instabilidade do Psicossoma

04.1.11 - Visão Dupla Extrafísica

04.1.12 - Bradicinésia Extrafísica

04.1.13 - Outros Sintomas

04.1.14 - Parapsicolepsia

04.1.15 - Estado Vibracional Fraco

04.1.16 - Coração dispara na hora do EV

04.1.17 - Respiração Acelerada

04.1.18 - Abrir os olhos na hora da decolagem

04.1.19 - Cordão Astral

04.1.20 - Sentidos do Corpo Físico

04.1.21 - Excesso de Saliva - Salivação

04.2 - Explicando o Estado Vibracional

04.2.1 - Perguntas mais Frequentes

04.2.2 - O que é o Estado Vibracional?

04.2.3 - Tipos de Estado Vibracional

04.3 - Estado Vibracional por Waldo Vieira

04.4 - Uma opinião sobre Estado Vibracional dentro da Física Quântica

04.5 - As Ondas Cerebrais

 

04.1 - FASE PRÉ-PROJETIVA (sintomas):
 

04.1.01 - PREPARAÇÃO:

  • Roupas leves: não usar roupas que apertem;

  • Ambiente semi-escuro ou penumbra, estar adaptado, confortável, não sentir perdido;

  • Tranqüilidade: estar tranqüilo;

  • Ter objetivos claros e definidos;

  • Ansiedade:não ficar ansioso, tudo tem seu tempo para acontecer (Controle Emocional);

  • Medo: procurar não transformar o temor em pânico;

  • Posição: Após deitar escolher uma posição geralmente decúbito dorsal (barriga para cima).

  • Relaxamento: Esticar os músculos e soltá-los. Aplicar a técnica de relaxamento, cadenciar a respiração.

  • Capacidade de Concentração, fixar um objetivo por um longo tempo. (Controle Mental).

04.1.02 - ENTORPECIMENTO FÍSICO:
A
causa do entorpecimento físico está na desativação do sistema nervoso através da inibição das terminações nervosas. É um sinal que a projeção se prepara para ser realizada.

Sinônimos: insensibilidade, torpor físico, relaxamento corpóreo, anestesia orgânica.

 

Freqüência:A queda da freqüência cardíaca, diminuição dos batimentos do coração, constitui o fator básico para predispor o organismo humano ao estado de entorpecimento.


04.1.03 – BALLONNEMENT (BALONAMENTO):
 

Definição: Ballonnement: sensação de expansão física, porém, na verdade, de origem extrafísica, ou proveniente do duplo etérico, de qualquer área do corpo humano, seja, o rosto, os membros, o tronco, ou até mesmo todo o organismo celular, que parecem crescer, se avolumar, dilatar, estufar, ou inflar, semelhantes a um balão.

 

Sinonímia: "balonamento"; reação extrafísica de inflar; sensação de estufamento corporal; sensação de expansão corporal; sensação do corpo tufado.

 

Freqüência: A sensação mais comum de ballonnement ocorre com a dilatação, estufamento , inchação, ou engrossamento, aparentes e em todas as direções, das mãos, pés, e área do plexo solar, e suposto intumescimento de lábios, bochechas, e mento, freqüentes nas atividades parapsíquicas principalmente com os médiuns passistas e psicofõnicos.

 

Decolagem: Às vezes o fenômeno do ballonnement surge para o projetor nos momentos anteriores à decolagem dopsicossoma, ou no período da pré-decolagem, seja antes ou concomitante com o estado vibracional e constitui efeito da própria exteriorização do psicossoma, em geral acompanhado de lastro maior do duplo etérico.

 

Sensação: O efeito do ballonnement não deve causar apreensão ou medo, mas alegria ao praticante, pois tal sensação representa uma das primeiras evidências pessoais da decoincidência dos seus vefculos de manifestação ou do fato de que a sua consciência encarnada está começando a deixar a matéria densa com alguma lucidez.

 

Incorporação: No fenômeno do ballonnement, além das sensações advindas da expansão do duplo etérico e do próprio psicossoma do animista-médiurn, ocorre também durante a incorporação (psicofonia) de entidade desencarnada. Neste caso, o animista-médium sente o psicossoma do ser desencarnado, assim como este sente o psicossoma, o duplo etérico e o corpo humano do médium. Evidentemente, o ballonnement, nesta oportunidade, se faz mais pronunciado e intenso quando um médium franzino, com possibilidades de efeitos físicos, recebe a incorporação de um ex-encarnado obeso, podendo então ocorrer até autotransfigurações físicas.

 

Bolha: O fenômeno do ballonnement demonstra, de modo insofismãvel para quem o experimenta, que o psicossoma, na verdade, é um corpo-bolha, e que as sensações parapsíquicas sentidas têm relação direta com o duplo etérico.

 

Timpanismo: Não se pode confundir o ballonnement de origem extrafísica, aqui analisado, com o ballonnement, sensação de origem física, abdominal, por exemplo, devido à distensão patológica do tubo intestinal por gases, abordado na Patologia Médica pelas expressões: "meteorismo", "timpanismo", ou "pneumatose".

 

Bibliografia: Annond (53, p. 127), Greenhouse (636, p. 224), Paula (1208, p. 79), Reis (1384, p. 53), Tourinho (1692, p. 100), Vieira (1762, p. 19)

 

Fonte: Viera, Waldo – Projeciologia – 1ª Edição, 1986.


04.1.04 – CATALEPSIA ASTRAL:

Terror Noturno (Night Terror) é um termo designado para explicar a experiência pela qual uma pessoa pode passar durante um episódio de Paralisia Noturna - ou seja, Sleep Paralysis. E existe uma boa razão por que esse fenômeno é chamado de "terror Noturno". Imagine o terror mais terrível e mais apavorante que você já viveu, pois é muito pior. Alucinações tão reais quanto a realidade. Alguém (ou pior, ALGO) vindo te atacar fisicamente, enquanto você está paralizado e completamente indefeso na cama.

 

Paralisia do Sono, catalepsia Projetiva. Uma das sensações mais sentidas pelas pessoas, A medicina chama isso de paralisia noturna, paralisia do sono, Mas na realidade é quando o corpo astral começa o desprendimento, ele está querendo se libertar dos enlaces do corpo físico, se estivermos acordados sentiremos esse desconforto de não poder mexer com o corpo. Para sair deste estado é mexer com uma extremidade dos membros (dedinho), engolir seco. Mas se continuarmos quietinho virá o segundo sintoma, as vezes até simultaneamente com a CATALEPSIA acontece o ESTADO VIBRACIONAL.

 

Nota-se por relatos de vários projetores que enquanto o corpo astral projetado estiver deitado na vertical, estará sempre em estado cataleptico ou parcialmente cataléptico.

 

CATALEPSIA PROJETIVA:

Definição: Catalepsia (Grego: katalepsis, surpreender) projetiva: estado psicofísico caracterizado pelo enrijecimento dos membros, insensibilidade, respiração lenta e impossibilidade passageira de a consciência encarnada lúcida mover o corpo humano estando sediada conscientemente dentro dele, em razão de uma dissociação entre a sensibilidade e as faculdades motoras.

 

Sinonímia: catalepsia astral; catalepsia extrafísica; catalepsia fisiológica; catalepsia pré-OBE; catalepsia pós-projetiva; consciência cataléptica; despertamento paralítico projetivo; imobilidade tônica projetiva; paralisia cataléptica projetiva; paralisia desperta; paralisia física projetiva; paralisia generalizada projetiva; pseudo-despertar; quarto estado; suspensão de sensações e movimentos, Nercolepsia.

 

Peso: Na experiência de catalepsia projetiva, logo no início da sua manifestação, a consciência encarnada sente que de certo modo está dentro da massa da matéria do corpo humano. Contudo, não consegue movimentá-la, como se fosse assoberbada por reação física de peso que lhe dá a estranha impressão de que o corpo humano - ou o conjunto dos veículos de manifestações da própria consciência - pesa centenas de quilos, tendo a sensação de estar o corpo humano pressionado de encontro ao leito, o que impede a consciência de executar qualquer movimento muscular, por mínimo que seja.

 

Tipos: Há dois tipos básicos de catalepsia projetiva: a catalepsia da ida, ou pré-projetiva; e a catalepsia da volta, ou pós-projetiva. A catalepsia projetiva da ida ocorre quando a consciência sai do estado da vigília física ordinária e procura adentrar o plano extrafísico. A catalepsia projetiva da volta surge quando a consciência projetada se interioriza no corpo humano e procura despertar fisicamente.

 

Pós-projetiva: Na ocorrência da catalepsia da volta, no retorno do psicossoma, ou pós-projetiva - muito mais freqüente e interessante - a consciência vem quente com as sensações extrafísicas colhidas, às vezes à distância, estando o psicossoma-condensador reabastecido de energia cósmica, quebrando a estrutura imperturbável e granítica do processo da reencarnação, sentindo-se como se tivessem' sido destruídas as barreiras entre os planos da vida, alargando-se os horizontes mentais ao infinito.

 

Benigna: O estado da catalepsia projetiva, extrafísica ou fisiológica, invariavelmente de natureza inofensiva ou benigna, isto é, breve e sem conseqüências danosas, não deve ser confundido com a dramática catalepsia física ou patológica, invariavelmente de natureza maligna, caracterizada por verdadeiro estado mórbido, que surge em fases pré-agônicas, e que pode ocasionar o enterramento do corpo humano do indivíduo suposto clinicamente morto.

 

Psicopatologia: Do ponto de vista psicopatológico, no raro estado mórbido de consciência da catalepsia, chamado "síndrome simuladora da morte", a pessoa se sente incapacitada para se mover e até pode escutar o que fazem à volta do seu corpo humano paralisado. Este estado reproduz quase todos os caracteres da morte biológica, especialmente estes três: a queda do metabolismo basal ou o fato de o corpo humano esfriar; os batimentos cardíacos em fibrilação, ou seja, quase imperceptíveis; a midríase ou a abertura total das pupilas (ocorrência que surge invariavelmente dois a três minutos após a morte física), embora o sangue continue a fluir de forma constante.

 

Duração: Segundo ainda a Psicopatologia, não existe estado cataléptico que ultrapasse seis horas pois aí o paciente entraria em sofrimento cerebral e ocorreria então o óbito. Geralmente há o retorno espontâneo do doente à vida normal, quando são aplicados cardiotônicos e oxigênio.

 

Necropsia: As possibilidades de uma pessoa ser necropsiada ou sepultada indevidamente são hoje muito remotas, embora sempre seja explorada pela literatura, componha tema de filmes de mistério, participe do folclore da morte e apareça como tema do misticismo, etc. A necrópsia, segundo a lei, só é feita seis horas depois do óbito. O corpo que chega aos Institutos Medico-Legais só é levado para a geladeira depois de cumprir as seis horas de espera, antes do exame criterioso para evitar o risco de se congelar alguém que ainda viva fisicamente. Por isso, o risco de iniciar a necrópsia de alguém que ainda vive e esteja afetado pelo estado de catalepsia é, assim, inexistente.

 

Bloqueios: A catalepsia projetiva acontece mais freqüentemente nas primeiras experiências do projetor encarnado, causada pela barreira do medo ou falta de preparo para se projetar conscientemente. Não raro, a catalepsia projetiva impressiona a consciência sugestíonavel, insegura, e amedrontada, que desconhece qualquer tipo de técnica projetiva e se apavora com a ocorrência, podendo sobrevir daí bloqueios passageiros (recesso projetivo) para novas saídas suas pelo psicossoma, com lucidez, durante certo período.

 

Ponte: Na catalepsia projetiva, a criatura encarnada pode ainda sentir, dentro do corpo humano, os movimentos mínimos do psicossoma, com a consciência praticamente igual às condições do estado da vigília física ordinária, constituindo esse estado cataléptico verdadeira ponte entre os dois planos, - o físico denso e o extrafísico, - sem quaisquer interferências de outras inteligências encarnadas, desencarnadas ou mesmo conotações mediúnicas.

 

Sensações: As sensações gerais advindas ou subseqüentes ao estado de catalepsia projetiva são: afundamento do psicossoma no leito; escorregamento do psicossoma para um lado; drapejamenta para um lado de segmentos do psicossoma como as parapernas, os parabraços, etc.; elevação, saída do corpo humano e reentrada do psicossoma em seguida; percepção da consciência do seu corpo humano como se este fosse uma caixa lacrada; relação anormal da consciência encarnada com o fenômeno da respiração; satisfação íntima da consciência encarnada por experimentar a condição de possuir dois organismos, em diferentes planos de existência, com o poder indiscutível de neutralizar ou eliminar a pseudo tirania onipresente da matéria densa enquanto ainda se encontra na Terra.

 

Post-mortem: A propósito, segundo observam os projetores conscientes no plano extrafísico, os médiuns clarividentes nos leitos mortuários, e de acordo com as comunicações mediúnicas de entidades desencarnadas, a condição da catalepsia post-mortem acomete certas pessoas, por algum tempo, assim que se instala o processo da morte do seu corpo humano, ainda estando no seu leito funerário, antes de ocorrer o seu despertamento consciencial no plano extrafísico. Nestas círcunstancias, a consciência sente o seu corpo humano frio e não consegue mover qualquer partícula material. Os projetores humanos são chamados, - em razão do tipo ou da natureza de energia consciencial que possuem, a retirarem as consciências recém-desencarnadas desses estados catalépticos post-mortem.

 

Causa: Supõe-se que a causa real da catalepsia projetiva seja a impossibilidade temporária de comunicação consciencial entre a mente do psicossoma, no caso, o corpo mental sediado no paracérebro do psicossoma, e as áreas corticais motoras do cérebro físico, denso, do corpo humano. Talvez influa no processo alguma alteração ainda obscura das inserções psicofísicas, parabiológicas ou energéticas do cordão de prata em ambos os veículos de manifestação da consciência encarnada: o psicossoma e o corpo humano.

 

MOR: O breve estado de paralisia física ou incapacidade de movimentos próprio da catalepsia projetiva comumente ocorre, por alguns segundos, quando o sonhador acorda durante a fase dos movimentos oculares sincrônicos rápidos ou MOR, antes que o tônus muscular do seu corpo humano tenha tido tempo de ser restaurado.

 

Técnicas: Seguindo as técnicas fisiológicas, - sem cometer nenhum excesso físico ou mental, - não existem dificuldades para quebrar o estado da catalepsia projetiva, seja ela moderada ou intensa. Para isso existem dois processos simples: provocar o despertamento físico ou produzir a reprojeção da consciência através do psicossoma.

 

01. Despertamento: Neste processo, mais adequado à catalepsia pré-projetiva, a sua consciência deve procurar - querendo ardentemente - mover parte mínima de um órgão do corpo humano, seja uma pálpebra, um lábio, a língua, um dedo, ou mesmo respirar mais profundo, e despertar normalmente no estado da vigília física ordinária.

 

02. Reprojeção: Neste processo, mais adequado à catalepsia pós-projetiva, sua consciência deve querer deixar o corpo humano e se projetar, ou mais apropriadamente, se reprojetar

 

através do psicossoma, o que é menos difícil. Na maioria 90S casos não acontece o estado cataléptico depois da segunda projeção consciente.

 

Prova: Na qualidade. de fenômeno anímico, xenofrênico, para psíquico, realístico, e impressionante, a catalepsia projetiva constitui excelente prova da existência do corpo espiritual, ou seja, do psicossoma, para o próprio projetor. Como impressão fenomênica inesquecível, somente é superada pela experiência da decolagem consciente da consciência através do psicossoma.

 

Enterramento: Não se deve considerar a catalepsia projetiva um malefício, ou chegar a confundi-la com a catalepsia patológica, e nem temer qualquer ocorrência de enterro prematuro, ou involuntário, como conseqüência dessa condição psicofísica. Basta ponderar que o enterramento voluntário - fenômeno que foi comum no Oriente durante certo tempo - baseava-se, justamente, na catalepsia projetiva provocada (V. capo 48).

Estado. A consciência cataléptica é também chamada por pesquisadores orientais de quarto estado em relação à existência de outros três estados conscienciais: a vigília física ordinária; o sonho comum simbólico; e o sono natural sem sonhos.

 

Bibliografia Consultada:

 ADGMT (Dicionário da Doutrina Espirita, p. 51), Andreas (A ciência Fantástica, p. 55), Bayless (O outro lado da Morte;p. 112), Crookall (What Happens When you Die, p. 25), Digest (The Reader Digest, p. 350), El-Aowar (Parapsicanalise: Uma teoria para a paranormalidade, p. 100), Eliade (The Two and the one, p. 65), Fodor (Enciclopédia de Ciencia psíquica, p. 42), Gaynor (Dicionário do Misticismo, p. 33), Gómez (Glossário de Palavras novas,p. 28), Greenhouse (The Astral Jorney, p. 149), Kardec (O Livro dos Espiritos, p. 222), Krishna (The Secreto f Yoga,p. 103), Monroe (Viagens fora do corpo, p. 247), Morel (Dicionário de Parapsicologia, p. 47), Muldoon (Projeções do Corpo astral, p. 1.1), Paula (Dicionário de parapsicologia e Metapsiquismo e espiritismo, p. 69), Reis (Técnica física do desenvolvimento da consciência, p. 86), Rogo (Guia prática de Projeção Astral, p. 42), Salley (REM FENÔMENO durante as experiências fora do corpo, p. 157), Shepard (Ocultismo e Parapsicologia, p. 151), Spence (A enciclopédia do Ocultismo, p. 95), Swedenborg (O céu e o Inferno, p. 250), Tondriau (O Ocultismo, p. 207), Vieira (Projeções da Consciência: Diário de experiências fora do corpo, p. 160), Walker (Corpo duplo no plano astral, p. 69), Zaniah (1899, p. 106).

 

Fonte: Vieira, Waldo – PROJECIOLOGIA.

 

04.1.04.01 - Narcolepsia projetiva (Catalepsia Astral)

Texto de autoria do Dr. Luiz Luiz Otávio Zahar (médico)
Existe uma situação que é de "Quase viagem astral". Trata-se da paralisia do sono, ou como é conhecida pelos pesquisadores modernos das EFC´s, da catalepsia - ou como deveria ser denominada, narcolepsia - projetiva (1).

A paralisia do sono é considerada como a ocorrência de alucinações próximas ao adormecer. Acredita-se que ocorram quando a pessoa atinge o sono REM (2) imediatamente ou muito rapidamente, sem passar pelos outros estágios do sono. Esta situação também ocorre em pessoas normais e privadas de sono. Essa experiência, descrita como assustadora, ocorre no início do sono ou ao despertar. A pessoa não consegue se mexer ou falar - apesar do esforço mental para que isso ocorra - e de alucinações auditivas, visuais e cinestésicas (percepção de sons, de imagens, ou de movimentos corporais que só são sentidas pela pessoa. Estas alucinações ocorrem associadas aos episódios de paralisia do sono.

Esses quatro sintomas são denominados a “tétrade da narcolepsia”. Exames polissonográficos indicam que, nestes pacientes, o sono REM ocorria precocemente. Um fato relevante, somente observado durante o exame polissonográfico, é a interrupção ou fragmentação do sono por despertares, que, às vezes, são acompanhados por sonhos apavorantes – alguns autores denominam esses despertares como o quinto sintoma da narcolepsia.

Os pesquisadores das EFC´s têm uma outra explicação para o fenômeno, explicação esta que não exclui a abordagem neurológica, esboçada nos dois parágrafos anteriores.

Para estes, a narcolepsia projetiva se deveria a uma projeção astral parcial, onde um corpo astral ficaria meio desencaixado, como uma gaveta que saísse do seu trilho e não fechasse completamente.

Mas o que fazer numa situação como esta? Normalmente a coisa assusta bastante, a pessoa tenta gritar ou se mexer, mas se sente paralisada. Escuta sons ou vozes que assustam mais ainda. Normalmente dura poucos segundos, mas pode durar intermináveis e apavorantes minutos.

Wagner Borges, pesquisador carioca, recomenda: - Relaxe, pense em flutuar como uma bolha de sabão. Você viverá uma experiência maravilhosa.

Mas, acrescenta: - Se você não quiser saber de viagens astrais, faça então o seguinte, procure se concentrar num dedinho. O dedo mindinho, por exemplo. Tente mexer o dedinho, assim que ele começar a se mexer, você recuperará o controle do seu braço, e à seguir, de todo seu corpo.

Uma coisa é certa, quando você passar por uma experiência destas, não se apavore, você não está morrendo, está apenas vivenciando uma saída consciente do seu corpo físico, uma experiência que muitos lutam por décadas para conseguir. Não desperdice a oportunidade. Mas se o medo for muito grande, já sabe, pense no dedinho.

Zahar

(1) EFC: Acrônimo para Experiência Fora do Corpo.

(2) Sono REM (de rapid eye movementes): Fase do sono em que acontecem os sonhos

 

 

  04.1.04.02 - MEDICINA CONVENCIONAL EXPLICA CATALEPSIA PROJETIVA:

 

Paralisia do Sono é uma condição caracterizada por uma paralisia temporária do corpo imediatamente após o despertar ou, com menos freqüência, imediatamente antes de adormecer.
Fisiologicamente, ela é diretamente relacionada à paralisia que ocorre como uma parte natural do sono REM, a qual é conhecida como atonia REM. A paralisia do sono ocorre quando o cérebro acorda de um estado REM, mas a paralisia corporal persiste. Isto deixa a pessoa perfeitamente consciente, mas incapaz de se mover. Além disso, o estado pode ser acompanhado por alucinações hipnagógicas.
Com frequência, a paralisia do sono é vista pela pessoa afligida como nada mais do que um sonho. Isto explica muitos relatos de sonhos nos quais as pessoas se vêem deitadas na cama e incapazes de se mover. As alucinações que podem acompanhar a paralisia do sono tornam mais provável que as pessoas que sofram do problema acreditem que tudo não passou de um sonho, já que objetos completamente fantasiosos podem aparecer no quarto em meio a objetos normais. Alguns cientistas acreditam que este fenômeno está por trás de muitos relatos de abduções alienígenas e encontros com fantasmas.

Sintomas

Os sintomas da paralisia do sono incluem:
Paralisia: ela ocorre pouco antes da pessoa adormecer ou imediatamente após despertar. A pessoa não consegue mover nenhuma parte do corpo, nem falar, e tem apenas um controle mínimo sobre os olhos e a respiração. Esta paralisia é a mesma que acontece quando uma pessoa sonha. O cérebro paralisa os músculos para prevenir possíveis lesões, já que algumas partes do corpo podem se mover durante o sonho. Se uma pessoa acorda repentinamente, o cérebro pode pensar que ela ainda está dormindo, e manter a paralisia.
Percepções: Imagens e sons que aparecem durante a paralisia. A pessoa pode sentir presenças atrás dela ou pode ouvir sons estranhos. As percepções parecem-se muito com sonhos, possivelmente fazendo a pessoa pensar que ainda está sonhando. Algumas pessoas relatam sentirem um peso no peito, como se alguém ou algum objeto pesado estivesse pressionando-o. Há também pessoas que relatam terem saido do corpo, ou até "flutuar". Em projeciologia, este fenômeno natural é chamado de catalepsia projetiva, que são os momentos que precedem ou sucedem a projeção da consciência. Normalmente estamos inconsciêntes durante a projeção da consciência que ocorre durante o sono do corpo físico, mas alterações no padrão de sono, ou exercícios metódicos podem despertar a lucidez e trazer domínio da projeção da consciência.
Estes sintomas podem durar de alguns poucos segundos até vários minutos e podem ser considerados assustadores para algumas pessoas.

Possíveis Causas

A paralisia do sono acontece durante o período de sono REM, prevenindo assim movimentos corporais durante um sonho. Muito pouco se sabe sobre a fisiologia da paralisia do sono. Entretanto, já sugeriu-se que ela pode estar relacionada à inibição pós-sináptica de neurônios motores na ponte do tronco cerebral. Particularmente, níveis baixos de melatonina podem interromper a despolarização em atividade nos nervos, a qual previne o estímulo dos músculos.
Vários estudos concluíram que a maioria das pessoas experimentará a paralisia do sono pelo menos uma ou duas vezes em suas vidas.
Muitas pessoas que freqüentemente passam pela paralisia do sono também sofrem de narcolepsia. Alguns estudos sugerem que existem vários fatores que aumentam a probabilidade da ocorrência de paralisia do sono e de alucinação. Eles incluem:[1]
A indução consciente da paralisia do sono também é uma técnica comum para entrar em um estado de sonho lúcido ou projeção da consciência.
Dormir de barriga para cima
Agenda de sono irregular; cochilos; privação de sono
Stress elevado
Mudanças súbitas no ambiente ou na vida de alguém
Um sonho lúcido que imediatamente precede o episódio.
Sono induzido através de medicamentos, como anti-histaminas
Uso recente de drogas alucinógenas


TRATAMENTO:
Clonazepam é altamente efetivo no tratamento da paralisia do sono.[2] Ritalina já foi usada com sucesso como um medicamento diurno para promover padrões de sono estruturados e a prevenção da paralisia do sono em alguns adultos. Deve-se tomar cuidado em monitorar a pressão sangüínea em meio a outros testes apropriados
 

Referências Culturais

Na cultura Hmong, paralisia do sono descreve uma experiência chamada "dab tsog" ou "demônio apertador" da frase composta "dab" (demônio) e "tsog" (apertar, esmagar). Freqüentemente, a vítima afirma enxergar uma figura pequena, não maior que uma criança, sentando em sua cabeça ou peito.
Na cultura vietnamita, a paralisia do sono é conhecida como "ma de", que significa "segurado por um fantasma". Muitas pessoas nesta cultura acreditam que fantasmas entram no corpo das pessoas causando a paralisia.
Na China, paralisia do sono é conhecida como "鬼压身" (pinyin: guǐ yā shēn) ou "鬼压床" (pinyin: guǐ yā chuáng), o que pode ser traduzido literalmente como "corpo pressionado por um fantasma" ou "cama pressionada por um fantasma".
Na cultura japonesa, a paralisia do sono é conhecida como kanashibari (金縛り, que significa literalmente "atado ao metal".
Na cultura popular húngara a paralisia do sono é chamada "lidércnyomás" ("lidérc pressionante") e pode ser atribuída a um número de entidades sobrenaturais como "lidérc" (aparições), "boszorkány" (bruxas), "tündér" (fadas) ou "ördögszerető".[3]
Na cultura brasileira, a paralisia do sono pode ter originado a lenda da Pisadeira, segundo a qual, durante o sono, uma mulher lendária pisa sobre o peito da pessoa que está dormindo, enquanto essa vê tudo e não pode fazer nada.

Fonte: Wikipedia

 

04.1.05 – ESTADO VIBRACIONAL (E.V.):
Este é confortante e espetacular, se assemelha a um choque elétrico de 2 volts, sutil e gostoso, formigamento, podemos manipular esse estado e fazê-lo percorrer o corpo. Se caracteriza por ser a mudança de freqüência do corpo astral, realizando então a soltura do corpo astral do corpo físico. É uma atividade motora interna, é benigno, as vezes essa vibração produz um barulho como um chiado, parecendo um rádio fora de sintonia, enxame de abelhas. Clique aqui para cair diretamente no item EV. e clique aqui para a Explicação de Waldo Vieira

 

04.1.06 – SONS INTRACRANIANOS:
São simultâneos a decolagem, podem ser: Silvos, sibilos, som metálico, batidas, estalos e tem relação direta com o estado vibracional.

 

Onomatopéia: Bam, zaam, blammm, sizzz, tirrrrô, zinnng; clack, chiiii, urrrrruuuuriiiii, etc.


04.1.07 – HIPNAGOGIA:
Alucinações, onirismo, estado alfa, ele começa logo no início da decolagem, pode durar alguns segundos ou até 15 minutos em alguns casos. Caracteriza-se por imagens, sons, cheiros. Vozes, gritos, conversas, imagens diversas, túneis, cheiros florais.

 

Ver fantasmas, vultos, escutar músicas, cores, fumaças coloridas, bolas de luz, sensação de toque, sentir-se agarrado, puxado, empurrado.

 

04.1.08 – PRÉ-DECOLAGEM:

Preliminares de uma projeção astral, nelas estão inclusas todas essas características, flashes, balanceamento do corpo, afundamento, expansão corpórea, latejamento no frontal ou no topo da cabeça, visões fugazes, onirismo,  sensação de estar sendo observado, saída parcial, perda da lucidez. Projeção de Trendelemburg (saída de todo o corpo exceto da cabeça).  Na pré-decolagem o corpo astral se desprende mas não se eleva, fica solto porém dentro do corpo físico.

 

04.1.09 – ESTADO TRANSICIONAL:

Ocorre justamente quando o corpo decide sair, pode elevar-se, pode afundar, saída lateral, este estado costuma produzir sonhos de vôos, este estado não é a decolagem, é apenas e impulso inicial chamado de MINIDESCOINCIDÊNCIA, SEMIDECOLAGEM, poderíamos dizer que um estado entre a PRÉ-DECOLAGEM e a DECOLAGEM.

 

04.1.10 – INSTABILIDADE DO PSICOSSOMA (CORPO ASTRAL):

Balanço estrafísico, flutuação, gangorra,  ondulção extrafísica, turbulência extrafísica. Essa instabilidade pode abreviar uma projeção astral caso o projetor se assuste, o retorno se fará imediato.

 

04.1.11 – VISÃO DUPLA EXTRAFÍSICA:

Ver dois lugares ao mesmo tempo, visualização de dois lugares ao mesmo tempo.

Ocorre sempre na fase pré-projetiva. Podemos ver o quarto, e um lugar distante, segundo alguns projetores é ocasionado pela expansão da consciência. Temos também : Dupla-Audição, duplo-tato, dupla-motricidade.

Visão preto e branco, distorcida, projeção astral as cegas, são originadas da falta de lucidez e do excesso de matéria etérica (densidades, excrescências astrais - sujeira ambiental). Recomenda-se maior contado com a natureza, pés descalços, energização dos chakras (Ver técnicas de energização).

 

04.1.12 – BRADICINESIA EXTRAFÍSICA:

Condição de morosidade nos movimentos falta de motricidade,  conhecido por fenômeno SLOW-MOTION (Câmara Lenta), caracterizado pela densidade excessiva do duplo etérico, também pode ser do ambiente astral, cordão astral grosso denso, ansiedade e/ou medo provocam também esse processo.

 

04.1.13 – OUTROS SINTOMAS:
Latejamento
em partes do corpo, visão dupla, balanceamento, sensação de ser agarrado, sensação de afundamento, pressão na cabeça , quentura corporal na hora do relaxamento, aceleração das batidas cardíacas, falta de ar.

 

04.1.14 – PARAPSICOLEPSIA:

Blecaute consciencial, curto-circuito consciencial, amnésia consciencial , lapso momentâneo Este blecaute sempre ocorre no momento difícil do estado transicional e decolagem, quando é difícil manter a lucidez. O blecaute faz lembrar uma lâmpada elétrica que diminui a claridade por um breve momento

04.1.15 - ESTADO VIBRACIONAL FRACO:
O
estado vibracional se vier fraco não produzirá a viagem astral.
A
causa disso é o receio e a ansiedade.
Para produzir um estado vibracional forte de qualidade, é preciso fazê-lo circular pelo corpo pelo simples ato da vontade, quando ele ficar forte naturalmente acontece o desencaixe e o corpo sobe.

04.1.16 - CORAÇÃO DISPARA NA HORA DO EV:
Para tu veres o quanto é importante a calma, tranqüilidade e SABER RESPIRAR.
Esse controle é que vai segurar e cadenciar o processo. Vai vir a vontade de engolir, impressão de salivação em excesso, sensação de falta de ar. O que fazer então?
FICAR COMPLETAMENTE IMÓVEL, esquecer o corpo físico, isso é fundamental.
Se o
coração acelerar quem vai controlá-lo é a respiração, lenta e compassada, depois a falta de ar vier não bola ela é uma sensação falsa, porque o PSICOSSOMA (CORPO ASTRAL) não necessita respirar. Vai notar que são impressões quase todas falsas. Tranqüilidade, controle respiratório e a tua projeção vai acontecer naturalmente.

 

04.1.17 - RESPIRAÇÃO ACELERADA:

A respiração é um ato natural, inconsciente, é controlado por estruturas internas que não dependem da vontade, do raciocinio. Respirar é da natureza subconsciente. Porém podemos interferir, pela vontade no processo, podemos parar, podemos aumentar ou diminuir, pela vontade. Mas não podemos evitar que ao acelerar o coração a respiração dispare. Porém a complexidade em controlar o processo quando existe adrenalina na corrente sanguínea, já não depende da vontade. O ideal é evitar que a adrenalina seja disparada na corrente circulatória, para isso o controle tem que ser de passividade quando começar a catalepsia, qualquer receio, dúvida, um leve temor, vai trazer uma aceleração do coração, que obviamente vai refletir na respiração acelerada.

 

FALTA DE AR: - Ocorre quando a ansiedade é muito grande, DEVIDO ao medo, receio ou pavor do projetor. Já alguns projetores experientes, alegam que o corpo astral não precisa da respiração no plano astral, por isso não sabe lidar com as mudanças radicais exigidas pela necessidade de respirar, ocorre então a falta de ar. Porém essa afirmação precisa de mais estudos sobre o fenômeno, já que o corpo astral dos encarnados simula a respiração mesmo sem precisar (hábito), é por isso que em alguns lugares próximos a terra no plano espiritual os encarnados projetados são chamados pelos espíritos desencarnados de "FOLES AMBULANTES"[1] (Waldo Vieira).
 

[1].Utensílio destinado a produzir vento para ativar uma combustão ou limpar cavidades.


04.1.18 - ABRIR OS OLHOS NA HORA DA DECOLAGEM:
Na
falta de experiência é bom não fazer isso. Ao abrir os olhos pode repercutir no corpo físico e tu acabas voltando frustando uma experiência que é muito marcante.
Uma decolagem é
algo que a gente faz 1000 vezes e sempre adora, tal é a sensação maravilhosa de flutuar.
Geralmente saímos enxergando no astral, mas se isso não ocorrer, DESEJE ENXERGAR, O ATO DE ABRIR AS PÁLPEBRAS DOS OLHOS PERTO DO FÍSICO, é arriscado. Primeiro se afaste, mesmo sem ver nada vai saber disso.

 

04.1.19 – CORDÃO ASTRAL:

O cordão astral traz a sensação de estar puxando, tocando, agarrando e até mesmo ser um ser estranho nos observando. As vezes pulsa energeticamente. Mesmo sem vê-lo as vezes sente-se essa sensação estranha de ter alguém nos agarrando.

 

04.1.20 – SENTIDOS DO CORPO FÍSICO:

Os sentidos no astral são variáveis. A audição pode ser fraca, dupla (em dois lugares ao mesmo tempo), audição sensível como escutar pequenos ruídos internos do corpo, como escutar barulhos externos como grilos, ratos caminhando, etc. Da mesma forma o olfato e a visão podem sofrer variações enormes. A visão está no item 04.1.11  (Acima descrito).

 

04.1.21 – EXCESSO DE SALIVA - SALIVAÇÃO:
A salivação é
natural ela acontece naturalmente em alguns casos, dependendo de cada pessoa, quantas vezes acordamos com o travesseiro molhado...
Tem
que aprender a controlar isso de forma que não te atrapalhe, pois quando dorme, ela acontece da mesma forma.
1)
Técnica, usada por alguns projetores que inspiram pelo nariz e expiram pela boca, que a boca vai ressecar e não vai salivar, porém esse ressecamento pode ficar incômodo secando os lábios.
2)
Levante a língua de maneira que quase toque a CÉU DA BOCA, dessa maneira não haverá muita salivação.
3)
Ladear a cabeça de forma que se ela for em demasia, saia pelo canto da boca, mas não engula senão interrompe o processo.
4)
Não atenção se concentre noutro ponto do corpo, a salivação é provocada pela ansiedade que é autosugestiva e indutora de se repetir num ciclo contínuo e pelo fato de não mexermos o corpo, ela acontece.
5)
Travesseiros altos e a saliva e desliza sem acumular-se na boca. Esses pequenos detalhes tu vais adaptando.


Alguns projetores afirmam que o excesso de salivação é causado somente pela ansiedade, com o tempo a salivação se normaliza.

 

 

04.2 - EXPLICANDO O ESTADO VIBRACIONAL (E.V.)

Clique aqui para ver uma animação sobre Estado Vibracional

04.2.1 - Perguntas mais freqüentes:

 

1. O que é o Estado Vibracional (EV)?

É a ativação máxima do nosso corpo energético e dos nossos chacras e que provoca um estado geral positivo e agradável.

2. O Estado Vibracional pode acontecer espontaneamente?

Sim, o estado vibracional pode acontecer espontaneamente, quando a pessoa está profundamente relaxada, quando deixa o corpo físico ou regressa a ele.

3. Como é que nos sentimos quando experimentamos o estado vibracional?

A sensação é vulgarmente descrita como uma intensa vibração por todo o corpo, uma forte e agradável sensação de formigamento, ou uma corrente eléctrica passando pelo corpo. As sensações associadas ao estado vibracional são muito pessoais e normalmente pessoas diferentes descrevem sensações diferentes.

4. É possível provocar voluntariamente um estado vibracional?

Sim, pode-se aprender a produzir o estado vibracional voluntariamente. Ele é essencial para a realização de Experiências Fora-do-Corpo e para o desenvolvimento das capacidades psíquicas.


5. O estado vibracional voluntário traz algum benefício pessoal?

Sim, podemos obter muitos benefícios através do domínio do estado vibracional. Eis alguns desses benefícios: 1) Autodefesa energética e protecção psíquica, 2) Força e equilíbrio energéticos, 3) Produção de EFC`s conscientes, 4) Desenvolvimento de capacidades psíquicas, 5) Eliminação de bloqueios energéticos, além de outros.

 

6. Há algum perigo associado ao estado vibracional?

Não, o estado vibracional é um processo completamente natural e saudável, que pode ocorrer espontaneamente em diferentes situações, mesmo quando se está prestes a ter uma Experiência Fora-do-Corpo.

 

7. Como posso aprender a produzir este estado?

Pode inscrever-se no “Curso de Desenvolvimento da Consciência” proposto pela IAC, que ensina um vasto leque de técnicas energéticas, permitindo que os alunos percebam e controlem as energias. Em alternativa, pode aprender as técnicas energéticas básicas no vídeo intitulado: ”Experiência Fora-do-Corpo: Um Vislumbre da Imortalidade”.
Também pode encontrar uma explicação pormenorizada do estado vibracional assim como de outras técnicas energéticas no livro “Projecciologia – Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo Humano” de Waldo Vieira (contém mais de 1.200 páginas).

Fonte:
http://www.viagemastral.com/templates/conteudo.php?id=2&c=414

*****

04.2.2 - O que é o Estado Vibracional (E.V.)?

São vibrações intensas que percorrem o holochacra e o psicossoma acelerando-as a fim de escaparem às vibrações lentas do corpo humano, tais vibrações constituem um circuito fechado entre os corpos, tendo como finalidade a descoincidência dos corpos.

Cada veículo de manifestação, soma, holochacra e psicossoma, vibram em intensidades diferentes. O Estado Vibracional induz a uma aceleração das vibrações dos corpos de modo que possibilita a descoincidência dos corpos. A vibração do corpo físico por ser mais lenta necessita de uma aceleração para que possa vibrar na mesma intensidade do psicossoma, com sua aceleração passam os corpos a vibrarem numa mesma intensidade, em sintonia, logo chegando neste estágio, estando os corpos em harmonia, ocorre a descoincidência.

Sensações:



01- Alfinetadas e agulhadas generalizadas agradáveis;

02- choque elétrico contínuo;

03- correntes magnéticas;

04- vibrações elétricas;

05- dínamo interno;

06- eletricidade suave;

07- formigamento;

08- movimento de ondas vibratórias pulsantes;

09- sons intracranianos;

10- pressão intracraniana.

No Estado Vibracional o movimento das vibrações podem ser comandadas pela vontade, sendo a frequência aumentada ou diminuída ritmadamente.

 

*************************

 

04.2.3 - TIPOS DE ESTADOS VIBRACIONAIS (E.V.)

Por Beraldo

Existem vários tipos de Estados Vibracionais corporais, sentidos na flor da pele:

1º) E.V. Projetivo: É o Estado Vibracional provocada pela mudança de freqüência do Corpo Astral (acelera atomicamente) provocando a sensação de choque, alfinetados e produzindo um zumbido característico, como se um rádio ou tv estivesse fora de sintonia. Sons, intracranianos, estalos também são característivos.

Existem dois tipos de EV projetivo o de SAÍDA DO CORPO e o de ENTRADA DO CORPO (RETORNO).
 

2º) E.V. CONSCIENCIAL:

O E.V. interno como é chamado, é de nível etérico, são energias no qual manipula-se pela vontade consciente, essa manipulação ajuda no alinhamento dos chakras, usinação das energias, circulação e desbloqueamento. É comum sentirmos um leve arrepio, nas costas, nuca e braços involuntáriamente quando escutamos uma música que gostamos muito, quando nos emocionamos, se deixarmos esse arrepio mais forte, ele vai se assemelhar a um pequeno choque.

Com o tempo e treino podemos produzir E.Vs. no mesmo nível dos E.Vs. projetivos.

Portanto é preciso salientar: O EV projetivo é a nível astral, o EV consciencial é a nível Etérico.


3º) E.V. FÍSICO:

O E.V. físico é diretamente na derme, provocado por variações na temperatura do corpo, quando os poros arrepiam, quando sentimos frio, quando estamos gripados, neste caso este é o mais fraco de todos, porém por ser diretamente no físico ele pode ter reações físicas como cabelos eriçados, pele levantar.

4º) E.V. MEDIÚNICO:

Os EV externos, são originados de vibrações externas como espiritos desencarnados, energias externas ambientais (ambientes pesados, comitérios, açougues, locais de tortura). Algumas pessoas com chakras sensiveis, principalmente o CHAKRA UMERAL (nas costas) sentem arrepios fortes quando em contato com as energias externas. Esses EVs podem ser voluntários ou involuntários, podem ser momentáneos ou permanentes (casos dos médiuns).
 

*****************

 

 

 

04.3 - Estado Vibracional (E.V.)

Autor: Waldo Vieira


04.3.01 - Definição: Estado vibracional: condição na qual o duplo etérico e o psicossoma aceleram as vibrações a fim de escaparem às vibrações lentas do corpo humano, o que pode produzir a projeção da consciência encarnada através do psicossoma.

04.3.02 - Sinonímia: atividade motora interna; efeitos vibracionais; estado elétrico extrafísico; estado energético; formigamento extrafísico; implosão de luz; sensações vibracionais.

04.3.03 - Causas: O estado vibracional parece ser promovido, antes de tudo, pela condição de libertação ou soltura parafisiológica maior e benigna do duplo etérico. Atuam ainda como causas físicas para desencadear o estado vibracional: as vibrações físicas de todo o corpo humano; ventos frios; a queda da temperatura ambiental; condição de exaltação emocional; etc.

04.3.04 - Características: O estado vibracional advém da intensificação do desprendimento de energias, pode ser perceptível ou imperceptível pela consciência, e somente acontece nas projeções conscienciais através do psicossoma com densidade maior, devido ao fato de este veículo carregar consigo um lastro maior do duplo etérico, ou o corpo energético. Merece ser esclarecido que as "sensações das vibrações", porém estas são as responsáveis (causas) pela geração daquelas (efeitos). Por isso, o estado vibracional acaba sendo, de fato, um estado energético, embora as realidades "vibrações" e "energias" sejam intrinsecamente bem diferentes.

04.3.05 - Efeitos: Dentre as sensações do estado vibracional destacam-se movimento de ondas internas, iguais, de vibrações pulsantes e indolores, cujas freqüência – ou número de vibrações por segundo – e intensidade, podem ser comandadas pela vontade, sendo a freqüência aumentada ou diminuída ritmadamente, a intensidade mais forte ou mais fraca, varrendo o corpo humano imobilizado da cabeça até as mãos e os pés, e retornando ao cérebro, num circuito constante de breves segundos. Isto ocorre até que se atinge a freqüência natural de vibração ou a freqüência de ressonância de cada veículo de manifestação em separado.

04.3.06 - Continuidade: Não raro, o estado vibracional caracteriza-se apenas pela sensação de intensa vibração contínua. Outras vezes aparecem ruídos ou sons intracranianos, bem como estímulos ou efeitos visuais.

04.3.07 - Imagens: Imagens e comparações que os projetores conscienciais empregam para caracterizar as sensações do estado vibracional: alfinetadas e agulhadas generalizadas agradáveis; choque elétrico contínuo; correntes magnéticas; dínamo interno; eletricidade suave; formigamento interno; partida de motor interno; vibrações elétricas; etc.

04.3.08 - Formigamento: Em Psicologia, recebe o nome de formigamento a sensação intermitente ou oscilante, de distribuição variável, como que um picotamento ambulante que dá idéia de um batalhão de formigas correndo sobre a pele, produzida sob a ação de uma corrente farádica pouco intensa ou de vibrações mecânicas muito fortes, que atinja uma ramificação nervosa sensitiva, antes de ser atingido o limiar da dor. Tal sensação caracteriza com bastante aproximação certas ocorrências do estado vibracional. Vale informar que o formigamento que passa a ser doloroso constitui ocorrência diferente e aí recebe o nome específico de "mirmalgia".

04.3.09 - Relaxe: Às vezes vale o esforço de provocar o estado vibracional, não com a intenção única de produzir uma projeção consciencial lúcida completa através do psicossoma, porém com o objetivo de fugir à rigidez fria e coercitiva do restringimento do corpo físico, ou da prisão às formas humanas, num relaxe psicológico rápido e positivo.

04.3.11 - Sensações: Quando provocado intensamente, visando ao relaxe psicológico, o estado vibracional pode predispor o surgimento de sensações positivas diversas: agradabilíssimo orgasmo vibratório que se manifesta pelo corpo inteiro; imersão num fogo energético como se todo o organismo estivesse dominado por um incêndio com labaredas que se elevam crepitantes; aparecimento instantâneo de olhos energéticos – à semelhança das minifontes ou olhos d'água – quais pequenos incêndios vibratórios que fluem com intensidade como repuxos localizados aparentemente num segmento ou área circunscrita do corpo humano, seja antebraço, panturrilha, plexo solar, etc.

04.3.12 - Catalepsia: Freqüentemente as sensações vibracionais e a catalepsia benigna ocorrem ao mesmo tempo e surgem de modo indistinto para alguns projetores conscienciais lúcidos. Coroa o estado vibracional o eriçamento positivo da crista luminosa, humana, do chacra coronário iridescente.

04.3.13 - Uníssonos: Em tese parece seguro presumir que o estado vibracional pode ocorrer com um médium encarnado e uma consciência desencarnada, que ainda não passou pela segunda morte, de modo uníssono, com vibrações sincronizadas, através de acoplamento áurico maior, decorrendo dessa junção diversos efeitos, inclusive intensa exteriorização recíproca de energias, e predispondo a fenômenos variados. É razoável supor que tal fato aconteça em certos casos de ectoplasma, e na transmissão de bioenergias, por exemplo.

04.3.14 - Decolagem: No estágio final do estado vibracional podem ocorrer a sensação de pressão intracraniana e, logo após, a decolagem do psicossoma portando consigo a consciência, podendo esta permanecer consciente ou inconsciente quanto à ocorrência.

04.3.15 - Desmaterialização: O estado vibracional mais avançado – ou o seu clímax – é a condição ectoplásmica total, ou a ocorrência de desmaterialização completa do corpo humano. Tal fato acontece nos fenômenos de parateleportação humana.

04.3.16 - Enxaqueca: Algumas vezes durante uma crise forte de dor de cabeça, certos portadores de enxaqueca, ou hemicrania (psicopatologia), se queixam de ter a impressão de que todo o corpo humano fica vibrando e se movendo como se fosse um pêndulo muito rápido, o que faz lembrar exatamente as sensações parapsicofisiológicas, naturais, do estado vibracional.

04.3.17 - Cadeira: As sensações do estado vibracional têm sido artificialmente criadas através da cadeira vibratória, junto com a estimulação Ganzfeld, fazendo com que a pessoa sinta vibrações como se uma corrente elétrica estivesse passando através do seu corpo humano com o objetivo de induzir-lhe a consciência à experiência da projeção lúcida. O pesquisador John Palmer observou que a metade do pessoal testado com a cadeira vibratória obteve êxito na indução da experiência da projeção consciencial lúcida.

04.3.18 - Coletivos: Num grupo de indivíduos que se aglomeram sob a influência de um fator de ação comum sobre eles, ou mesmo numa considerável multidão, aonde ocorra o acoplamento áurico coletivo, fundamentalmente inconsciente quanto à ocorrência e gerado pelas emoções (contágio emocional), pode sobrevir o estado vibracional, também inconsciente quanto às energias e gerado pelas emoções do promotor, ou promotores do ajuntamento, e da maioria dos componentes da reunião. Tanto este tipo de acoplamento áurico temporário, quanto este tipo de estado vibracional fugaz podem ser de natureza positiva quanto negativa. A causa do fenômeno aqui é a interatração de cada consciência através do corpo emocional (psicossoma); os efeitos principais são gerados pelo corpo energéticos (duplo etérico). Não se pode esquecer que o projetor consciencial encarnado, projetado, pode não só observar quanto participar dessas ocorrências seja de modo consciente, na qualidade de socorrista extrafísico, ou de modo inconsciente, na condição de "bucha para canhão".

04.3.19 - Positivos:
Eis três exemplos de acoplamentos áuricos coletivos e estados vibracionais conjuntos, uníssonos, da multidão, que podem ser de natureza positiva: o líder religioso construtivo no pique máximo de sua fala à multidão em estado de expectativa; o virtuose ao término do concerto bem executado para uma platéia cônscia e sensível ao que ouve; o encerramento da fala do experiente paraninfo dos formandos no solene ato da formatura, etc. Quando a energia emocional e as circunstâncias são positivas, os amparadores aproveitam a oportunidade para socorrer extrafisicamente os seres encarnados e desencarnados necessitados.

04.3.20 - Negativos: Eis dois exemplos de acoplamentos áuricos coletivos e estados vibracionais conjuntos, uníssonos, da multidão demente, de natureza inapelavelmente negativa, ou seja, manifestações de envenenamento de massa: o líder político quando açula a multidão durante um quebra-quebra; o clímax da embriaguez de fúria de uma sessão de linchamento; etc. Quando a energia comocional e as circunstâncias são negativas, os amparadores fazem o que podem para reduzir ao máximo os malefícios auxiliando a quem conseguem socorrer entre os manifestantes sempre em condições psicológicas subumanas.

04.3.21 - Ambivalentes: Eis cinco exemplos de acoplamentos áuricos coletivos e estados vibracionais conjuntos uníssonos, da multidão, que podem ser de natureza ambivalente, positiva e negativa ao mesmo tempo: o entusiasmo dos torcedores do jogo decisivo no estádio esportivo lotado; a vibração por ocasião da passagem dos animais pela reta de chegada no grande prêmio do Jockey Clube; o clímax do desfile da escola de samba na passarela; o artista cantando para o seu público; o orador ao envolver psicologicamente os ouvintes; etc.

Extraído do livro "Projeciologia" de Waldo Vieira. Edição de 1990. Capítulos 327-329.
 

 

04.4 - UMA OPINIÃO DENTRO DA FÍSICA QÜANTICA:


Entrevistando o Estudante de física Marcos Vano (esotérico):

Parte I:
O estado vibracional é uma conseqüência da interação espírito (consciência) com o corpo físico. Essa interação se torna mais “excitada” quando produzimos esse estado pela vontade, o espírito dominando o corpo. Se a ciência tivesse descoberto a relação entre espírito e corpo já teríamos descoberto também as relações telepáticas (não ondas mentais, o cérebro e o espírito não emitem ondas de pensamento, emitem padrões), ainda não conseguimos um meio para interpretá-los, não estou me referindo as chamadas transcomunicações, mas tão somente à captação direta do padrão espiritual, isso ainda não foi descoberto por uma incapacidade tecnológica referente ao paradigma cientifico.

Parte II:

Existe um erro monstruoso que é usado muito no meio espiritualista quando atribuem ao espírito a vibração. Herdado do começo do século quando a física começou a despontar com grandes teorias e descobertas, principalmente o eletromagnetismo, que surgiu a idéia errada de que o espírito vibrava, fazendo uma relação com a energia elétrica que não era vista, porém existia, usaram o termo para validar a existência do espírito, mas atribuíram a isso o termo “numa freqüência mais rápida”, onde surgiu a idéia que o espírito era invisível porque vibrava muito rápido. É uma idéia errada, porque quanto mais aumentamos a freqüência, pela teoria da relatividade especial E=MC2, a tendência é da massa ficar infinita, quando mais energia mais massa, então o espírito seria material e tendendo ao infinito. A quântica trás a idéia (que alguns físicos não gostam desse assunto, pois está se tornando místico demais) que é o “colapso de função de ondas probabilísticas”, que mostra o surgimento da matéria se realizando por meio de probabilidades que chegam a um colapso, então o espírito estaria anterior a esse colapso e o produziria criando a matéria, ou seja, a consciência estaria por trás da manifestação física. Seria fácil dizer que o espírito vibra em freqüências muito rápidas e por isso não captamos, mas como escrito acima essa definição é errada.

Parte III:
Errada porque espírito não vibra, se vibrasse se tornaria com massa infinita, mas se ele não é material então do que é feito? A resposta exige um conhecimento novo, e para a “fúria” de alguns físicos, a quântica começa a abrir caminhos que podem levar ao entendimento de que a consciência que cria o colapso de função de ondas probabilísticas (a matéria), o mundo, o universo existem por causa da consciência, e ela não estaria no cérebro.

 

Parte IV:
A consciência seria imaterial e sua “morada” não seria física, assim explicaria a existência do espírito que seria uma das manifestações da consciência, mas não uma manifestação material, por esse motivo que não é medida. Alguns atestam que a morada da consciência é no cérebro, mas me atrevo a dizer e usar como base um dos mais respeitados matemáticos quânticos Von Newman um dos pais da matemática quântica. Ele desenvolveu uma explicação matemática sobre um principio quântico que reza que toda a medida efetuada é passível de mudança, tanto o objeto que mede quando o medido. Tudo se transforma e no mundo quântico seria imprecisa qualquer medida. Ele chamou isso de “cadeia de Von Newman”, pois toda a matéria entraria nessa cadeia e não teríamos como medir algo, a única coisa que seria capaz de quebrar essa cadeia seria a consciência, pois ela não é material. O principio dos estudos futuros sobre o espírito irão nesse sentido, da interpretação das ondas de probabilidades antes do colapso e com nascimento na consciência imaterial.


Parte V:
Para finalizar além do erro em dizer que espírito vibra, outro erro é a definição de dimensão: Os mundos astrais não são dimensionais, dimensão não é um locail, é um termo conceitual que se define onde se sistematiza as formas geométricas e a maneira como elas se distribuem, assim não tem como algo habitar outra dimensão, parece que para toda a realidade existir, os eixos dimensionais se tocam e se distribuem para forma-lá, melhor explicando, "Dimensão é o número de vetores linearmente independentes que você precisa para descrever o espaço que você, no caso, está modelando”. Por isso muito cuidado quando usar esse termo é uma grande furada, o certo é falar plano de manifestação ou planos astrais. Como eles se interpenetram? Pois bem, o padrão de manifestação se dá em níveis de densidade probabilísticas ainda não realizadas na matéria, por esse motivo não são vistos ou medidos, não existe algo que os separe. Em analogia usando o átomo, os elétrons não desenvolvem uma “trajetória” linear como aprendemos ERRADAMENTE na escola, eles se manifestam nas trajetórias com um potencial probabilístico, e nada separa as “trajetórias”, pois onde uma existe a outra não tem o POTÊNCIAL de existir, não existe uma separação, o nome é conceitual.

 

04.5 - As Ondas Cerebrais:

O que são ondas cerebrais?
É conhecido que o cérebro á um órgão eletroquímico; os investigadores especularam que um cérebro em funcionamento pode gerar até 10 watts de potência elétrica.
Embora este poder elétrico seja limitado, acontece de um modo específico a atividade elétrica que emana do cérebro, a qual é exibida na forma de ondas cerebrais captadas por aparelhos de elétroencefalograma EEG. Há quatro categorias de ondas cerebrais que percorrem a maioria atividade cerebral. Quando o cérebro está em estado de alerta, gera ondas beta. Estas ondas beta são as mais rápidas dos quatro tipos de ondas cerebrais. A freqüência de alcances de ondas beta são de 15 a 40 ciclos um segundo (Hz). Ondas beta são características de uma pessoa em atividade com conversando ou discursando.
 

Ondas cerebrais:
A próxima categoria de ondas cerebrais em ordem de freqüência é alfa. Onde beta representou estimulação ou atividade alta , alfa representa ondas cerebrais menores e mais lentas. A freqüência de alfa varia de 9 a 14 ciclos por segundo (Hz). Uma pessoa que completou uma tarefa e se sentou está freqüentemente em um estado de ondas cerebrais alfa. Uma pessoa que leva intervalo para refletir ou meditar normalmente está em um estado de alfa (alpha).
O próximo estado de ondas cerebrais é theta, tipicamente são freqüências mais lentas, normalmente está entre 5 e 8 ciclos um segundo (Hz). Uma pessoa que dormiu e começou a sonhar está freqüentemente em um estado de ondas cerebrais theta. Uma pessoa que está dirigindo em uma auto-estrada, e descobre que não consegue recordar dos últimos cinco kilômetros, está freqüentemente em um estado de theta induzido pelo processo de condução na auto-estrada.
Indivíduos que andam ao ar livre freqüentemente estão em estado de relaxamento mental, eles são propensos a um bom fluxo de idéias. Isto também pode acontecer no banho. É um estado onde tarefas ficam tão automáticas que você pode dispersar mentalmente. O flash de idéia pode acontecer durante o estado de ondas cerebrais theta onde é freqüentemente um fluxo livre de idéias ou inspiração o que acontece sem censura ou culpabilidade. É tipicamente um estado mental muito positivo.
O estado de ondas cerebrais final é delta. Aqui as onda cerebrais estão em freqüência mais lenta. Eles estão tipicamente entre 1.5 a 4 ciclos por segundo, porém nunca abaixam para zero, porque isso significaria que você está com morte cerebral. Mas durante o sono profundo você pode alcançar freqüências de ondas cerebrais Theta.

Desde que o primeiro equipamento que possibilita a visualização das atividades cerebrais (um EEG – eletroencefalograma) em 1920, cientistas perceberam que o cérebro tem tendência de produzir ondas cerebrais (sinais elétricos de baixa intensidade) em 4 variações distintas, as quais são chamadas de Beta, Alpha, Theta e Delta.


Ondas Beta: São as ondas cerebrais mais rápidas, podem varias em freqüência de 14 ciclos por segundos (14 Hertz ou 14 Hz) até pouco mais de 100Hz. Quando estamos acordados, em um estado normal, concentrados em nossas tarefas cotidianas ou problemas concretos e específicos, as ondas Beta (especificamente entre 14 e 40Hz) são as mais dominantes e fortes em nosso cérebro. Ondas Beta são associadas com estados de Alerta, cognição e em níveis excessivos, são associadas com a Ansiedade.


Ondas Alpha: Quando fechamos nossos olhos e ficamos mais relaxados, em paz, desconcentrados, as atividades cerebrais diminuem, então produzimos pulsos de ondas Alpha na faixa de freqüência de 8 a 13Hz. Se ficarmos mais relaxados, e mentalmente desconcentrados, as ondas Alpha serão as dominantes em todo o cérebro, produzindo uma calma e uma sensação prazerosa denominada estado Alpha. O estado Alpha é um estado neutro do cérebro, onde a pessoa saudável e não em stress tende a produzir muitas atividades freqüências de ondas Alpha. A falta de atividade Alpha pode ser sinal de Ansiedade, Stress ou doença.


Ondas Theta: Quando o relaxamento vai aprofundando-se, o cérebro passa para um estágio mais lento, com a presença mais ritmada das ondas Theta, com faixa de freqüência entre 4 e 8 Hz. O estágio Theta, também é conhecido e chamado como Estágio de transe, entre o acordado e o dormindo. Este estágio é normalmente acompanhado de imagens mentais inesperadas, comumente acompanhado de memórias vivas e claras da infância. O estágio Theta oferece acesso a materiais do inconsciente, a associações de idéias e idéias criativas. É um estágio misterioso e elucidativo. Muitas pessoas tendem a dormir logo após gerarem grande quantidade de atividade Theta.


Ondas Delta: Quando dormimos, as ondas cerebrais dominantes são as Delta, que são mais lentas que as Theta, com faixa de freqüência abaixo dos 4Hz. Quando a maioria de nós entramos em um estágio Delta, dormimos e temos perda total da consciência. Entretanto, há grandes evidências que pessoas podem manter-se conscientes em estágios com Delta dominante, estágio este associado com estados não-físicos e extracorpóreos. É quando estamos no Estágio Delta, que nosso cérebro dispara o metabolismo e eliminação de grandes quantidades de hormônio de crescimento.
 

 

Compilado por Beraldo Lopes Figueiredo

 

Índice Projeciologia - Índice do Site Principal

Página Projeciologia   - Página Principal